Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

Alunos da UFSM-FW participam do 40º INTERCOM

A cidade de Curitiba, no Paraná, recebeu de 3 a 9 de setembro, o 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – INTERCOM. O Departamento de Ciências da Comunicação da UFSM-FW esteve no evento e teve os seguintes trabalhos aprovados para apresentação:

 

– Relações Públicas em mídias digitais: proposta de matriz para gestão estratégica da comunicação de crise. Autoria: Prof. Jones Machado

– Jornalismo Literário de Viagem: Jornalistas Brasileiros Flanando Pelos Estados Unidos. Autoria: Prof. Eduardo Ritter 

– A interação no rádio e a importância da função do receptor no programa Esporte & Cia, da Rádio Gaúcha, via aplicativo WhatsApp. Autoria: Guilherme de Vargas e Luiz Paulo Rodrigues. Orientação: Prof. Eduardo Ritter

– O jornalismo como (in)formador de cidadãos: análise do caderno Águas do Amanhã (Gazeta do Povo). Autoria: Wellington Felipe  Profª Cláudia Moraes

-Indígenas do Brasil e Mídia: O que Dizem as Pesquisas? Autoria: Gabriel Araujo e Kássia Lutz. Orientação: Prof. Wesley Grijó (in memoriam) e Profª Luciana Carvalho

 

O Prof. Eduardo Ritter participou do evento como (autor) apresentador de um estudo literário, e também como orientador. Salienta que a participação presencial reforça todos os laços que possam existir. “Além do crescimento pessoal, acadêmico e profissional dos participantes do congresso, a UFSM/FW também marca seu território no cenário nacional da comunicação participando de eventos como esse” acrescenta ele.

Guilherme de Vargas, acadêmico do 6º semestre do curso de Jornalismo, discorreu em seu trabalho sobre o processo de interatividade e o paralelo histórico sobre a mudança do receptor desde o surgimento das cartas, telefone e rádio. “É clichê num lugar como esse, adquirir experiências” afirma Guilherme.

 “Pra mim, ter ajudado um pouquinho a levar esse trabalho, principalmente com o nome do Wesley (in memorian), foi um prazer”, comenta Luciana Carvalho, orientadora da pesquisa “Indígenas do Brasil e Mídia: O que Dizem as Pesquisas?”.