Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

CCSH nos 40 melhores da JAI 2017: trajetória de vida e sonhos

A 33º edição da Jornada Acadêmica Integrada (JAI) se aproxima. Agendada do dia 22 até 26 de outubro, a JAI reúne alunos de todas os cursos, de todos os Centros de Ensino. O evento se realiza no CCSH e no Centro de Convenções.

Anualmente são premiados os 40 melhores trabalhos da JAI. Ano passado cinco estudantes de cursos do Centro de Ciências Sociais e Humanas (CCSH) ficaram entre os 40 melhores com seus projetos. Hoje, apresentamos o trabalho de Fabiane Schimitt.

Em 2012 alguns jovens foram convidados para participar de um documentário realizado por um projeto de extensão da UFSM em parceria com a TV Campus. Nesse documentário, os convidados contaram suas trajetórias de vida e seus sonhos para o futuro. A psicóloga graduada Fabiana Schimitt partiu desse fato para construir sua pesquisa, intitulada de “Influência da trajetória de vida na realização de sonhos e projetos de jovens em situação de exclusão social”, com orientação da professora Dorian Monica Arpini do curso de Psicologia.

            A pesquisadora era integrante do NEIAF – Núcleo de Estudos Infância Adolescência e Família – e diz que a ideia de pesquisar sobre a temática partiu desse grupo. O objetivo do projeto era retomar o contato com os jovens que participaram do documentário e entrevistá-los a fim de observar suas trajetórias de vida, bem como as mudanças que aconteceram durante esse período.

            “A pesquisa proporcionou um momento de visibilidade aos jovens que participaram do estudo. Tendo em vista que são jovens que estão em situação de exclusão social, muitas vezes, eles sentem uma falta de reconhecimento social e o contato com eles, através da pesquisa de caráter longitudinal, e o interesse em suas trajetórias de vida fez com que os mesmos se sentissem valorizados. Este é um aspecto muito positivo da pesquisa, quando ela transcende a coleta de dados do pesquisador, e faz sentido e é agregadora também para quem é participante” , afirmou Fabiana.

            Além de o que consta no seu resumo enviado à JAI do ano passado, ela cita outros resultados obtidos, como a relação de influência do território com a identidade dos jovens em situação vulnerabilidade. “Sabe-se que as experiências de vida, atreladas aos contextos nos quais ocorrem, têm influência sobre nossa formação psíquica e identitária. Assim, a pesquisa pôde compreender também como isto ocorre especificamente em contextos de violências e vulnerabilidade social e em que medida e como influencia no desenvolvimento dos jovens” complementa.

            O trabalho rendeu à Fabiana uma viagem para Maceió e a participação na reunião anual do SBPC, que integra pesquisadores de todo o Brasil. “O evento é uma importante estratégia de troca de conhecimentos e de visibilidade para as pesquisas que estão sendo desenvolvidas” relata. Os outros 39 premiados na JAI 2017 também foram convidados para o mesmo evento.

Texto: Juan Grings, acadêmico de jornalismo do Núcleo de Comunicação Institucional (NCI) do CCSH