Ir para o conteúdo Politécnico Ir para o menu Politécnico Ir para a busca no site Politécnico Ir para o rodapé Politécnico
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Encerramento do Disque COVID UFSM- Acolhe Mulheres



O Disque COVID UFSM- Acolhe Mulheres, projeto de extensão nº. 054279, sob coordenação da Profª. Laura Ferreira Cortes, vinculado ao Colégio Politécnico e ao Observatório de Direitos Humanos (ODH/PRE/UFSM), foi idealizado pelo Fórum de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres de Santa Maria, como uma ação da Campanha Santa Maria 50-50. O serviço teve caráter emergencial no contexto de distanciamento social, ocasionado pela pandemia de COVID 19, e prestou teleatendimento para mulheres em situação de violência da cidade e região. A previsão de funcionamento inicial foi de dois meses e com o prolongamento da pandemia, o serviço estendeu os atendimentos. Atuou, por meio de uma equipe qualificada de enfermeiras, assistentes sociais, psicólogas, advogadas e professoras que desenvolveram um trabalho interprofissional. Estas atuaram por cinco meses e meio, de forma voluntária. Foram muitas trocas e aprendizados em equipe. Acreditamos que o Disque foi uma expressão da sororidade de mulheres que se implicam com a condição de outras mulheres.

O serviço funcionou de maio a setembro de 2020, das 8h às 12h e das 18 às 22h, em plantão rotativo realizado entre as profissionais. Durante os atendimentos algumas mulheres relataram que as ameaças e/ou agressões tornaram-se mais graves ou frequentes durante o distanciamento social. Houve relato de cárcere privado e pedido de orientações quanto a serviços de ajuda. Quanto ao perfil das atendidas, 66,7% se identificam como sendo mulheres de cor branca, 33,4% possuíam renda própria e 66,67% afirmaram que as agressões se tornaram mais frequentes e/ou mais graves nos últimos seis meses. A equipe de atendimento realizou 15 reuniões de organização do serviço, publicados quatro textos nas mídias locais, três spots para rádios da cidade, dois vídeos e duas reportagens para a televisão.

No dia 30 de setembro, a equipe do Disque se reuniu para avaliação do trabalho e concluiu que o serviço cumpriu seus objetivos, considerando a reabertura gradativa dos serviços que prestam assistência às mulheres em situação de violência de Santa Maria e que o serviço apresentou baixa procura, sendo aquém das expectativas da equipe, aos alertas de organismos internacionais e as estatísticas de violência contra as mulheres em nível mundial e do Brasil.

Consideramos que tal fato pode estar relacionado a vários fatores do contexto da pandemia e aos desafios para garantir a atenção às mulheres em situação de violência, tais como: a flexibilização do distanciamento social, com o fato de muitas mulheres não terem parado de trabalhar fora neste período; fatores econômicos, como a instabilidade financeira, que por vezes pode levar à permanência na relação violenta, para garantir o cuidado e os bens essenciais para si e para seus filhos; e a própria dependência emocional que se acirra nesse período tão delicado que estamos vivendo, dentre outros fatores que nos instigam à realização de pesquisas sobre o tema.

As estatísticas mostram que a violência contra as mulheres aumentaram no mundo todo durantes a pandemia. No Brasil e no Rio Grande do Sul houve um grande aumento no número de feminicídios. Acreditamos que as demandas das mulheres em situação de violência de Santa Maria não deixaram de existir, no entanto, elas não estão chegando aos serviços, e isso demonstra a necessidade de fortalecimento do trabalho em rede intersetorial.

Destacamos a necessidade de garantia de serviços especializados na cidade. Os desafios ressaltam as dificuldades de acesso aos serviços e de alcance às mulheres. Entende-se que este projeto contribuiu com a minimização do impacto da violência na vida das mulheres que atendemos durante a pandemia. Portanto, impactou na comunidade local, atendendo também ligações de cidades da região. O projeto articulou extensão e ensino na medida em que proporcionou grande aprendizado de gestão e práticas em saúde e em equipe interprofissional para acadêmicas, pós-graduandas e profissionais envolvidas no atendimento às mulheres.

Dessa forma, a equipe compartilha este texto para divulgar o trabalho realizado e agradecer o apoio e fomento da Pró-Reitoria de Extensão da UFSM e do Observatório dos Direitos Humanos (ODH/PRE). Agradecemos aos colaboradores e parceiros: Colégio Politécnico, Pró-Reitoria de Infra-estrutura, Centro de Processamento de Dados, Departamento de Saúde Coletiva (CCS), Residência Multiprofissional Integrada em Saúde (CCS), Grupo de Pesquisa Cuidado à Saúde das Pessoas, Famílias e Sociedade (CCS/UFSM), Pós-graduação em Estudos de Gênero (CCSH/UFSM); Diário de Santa Maria, Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, Comissão da Mulher da Ordem dos Advogados do Brasil, Juizado da violência contra as Mulheres de Santa Maria, União das Associações Comunitárias de Santa Maria, Política de Saúde da Mulher da Secretaria de Município da Saúde, Secretaria de Assistência Social, Defensoria Pública, Brigada Militar (Patrulha Maria da Penha), Rádio UniFM, Rádio Imembuí, Rádio comunitária da Urlândia, SBT/TV, RBS TV, Força Tarefa de Combate aos Feminicídios da Assembleia Legislativa/RS, à equipe de voluntárias, assim como, ao Fórum de Enfrentamento a Violência contra as Mulheres de SM e à Campanha Santa Maria 50-50.

Por fim, gostaríamos de compartilhar um agradecimento especial às mulheres que buscaram e confiaram no trabalho do Disque. Destacamos nossa permanência na luta por uma sociedade mais justa e igualitária para as mulheres, onde o diálogo, a empatia e a compreensão sejam os fios condutores para a resolução de conflitos; assim como a potência das universidades públicas, por meio da extensão universitária, do ensino e da pesquisa na mudança dessa realidade.

Equipe do Disque COVID UFSM Acolhe Mulheres, Fórum de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres de Santa Maria e Campanha Vidas de Mulheres Importam, Santa Maria 50-50.


Publicações Recentes