Ir para o conteúdo .TXT Ir para o menu .TXT Ir para a busca no site .TXT Ir para o rodapé .TXT
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Mais que uma sala



O espaço de recreação do Centro de Tratamento da Criança com câncer é local de esperança, alegria e motivação para crianças e familiares.

Guilherme Denardin Gabbi – degabbi.gui@gmail.com
Jonas Migotto – migottojonas@gmail.com

A descoberta de uma doença como o câncer em um filho abala as estruturas de qualquer família. Todos os planos e rotinas são quebrados e o foco passa a ser um só: a cura. Sensações como o medo e a insegurança passam a ser sentidas, por isso é preciso procurar locais de conforto, que tragam esperança, alegria e motivação. Um desses lugares é a sala de recreação do Centro de Tratamento da Criança com Câncer (CTCriaC), local em que pacientes e familiares criam forças para lutar contra a doença, no Hospital Universitário de Santa Maria.

Certamente, a sala é o local preferido de mães e pacientes dentro do CTCriaC. A auxiliar de enfermagem Kátia Pedron, a Tia Kátia, como é carinhosamente chamada e que trabalha no local há 18 anos, conta que antigamente a sala era precária: “possuía apenas armários e livros”. Atualmente, ao entrar na sala, percebem-se brinquedos espalhados por todos os lados, um ambiente completamente decorado e marcado pela alegria. Recentemente conquistados, os computadores se tornaram o principal alvo da atenção das crianças.

Tia Kátia não nega o envolvimento com o local e admite a dificuldade de conviver com os extremos da cura e da perda. Entre as dificuldades, ela relata o acolhimento pós-óbito e os desabafos que ouve, sem contar as perdas, que acabam dolorosas devido ao vínculo e a relação criada com as crianças. Por outro lado, vivenciou inúmeros casos de cura, o que a motiva e traz forças para continuar seu trabalho. Vários desses casos são retratados em um mural de fotos de ex-pacientes na salinha.

Na sala, é possível deparar-se com várias mães de pacientes. Uma delas é Rosemeri Maria Cardoso, mãe de Franciele Vieira Pinto, a Fran. Com quatro anos de idade, a menina foi diagnosticada com leucemia.  Chegou ao centro em estado crítico e, após o tratamento, voltou para sua cidade natal, Santa Cruz do Sul.

Porém, após três anos, a doença reapareceu. Rose abandonou tudo em Santa Cruz e mudou-se para Santa Maria para dedicar-se totalmente à recuperação de sua filha. Hoje, com sete anos, Fran aguarda um transplante. Em meio a tantas dificuldades, Rosemeri considera Tia Kátia uma amiga e psicóloga. A mãe conta que a salinha é antidepressiva, pois ali conta com o apoio dos funcionários e das outras mães que compartilham suas experiências e histórias. Assim como Rosemeri, outras famílias abdicam de seu cotidiano para voltar-se exclusivamente ao tratamento do filho. Enfrentam muitas dificuldades familiares e financeiras.

Ao contrário das salas de tratamento, a de recreação é o local onde o tratamento da doença é relativamente esquecido. Nela, as mães distraem-se com a confecção de artesanato e conversas. Já as crianças contam com jogos e brincadeiras. É ali que as crianças podem vivenciar a infância de forma plena.

Projetos na sala

Na sala ocorrem projetos coordenados por diversos cursos, especialmente pela Psicologia e Terapia Ocupacional. As atividades acontecem no horário de funcionamento da sala, geralmente das 8h às 17h, e são realizadas por bolsistas e voluntários.

Projeto CAACTO

O projeto Cuidado e Atenção ao Adolescente e à Criança em Tratamento Ontológico (CAACTO) visa continuar as ações de auxílio. São desenvolvidas por cursos da UFSM, juntamente com profissionais da área de hemato-oncologia (responsável pelo tratamento de câncer) no CTCriaC. Desde 2009, o curso de Terapia Ocupacional atua com ações recreativas no setor de tratamento à doença, sendo o primeiro envolvido com o Centro. Os outros são os cursos de Fisioterapia, que ingressou no projeto em 2011, e o de Desenho industrial, que iniciou sua participação nesse ano.

O objetivo do projeto é promover ações de cuidado e integração entre os pacientes da hemato-oncologia e dar suporte de acolhimento aos familiares desses pacientes para diminuir o impacto que a internação proporciona. O projeto pretende oferecer à criança, ao adolescente e aos familiares um espaço propício para a recreação, diversão e relaxamento, envolvendo atividades de lazer e em conjunto, para facilitar a recuperação da saúde do paciente. Além da parte recreativa, o projeto também auxilia na compreensão dos procedimentos clínicos e cirúrgicos inerentes ao processo de tratamento da doença. O projeto é coordenado pela professora Amara Holanda.

O CAACTO também auxilia os participantes que, ao deixarem o projeto, terão formação humanística e profissional devido ao envolvimento com o CTCriaC.

Projeto Brincar

O projeto de extensão “Brincar: Projeto de promoção de saúde a crianças com câncer em internação hospitalar” foi criado em 2010. Tem como objetivo proporcionar às crianças com câncer um espaço seguro e acolhedor. O Brincar auxilia as crianças no enfrentamento da doença e suas consequências, como o diagnóstico, o tratamento, as hospitalizações e as perdas.

O projeto é coordenado pelo professor doutor Alberto Manuel Quintana e, atualmente, é supervisionado pela psicóloga e mestranda em Psicologia Adelise Salvagni. As acadêmicas de Psicologia que participam do projeto fazem, inicialmente, uma preparação para familiarizam-se com o ambiente e iniciam a atividade prática com interações através de brincadeiras, jogos e diálogo.

Por meio das atividades realizadas e através do relato dos próprios pais, percebe-se que a sala é um ambiente familiar. As interações permitem às crianças e seus familiares expressarem seus sentimentos e angústias frente à doença e à hospitalização. É dessa forma que são acolhidos pelas participantes do projeto. O ambiente contribui para minimizar o sofrimento e uma melhor adaptação às novas rotinas dentro do hospital.

O CTCriaC

O CTCriaC foi fundado no dia 15 de abril de 1995 e atende mais de 450 pacientes por ano, de 0 a 20 anos de idade. Além da sala de recreação, conta com diversas outras salas, como a de expurgo, nutrição, enfermagem, procedimentos, secretaria, descanso, a copa e os quartos dos pacientes. Conta com 18 leitos e geralmente estão todos ocupados.

Além de médicos e enfermeiros, o Centro conta com profissionais de outras áreas, como psicólogos, fisioterapeutas, pedagogos, nutricionistas e faxineiros. A atuação dos profissionais faz com que o CTCriaC atue no combate à doença e ajude familiares nesse período.

O coordenador de enfermagem, Miguel Armando Bick, e a enfermeira residente, Natália de Oliveira, contam que o Centro enfrenta dificuldades, como a falta de divulgação, o pouco incentivo das autoridades públicas, a falta de investimento político e uma equipe relativamente reduzida.

O centro aceita doações dos mais diversos tipos, brinquedos e material para a confecção de artesanatos. Além disso, está aberto a visitações e voluntários com o intuito de levar entretenimento e diversão às crianças. Artistas como Armandinho, Chimarruts, Sorriso Maroto e o jogador do Grêmio Barcos já visitaram o local. Eles não buscavam repercussão na mídia, apenas o sorriso no rosto das crianças.

Entenda o câncer infantil

A doença pode ser causada por fatores externos, como irradiação e contato com substâncias químicas e fatores internos, como alteração genética. O câncer infantil é menos frequente e as causas da doença, na maioria das vezes, não podem ser identificadas. Atualmente, o índice de cura do câncer infantil fica em torno de 70%. Com diagnóstico precoce, esse índice aumenta.

 

Bastidores da .txt

Durante o processo de apuração da pauta no CTCriaC foi impossível não se envolver com o local. Cada depoimento ouvido, cada história que nos era contada fazia com que deixássemos de lado a isenção e nos emocionássemos junto com os familiares e funcionários.

A pauta surgiu no segundo semestre de 2012, na disciplina de Teoria e Técnica de Jornalismo Impresso I. Tínhamos que fazer uma pequena matéria sobre algum projeto de dentro da Universidade. Sabíamos da existência do Projeto Brincar, através da estudante de psicologia Gabrielle Barbieri Bressa.

Fomos até o CTCriaC para saber do que se tratava o projeto, mas aquela experiência foi inesquecível, saímos emocionados do local. Naquele dia conhecemos o menino Carlinhos e sua mãe Vânia, duas pessoas incríveis, que apesar de todas as dificuldades não tiravam o sorriso do rosto. Aquele lugar nos fez ver a vida de outra forma.

Na hora de pensar em uma pauta para a .txt, tivemos a certeza que deveríamos voltar lá. Na segunda passagem pelo local ouvimos outras histórias, nos emocionamos mais vezes, mas também vimos que o Centro passava por dificuldades. O coordenador de enfermagem Miguel Armando Bick nos relatou os problemas e as lutas que o CTCriaC enfrenta todos os dias. Vimos que eles precisavam de ajuda e, para isso, precisam ser vistos. Por isso, saímos felizes e motivados em saber que, por menor que fosse, estávamos colaborando de alguma forma.

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-714-1180

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes