Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

Histórico

O Curso de Mestrado em Letras da UFSM organizou-se a partir de constatações sobre a realidade da área de conhecimento na região e sobre o papel aí reservado à instituição que o abriga. Localizada no centro geográfico do Rio Grande do Sul, a cidade de Santa Maria conta, atualmente, com mais de 300 mil habitantes e constitui-se em pólo regional. Um de seus pontos de atração é a Universidade Federal de Santa Maria – UFSM – primeira universidade pública federal instalada fora de uma capital – que mantém 215 cursos, destes 108 são cursos de graduação presenciais, 12 graduações na modalidade de Ensino a Distância, e 95 cursos de pós-graduação, sendo 48 de mestrados, 24 de doutorado e 26 de especialização e agrega um contingente educacional de 28.290 alunos, 1900 docentes e 2781 servidores técnico-administrativo. Dessa forma, a UFSM se constitui em um polo regional importante, ajudando a consolidar uma rede de pesquisa e de intercâmbio internacional no quadro do MERCOSUL, através da Associação das Universidades do Grupo de Montevidéu (AUGM).

Na área de Letras, cuja graduação confirmou conceito máximo em todas as avaliações realizadas pelo MEC, a UFSM aparece como referência para a macro-região de mais de 100 municípios abrangidos pela Instituição. Por outro lado, com a ampliação do ensino superior, criaram-se diversas faculdades e universidades no interior da Região Sul, alcançando o número de mais de 50 cursos de Letras no interior do Rio Grande do Sul e mais de 25 no oeste de Santa Catarina e oeste do Paraná. Com a nova política do governo de ampliação de vagas e criação de novos polos tecnológicos e de universidades nas zonas de fronteira, esse quadro se amplia novamente e a própria UFSM passa por esse processo, pois, desde o vestibular de 2010, o número de vagas triplicou numericamente.

É nesse contexto, historicamente constituído, que o Programa vai se institucionalizando de forma madura, através de uma política de cooperação acadêmica que se fortalece em um programa qualificado e atuante, consolidando assim a capacidade para atender aos desafios de uma demanda regional e também de uma demanda internacional, como a do MERCOSUL, que se encontra em pleno desenvolvimento. Pode-se perceber claramente tal crescimento, nas últimas seleções, em face do aumento do número e origem de candidatos inscritos, vindos, não mais apenas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, mas também de outras regiões e de fora do país. A fim de melhor atender a esse público-alvo, o PPGL se empenha em consolidar uma cultura de pesquisa em Letras na sua região de abrangência de modo a firmar, para além de sua histórica atuação regional, sua atuação nacional e, na sequência, internacional.

Curso de Mestrado

O Curso de Mestrado foi Criado em 1987, reconhecido pela CAPES em 1989 e credenciado em 1996. Desde a sua criação, passou por mudanças que possibilitaram a consolidação de uma nova fase.

Internamente, a paulatina afirmação de um quadro docente efetivo e estável; a expansão do trabalho de pesquisa que começou a ser contemplado com bolsas de produtividade e, como resultado de um esforço do corpo docente, a consolidação da adequação de projetos, disciplinas e linhas de pesquisa às respectivas práticas de professores e de pesquisadores. Somou-se a isso a diminuição do tempo médio de titulação, que caiu de mais de 40 meses, em 94, para 30 meses, desde 2000. Outro ponto importante são as publicações, como a Letras, periódico criado em 1991, e publicado regularmente desde então.

Externamente, neste período, ocorreu aproximação considerável com pesquisadores de centros de excelência, reconhecimento que, por exemplo, motivou a aprovação de intercâmbio com a UNICAMP dentro da modalidade PROCAD-CAPES entre as duas áreas de concentração do Programa (Literatura e Lingüística) e duas linhas de pesquisa (Literatura, História e Identidade; Discurso, Memória e Identidade). Tal reconhecimento também pode ser confirmado pelas parcerias inter-institucionais iniciadas com Instituições da França, da Espanha e da Argentina.

Curso de Doutorado

Esse quadro permitiu que, em 2002, fosse aprovado o nível de doutorado e implementadas as condições para seu funcionamento regular em 2003. A primeira turma de doutorado do PPGL ingressou, pois, em 2003, através de edital extraordinário de seleção aberto tão logo foi concluído o processo de aprovação do curso pela CAPES. No final do mesmo ano, já ocorreu a primeira seleção regular para este novo nível, oportunidade em que, por outro lado, já se pode verificar os primeiros resultados do funcionamento do doutorado com a ampliação de intercâmbios: dos alunos que cumpriram créditos no primeiro ano, um encaminhou-se para a UNICAMP e outro para a Universidade do Porto, na modalidade de doutorado-sanduíche.

As ações do convênio com a UNICAMP, modalidade PROCAD–CAPES, por outro lado, ampliaram a vocação regional de nossas atividades. Ademais, a essa parceria, afora o inegável aporte de qualificação, representou outro olhar sobre as peculiaridades locais e regionais. Além disso, o convênio registrou, durante sua vigência (2001-2005), um significativo conjunto de ações, que resultaram em ganhos significativos para o PPGL. Durante os 4 anos, houve o doutoramento pleno de 3 professores da UFSM.19 alunos de mestrado e doutorado foram beneficiados com missões de estudo em Campinas. 11 foram contemplados com bolsas-sanduíche PROCAD e 8 com bolsas CAPES-UFSM.

A criação do nível de doutorado contemplou a integração dos diferentes níveis – graduação, mestrado e doutorado – e favoreceu a flexibilidade para inserção nas áreas de humanidades, atendendo à crescente demanda da região abrangida pela UFSM. As universidades da região foram integradas ao processo de expansão da pós-graduação em Letras da UFSM, tendo se comprometido com um plano de titulação de seus docentes, de modo a liberá-los para cursar o Programa e para participar de atividades de pesquisa (no caso dos doutores). O caráter regional do Programa favorece a integração de docentes desses cursos, tanto na condição de alunos como na condição de pesquisadores (caso dos doutores), integração que supõe a participação desses pesquisadores em grupos e projetos já implementados na UFSM.

Constata-se a afirmação do nível de doutorado, cujo corpo discente foi formado significativamente por docentes de outras IES próximas a Santa Maria, confirmando proposta do projeto de criação do curso. Também se pode constatar a tendência à estabilidade do corpo docente, que vem se dedicando regularmente às atividades de docência, pesquisa e orientação. Portanto, foi atingido o objetivo de afirmação de uma política de pesquisa na área, tanto na instituição como na área de influência da UFSM.

Integração regional fica explícita tanto pela circulação dos professores pelas instituições da região, seja como pareceristas, conferencistas, consultores, como também pela presença de professores de instituições próximas em seminários, encontros de pesquisa e congêneres promovidos pelos grupos de pesquisa, laboratórios e pelo Programa.

Também se percebe o incremento da circulação nacional e internacional dos docentes, tanto na realização de trabalhos conjuntos como em convites para bancas, apresentação de trabalho em mesas redondas, seminários, conferências, etc.

Quadro atual:

A história do PPGL é marcada pelo comprometimento com a qualidade da pesquisa e do ensino. A consolidação como um Programa de qualidade vem sendo construída e reconhecida ao longo de sua história. A construção a partir do comprometimento do corpo docente e das coordenações que se alternaram ao longo de sua história.

Atualmente, o nosso Programa apresenta uma unidade na pesquisa e no ensino, com a adequação das disciplinas, projetos e produção científica docente e discente coerente com as Linhas de Pesquisa das duas Áreas de Concentração: Estudos Literários e Estudos Linguísticos.

Apresenta um conjunto de Políticas que orientam as ações docentes, discentes e administrativas: Política de Credenciamento e recredenciamento (M e D) de docentes; Política de acompanhamento de novos credenciamentos; Política de Concessão e Manutenção de bolsas; Política de distribuição e aplicação dos recursos financeiros entre as linhas de pesquisa (baseada na produção e orientação); Critérios para passagem direta do mestrado ao doutorado. Todos esses documentos estão disponíveis para consulta na página do PPGL.

Da mesma forma, o PPGL conta com um corpo docente maduro e experiente em orientação de mestrado e ampliando no nível de doutorado. Outro ponto importante é alto índice de docentes com Pós-doutoramento (quase 50%) em instituições de renome nacionais e internacionais. Além da efetivação dos convênios, acordos e parcerias com pesquisadores, laboratórios de instituições nacionais e internacionais. Esses aspectos possibilitam a produção conjunta e o constante intercâmbio docente e discente entre essas instituições e nosso Programa, abrindo a possibilidade da internacionalização.

Quanto ao corpo discente, o perfil foi sendo alterado ao longo de sua história, uma vez que, inicialmente era local, depois regional e, hoje, nacional e internacional (AUGM, Grupo de Coimbra ou seleção). Desde a criação do doutorado, temos um fluxo contínuo de bolsa PDSE. Esses fatores geraram qualificação na produção discente, através de Teses e Dissertações premiadas ao longo dos anos e publicação em periódicos qualificados. Tudo isso se confirma pelo destino dos nossos egressos (250 mestres e 39 doutores), muitos atuando como docentes em IFES, EFET ou realizando pós-doc no Brasil ou fora do país. Nos últimos cinco anos, tivemos a consolidação da presença Pós-doutorandos sob a supervisão de docentes do PPGL.

No triênio 2010-2012, o tempo médio de titulação do doutorado foi de 41,7 meses e o tempo médio de titulação do mestrado foi de 23,71 meses.

Todos esses pontos possibilitaram o reconhecimento da qualidade do nosso Programa, que foi avaliado com o Conceito 5 na última avaliação da Capes.