Ir para o conteúdo Palmeira das Missões Ir para o menu Palmeira das Missões Ir para a busca no site Palmeira das Missões Ir para o rodapé Palmeira das Missões
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Docente da UFSM-PM participa de Programa de Conservação de casal de pererecas ameaçadas de extinção: projeto de reprodução da espécie é realizado no Parque das Aves, em Foz do Iguaçu



Equipe na sala das pererecas. Foto: Equipe Parque das Aves

Um casal de pererecas da espécie Pithecopus rusticus foi levado, no mês de abril deste ano, para o Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, onde serão cuidadas por pesquisadores. A ação faz parte de um plano para a conservação da espécie que é considerada em extinção. Com o apoio do Parque Nacional do Iguaçu, as pererecas chegaram à Foz do Iguaçu de helicóptero, o que reduziu o tempo de transporte, visando minimizar o estresse aos animais. A operação marcou o início do programa de conservação em cativeiro desse anfíbio, considerado criticamente em perigo de extinção, segundo a Portaria do Ministério do Meio Ambiente nº 148, de 07/06/2022, que atualizou a Lista Nacional de Espécies Ameaçadas de Extinção. O trabalho é fruto da parceria entre a Universidade Federal de Santa Maria, o Parque das Aves e a Reserva Paulista (Zoo de São Paulo), com apoio do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Répteis e Anfíbios do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (RAN-ICMBio).

Conforme a docente Elaine Lucas, integrante do Projeto Anfíbios Ameaçados da Floresta com Araucárias e Ecossistemas Associados, que reúne pesquisadores da UFSM e de outras universidades, esta espécie de anfíbio é endêmica do Brasil, isso significa que ela só pode ser encontrada em nosso país, em uma pequena área de campos de altitude no bioma Mata Atlântica, no estado de Santa Catarina. “Atualmente, a única população conhecida da espécie está em uma área altamente impactada. próxima de uma estrada, com presença de gado e plantações”, explica a pesquisadora. A espécie foi descrita pela ciência somente em 2014 e ainda não possui um nome popular estabelecido, mas é chamada por alguns pesquisadores de perereca-rústica.

 Espécie de anfíbio Pithecopus rusticus em seu ambiente natural. Foto: Elaine Lucas. 

Segundo Paloma Bosso, diretora técnica do Parque das Aves, por conta dessas ameaças e por ter poucos indivíduos no ambiente natural, o plano dos pesquisadores é manter uma população de segurança. “Assim, será possível facilitar a reprodução dos animais em um espaço seguro para, futuramente, enviar seus descendentes ao local de origem. A ideia é reforçar a população em declínio ou introduzir um novo grupo de indivíduos no ambiente natural”, relata.

As pesquisas em campo sobre Pithecopus rusticus são realizadas sob a coordenação da professora Elaine Lucas, do curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), campus Palmeira das Missões, em parceria com outras universidades do Brasil e apoio do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Répteis e Anfíbios do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (RAN-ICMBio), que é responsável pelo Plano de Ação Nacional para Conservação de Répteis e Anfíbios Ameaçados da Região Sul do Brasil (PAN Herpetofauna do Sul).  Segundo Veluma De Bastiani, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Animal da UFSM, “as informações sobre o ambiente e o hábito de vida da espécie, obtidas em campo, são fundamentais para subsidiar o manejo desses animais em cativeiro”.

De acordo com a professora Elaine Lucas, a recomendação para a implantação de um programa de conservação em cativeiro (chamada de conservação ex situ) surgiu a partir de um evento realizado em 2020, que reuniu especialistas em anfíbios ameaçados de extinção no Brasil. O evento foi organizado em conjunto pela Amphibian Ark, instituição dedicada à conservação de anfíbios, e pelo Grupo de Especialistas de Anfíbios do Brasil (ASG Brasil).

Professora do curso de Ciências Biológicas da UFSM-PM, Elaine Lucas, durante pesquisa de campo. Foto: Veluma De Bastiani

No Parque das Aves, a equipe técnica simulou as condições de temperatura, umidade e fotoperíodo semelhantes às do ambiente natural das pererecas. “O nosso trabalho é desenvolver um ambiente compatível com aquele que elas teriam à disposição no ambiente natural. Então, como as pererecas preferem se esconder dentro da vegetação durante o dia, criamos um aquaterrário com bastante vegetação para o casal” comenta Ben Phalan, Chefe de Conservação do Parque das Aves. Além da iluminação natural, a equipe utiliza uma lâmpada emissora de raios do tipo ultravioleta B, que favorece as funções fisiológicas dos animais. Por ser uma espécie de hábitos noturnos, uma câmera infravermelha foi instalada especialmente para que a equipe possa realizar um monitoramento minucioso do comportamento do casal todos os dias.

Segundo os pesquisadores, o Parque das Aves recebe apoio com orientações detalhadas sobre a criação de pererecas do Zoológico de São Paulo, que tem grande experiência com a manutenção de anfíbios ameaçados de extinção. “Os anfíbios são o grupo de vertebrados mais ameaçados do mundo, assim, as ações de conservação para protegê-los são fundamentais. Por isso, estamos muito felizes que o Parque das Aves se juntou aos esforços para conservar os anfíbios no Brasil”, finaliza Cybele Lisboa, bióloga da Reserva Paulista e presidente do ASG-Brasil.

 

Assessoria de Comunicação UFSM-PM

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-378-6722

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes