Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Subindo e descendo

É difícil imaginar nosso cotidiano sem o elevador, não? Desde os primórdios, existe a necessidade de mover bens, materiais pesados e pessoas. No entanto, os métodos e instrumentos utilizados avançaram significativamente com o tempo.



É difícil imaginar nosso cotidiano sem o elevador, não? Desde os primórdios, existe a necessidade de mover bens, materiais pesados e pessoas. No entanto, os métodos e instrumentos utilizados avançaram significativamente com o tempo. Confira a seguir o desenvolvimento do elevador ao longo dos anos:

> Veja a ilustração publicada na versão impressa da revista

2900 a.c.

A Grande Pirâmide de Quéops, em Gizé, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, foi construída com uma altura de 147 metros, o equivalente a um prédio de 49 andares. Pedras pesando até cinco toneladas foram transferidas para o lugar com mecanismos de elevação rudimentares. Livros de história citam o envolvimento de 4 mil pedreiros e 100 mil trabalhadores.

2000 a.c.

Os egípcios elevavam a água do Rio Nilo para irrigação, através do uso de uma alavanca de contrapeso — o shaduf, no Brasil conhecido como picota.

336 a.c.

Na Roma Antiga, existem referências de ascensores rudimentares ligadas ao filósofo e inventor grego Arquimedes. Esses elevadores eram vagões abertos e consistiam de uma plataforma com molinetes que possibilitavam que a cabine se movimentasse de maneira vertical. Esses molinetes eram movidos por pessoas, animais ou rodas d’água.

1743

O rei francês Luís XV foi um dos primeiros a usufruir dos elevadores utilizados por passageiros, desenvolvidos no século 18. A construção no Palácio de Versalhes aconteceu para que o rei fosse carregado dos seus aposentos até o quarto de sua amante, que ficava em outro andar. O elevador era conhecido como “cadeira voadora” e o modo de funcionamento pouco se modificava daqueles usados na Roma Antiga.

1823

Na Inglaterra, os engenheiros e arquitetos Burton e Hormer criaram uma “sala ascendente” a vapor para carregar turistas até uma plataforma que permitia ter uma visão geral de Londres. Anos depois, a invenção foi aperfeiçoada pelos também arquitetos britânicos Frost e Stutt, que adicionaram cinto de segurança e um contrapeso ao vapor.

1846

Em 1846, Sir William Armstrong introduziu o guindaste hidráulico, e, no início dos anos 1870, máquinas hidráulicas começaram a substituir o elevador movido a vapor. O elevador hidráulico é suportado por um êmbolo pesado, movendo-se num cilindro, e operado pela pressão da água (ou petróleo) produzido por bombas.

1853

Em uma exposição em Nova York, o inventor norte-americano Elisha Grave Otis comprovou a eficiência do seu chamado “paraquedas de segurança”. Diante de uma multidão de espectadores, ele ficou em cima do palanque de um guincho impulsionado por um motor de vapor e, quando chegou ao ponto mais alto, pediu que o cabo de suspensão fosse cortado. Ao invés de cair, a plataforma foi parando em seus trilhos, devido a um sistema de pivôs de molas e barras verticais.

1867

O engenheiro Léon Ledoux apresentou em Paris um elevador hidráulico. O sistema era alimentado pela pressão da água fornecida por grandes pistões de uma fonte de distribuição. Muitos desse tipo de elevador foram instalados em prédios da capital francesa

1889

Na Exposição Mundial de Paris, o engenheiro Alexandre Gustave Eiffel apresenta a torre que leva seu nome com cinco elevadores hidráulicos movidos a vapor, utilizando o sistema criado por Otis alguns anos antes. O elevador elétrico começou a ser desenvolvido no final do século 19 pelo inventor alemão Werner Siemens, assim que foram instaladas as primeiras redes de energia.

1931

No então prédio mais alto do mundo, o Empire State Building, em Nova York, foram colocados 67 elevadores de última geração. O modelo operado é basicamente o mesmo até hoje: um motor elétrico localizado numa casa de máquinas – embaixo ou em cima do fosso – movimenta o elevador e um contrapeso, através de um sistema automatizado, que funciona bastando apertar um botão.

2016

O elevador mais alto atualmente fica no arranha-céu Burj Khalifa, em Dubai, nos Emirados Árabes. A estrutura é a mais alta já construída no mundo, possui 830 metros. O elevador é também o mais rápido do mundo — desloca os ocupantes a uma velocidade de 18 metros por segundo.

 

Repórter: Bernardo Zamperetti

Diagramação: Juliana Krupahtz

Ilustração: Nicolle Sartor

 

Esta matéria faz parte do projeto Mãos Livres, que foi criado para produzir artefatos culturais bilíngues em língua portuguesa e língua brasileira de sinais (libras), visando a educação pessoas surdas. Confira o vídeo:

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes