Ir para o conteúdo Descubra Ir para o menu Descubra Ir para a busca no site Descubra Ir para o rodapé Descubra
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Campus Santa Maria

Santa Maria

Lugares Inusitados Campus Santa Maria

A Universidade Federal de Santa Maria foi a primeira universidade federal criada no interior, fora de uma capital brasileira. Esse fato representou um marco importante no processo de interiorização do ensino universitário público no Brasil e contribuiu para o Rio Grande do Sul tornar-se o primeiro Estado da Federação a contar com duas universidades federais. 

a atual estrutura é composta por doze Unidades Universitárias: Centro de Artes e Letras, Centro de Ciências Naturais e Exatas, Centro de Ciências Rurais, Centro de Ciências da Saúde, Centro de Ciências Sociais e Humanas, Centro de Educação, Centro de Educação Física e Desportos, Colégio Politécnico, Centro de Tecnologia, Colégio Técnico Industrial de Santa Maria, Espaço Multidisciplinar em Silveira Martins, Unidade de Educação Infantil Ipê Amarelo.

Site do campus

Acontece na UFSM Santa Maria

Projetos da UFSM na comunidade

Polifeira do Agricultor

Caminhos para Incluir

Fóssil de um dos dinossauros mais antigos do mundo é encontrado no RS ​

Espetáculo "O Quebra-Nozes" lota Centro de Convenções da UFSM

Geoparques

Academia ao ar livre

Sobre a cidade Santa Maria

A cidade 

Santa Maria é um município do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil. Com 283 677 habitantes em 2020, segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é considerada uma cidade média e de grande influência na região central do estado. É a 5ª cidade mais populosa do Rio Grande do Sul e, isoladamente, a maior de sua região.

Localizada numa região com uma população original indígena, a história da cidade remonta a um acampamento estabelecido em 1797 por uma comissão portuguesa e espanhola encarregada de delimitar o território de ambos impérios, a cidade sendo oficialmente fundada em 6 de Abril de 1876. A região contém também importantes sítios paleontológicos.

Fundação

Em 1797, por conta da chegada de uma comissão portuguesa que demarcava terras de Portugal e Espanha, estabeleceram-se aqui os primeiros assentamentos na Praça Saldanha Marinho e na Rua do Acampamento. Entre passagens de distrito e freguesia, foi elevada à categoria de vila em 17 de maio de 1858 (aniversário oficial da cidade), data de sua emancipação político-administrativa, e posteriormente a cidade, em 1876. Em meados de 1885, os primeiros trilhos férreos começam a chegar a Santa Maria e desencadearam um grande desenvolvimento socioeconômico, cultural e populacional, virando referência comercial e industrial por meio século, ostentando ainda o título nacional de Cidade Ferroviária. 

Rua de pedras com casas antigas da Vila Belga, uma verde, uma vermelha e uma rosa com detalhes brancos

Vila Belga

Perto do centro da cidade, um bairro histórico chamado Vila Belga confunde-se com a história da cidade e da ferrovia no Rio Grande do Sul.  Planejada a partir de 1901 e inaugurada em 1907, a vila foi construída  próxima à Estação Férrea de Santa Maria para abrigar os funcionários da Compagnie Auxiliaire de Chemins de Fer au Brésil, de origem belga. Suas moradias foram projetadas nos mesmos moldes das casas operárias da Bélgica e França. Hoje a Vila abriga alguns antiquários, uma feira quinzenal denominada Brique da Vila Belga e inicia o projeto de um mercado público com lojas, bares e restaurantes. Ao completar 110 anos de vida, a vila foi o foco da reportagem de um dos principais jornais da cidade.

Vila Belga

Cidade Cultura

Basílica Nossa Senhora Medianeira

A arquitetura do Santuário, inaugurado em 1985, apresenta estilo moderno, com vitrais do interior retratando a vida de Nossa Senhora e a história de devoção à Medianeira, padroeira do Rio Grande do Sul.O acervo do Memorial da Medianeira conta com: livros, objetos sacros, paramentos litúrgicos e documentos.

Prédio oval de concreto cinza com mosaicos na janela, em frete flores laranjas e uma estátua de duas mãos abertas em aos céus
Prédio branco com pórtico cinza, em frente praça com grama e árvores

Biblioteca Pública e Praça Teotônio Villela

Onde localiza-se uma das locomotivas que trabalharam na cidade na época auge da ferrovia em Santa Maria, e a Biblioteca Pública, que em sua parede externa encontra-se o mural do artista Eduardo Kobra, que presta homenagem aos 152 anos de Emancipação Política da Cidade.

Theatro Treze de Maio

O prédio foi construído em 1889 por um grupo liderado por João Daudt Filho. O nome homenageou a abolição da escravatura. Em 1913, o prédio foi comprado pela Intendência Municipal, sediando o Diário do Interior e o Foro, até os anos 40 a partir dessa data passou a ser ocupada pela Biblioteca Pública e pelo Centro Cultural. A partir de 1900 assume o caráter de espaço cultural, é palco de diversificados espetáculos de renome regionais, nacionais e internacionais.

Prédio lilás com portas e janelas brancas
Gramado com árvores e lago

Itaara

Na serra, a apenas 30 km de Santa Maria, localiza-se Itaara, com seu clima diferenciado e natureza que conta com cascatas, lagos, bosques, trilhas ecológicas. A pequena cidade atrai adeptos do turismo ecológico, de esporte e aventura e conta com pequenos restaurantes. A estrada do Perau, uma estrada histórica que une Itaara a Santa Maria possui vegetação exuberante e um mirante com vista panorâmica do vale e das montanhas.

Quarta Colônia e Geoparque

Na região central do estado, próxima a Santa Maria, está a Quarta Colônia, formada pelos municípios de Silveira Martins, Ivorá, Faxinal do Soturno, Dona Francisca, Nova Palma, Pinhal Grande e São João do Polêsine, além de partes dos municípios de Agudo, Itaara e Restinga Seca. A localidade possui esse nome por ter sido o quarto centro de colonização dos imigrantes italianos no estado, e o primeiro fora da região da Serra Gaúcha. Esse movimento migratório iniciou-se em 1877, quando chegaram as primeiras 70 famílias.

Essa região apresenta grande qualidade de espaço e paisagens naturais, tendo a presença de cascatas, balneários e belvederes, sendo também possível apreciar a fauna local. A zona rural ainda abriga a marcante presença de tradições italianas e alemãs, através de construções históricas remanescentes, restaurantes familiares e da produção de uvas, hortifrutigranjeiros e produtos coloniais como vinhos, massas, queijos, embutidos, melado, cachaça, geleias, cucas e produtos de padaria em geral.

Gramado com letreiro Eu amo Vale Vêneto. Ao fundo, igreja de Corpus Christi bege