Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

Fora de Sede: Frederico Westphalen com padrão de Copa do Mundo

Em época de copa do mundo, pensa-se em grandes jogos que acontecem em campos perfeitos e que são considerados “padrão FIFA”. Para encontrar um gramado desde nível não é necessário ir tão longe. Em Frederico Westphalen, o time do União Frederiquense possui em seu estádio a certificação internacional de padrão do gramado.

A partir da avaliação da qualidade do antigo estádio do clube, surgiu a necessidade de aprimorar o gramado. E é daí que surge a parceira com a UFSM-FW. O presidente do União Frederiquense e também professor da Universidade responsável pelo projeto, Edison Cantarelli falou que no início tratou-se ainda do estádio Vermelhão da Colina. “O gramado era uma demanda do clube ainda na época do estádio antigo, havendo até 7 qualidades de gramado, sem irrigação e drenagem correta”, afirmou o Professor.

 

IMG-20180416-WA0006Iniciado já há mais de dois anos, quando iniciou-se a edificação da arena própria do time, a UFSM-FW através do projeto, ficou responsável pelo gramado, envolvendo toda a estrutura e construção. Na época, professores e alunos envolvidos foram desafiados a pensar nesta novidade, já que, segundo o professor Cantarelli “estamos acostumados a trabalhar com projetos agrícolas e tivemos que aprender juntos a desenvolver o gramado”.

O gramado de um campo de futebol é o hectare mais carro do mundo inteiro. Quando se vê, por exemplo, a copa do mundo, com gramados perfeitos, muitas vezes não se imagina que há grande investimento e conhecimento envolvido. E ter essa oportunidade agregou à vida acadêmica dos graduandos que trabalham no projeto. Atualmente, 13 alunos trabalham com o projeto, desenvolvendo habilidades e agregando conhecimento cientifico para a caminhada acadêmica, enriquecendo o futuro profissional. Como aponta o professor, “na área dos campos de futebol terão emprego em qualquer lugar do mundo, pois em todos os lugares se precisa de alguém para trabalharam neste meio”.

Para conseguir orientar os alunos, o professor Edison buscou conhecimento em cursos desenvolvidos junto com os responsáveis pelos gramados da Arena do Grêmio e do Estádio Beira-Rio. E, quando as obras foram iniciadas, foi preciso o auxilio de 5 professores de diferentes áreas da Universidade, para as etapas de montagem do gramado.

O Professor Renato Bepler Sppohr, ficou responsável pelo nivelamento e pela irrigação do gramado. O envolvimento do professor foi também com a topografia do terreno da nova sede do clube, “desde a primeira abertura do terreno nos preocupamos em deixar o local mais plano possível para receber o gramado, com medições topográficas e cálculos que foram essenciais”. Além disso, Renato acompanhou a empresa responsável pela irrigação, para evitar problemas futuros, “um gramado com essa qualidade não pode ficar mais de 24 horas sem irrigação” afirma o professor.

IMG-20180416-WA0007O Professor Antônio Luis Santi e o LapSul trouxeram para o projeto a Agricultura de Precisão. Ele iniciou com a parceria ainda no antigo estádio. “Fizemos uma avaliação da qualidade do gramado, com amostragem de georefenciado da fertilidade”, afirmou Santi.

Os Professores Vanderlei Rodriques da Silva e Rodrigo Ferreira da Silva trabalharam na adubação do gramado. “O nosso trabalho é programar as adubações da grama de alta qualidade do União para ser sempre saudável e verdinho o gramado”, afirma o professor.

Edison Bisognin Cantarelli, desenvolveu a implementação do gramado e o colchão drenante. “A base debaixo do gramado é formada com o colchão drenante (uma camada de brita com 30 cm, uma camada de granilha com 5 cm e uma camada de areia com 30 cm), também foi colocado uma tubulação para drenagem de água para após colocação da grama”, afirmou o professor.

O projeto é importante também para os acadêmicos da UFSM-FW, o Professor Santi afirma que “em termos de ganhos para a comunidade acadêmica temos a visibilidade e o aprendizado de novas oportunidades de interação, os alunos saem da agronomia apenas de grãos e se envolvem em outras áreas do curso”.

O professor Vanderlei acredita ser importante a visibilidade do campus. “A Universidade deve e tem que estar inserida na comunidade, e ações como essa geram bons frutos, tornando a UFSM mais conhecida e participativa”.

O professor Fernando enfatiza a importância de projetos porque “é quando podemos colocar em pratica os fundamentos que são abordados em disciplinas dos cursos das agrárias e ambientais do campus, que em sala de aula fica longe e na prática os alunos conseguem perceber a teoria”.

A obra do gramado foi orçada, até agora, em mais de meio milhão de reais e foi custeada integralmente pelo clube. Haverá investimentos por, pelo menos, mais um ano e meio para manutenção e pesquisas do novo gramado.

Todo esse trabalho desenvolvido reverteu para o time um gramado com padrão FIFA. A empresa que comercializa a grama é certificada pela FIFA e só pode colocar o material em campos que sigam as obrigações e determinações da Federação. Dessa forma, após a empresa vistoriar o trabalho dos alunos e professores  no campo do União Frederiquense e constatar que as normas internacional de qualidade foram mantidas, o clube adquirou a grama, que foi colocada pela empresa e conquistou a certificação de gramado Padrão FIFA.

Professor Edison ainda afirma que este projeto é fundamental para o clube. “Com um gramado que tem esse padrão, se aumenta as vitórias do time em casa e se diminui as lesões dos jogadores”, salienta o presidente.

O projeto continua em execução, agora desenvolvendo pesquisas na área de adubação do gramado. Além disso, o projeto trará questões de sustentabilidade. Para Cantarelli, o trabalho trará mais visibilidade para a Universidade. “Essa parceria é fundamental para aproximar a Universidade através de seu conhecimento e da aplicação de sua ciência até no campo e nos jogos do União”, encerrou Cantarelli.

 

Confira a reportagem em audiovisual, clicando aqui

Texto: Ariel Stival

Fotos: Cedidas por Edison Cantarelli