Ir para o conteúdo PPGOP Ir para o menu PPGOP Ir para a busca no site PPGOP Ir para o rodapé PPGOP
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Histórico

  1. CONTEXTUALIZZÇÃO

 A semente que leva, em 2010, ao surgimento do PPGOP originou-se da necessidade de uma maior qualificação dos servidores públicos nas três esferas de governo. As transformações econômicas e sociais ocorridas nas últimas décadas trouxeram ao setor público a necessidade de aprimoramento no que se refere à política e gestão dos bens e serviços. Os modernos conceitos de Administração Pública, como a New Public Management (NPM) e New Public Governance (NPG) solidificaram a ideia da mudança.

O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Organizações Pública – PPGOP- Mestrado Profissional teve a sua primeira turma iniciada em março de 2011, com 20 alunos. Desde seu início, o programa apresentou uma demanda elevada com candidatos vindos das mais diferentes regiões do Estado do Rio Grande do Sul e, também nos últimos anos, de outros Estados da Federação. Tal fato enfatiza a relevância e a credibilidade regional e nacional do PPGOP.

O seu foco está em capacitar gestores públicos com a finalidade de transformá-los em agentes de mudanças locais. Para isso, o formato na modalidade profissional. O programa profissional difere do acadêmico pelos seguintes motivos: a) perfil de candidatos ingressantes, ou seja, devem preferencialmente ser profissionais atuantes no mercado e continuar atuando durante o curso; b) possui uma estrutura curricular com suas especificidades, com foco em desenvolvimento de competências técnicas capazes de implementar ações práticas nas organizações públicas, não abrindo mão da abordagem científica e; c) principalmente o produto resultante do trabalho final do discente, tem que, obrigatoriamente, ter uma aplicabilidade prática para a melhoria do serviço público. Dessa forma, pelo perfil dos egressos do PPGOP, existem indicativos que os objetivos do programa estão sendo alcançados e que os egressos apresentam características que lhes habilitam a assumir o compromisso de atuar como agentes de transformação e de qualificação dos processos de gestão pública, em suas diferentes esferas.

O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Organizações Públicas é um dos únicos cursos dessa modalidade oferecidos no país, sendo o único na região Sul do país. O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Organizações Públicas também foi um dos pioneiros na modalidade Profissional. Seu pioneirismo na região Sul, alinhado à proposta de rigor científico e aplicação prática, colocam-no em destaque e com promissora trajetória de consolidação e desenvolvimento.

O programa tem um caráter multidisciplinar a qual abrange docentes de diversas especialidades da área de ciências sociais aplicadas. Possivelmente é o programa com maior diversidade de docentes do Centro de Ciências Sociais e Humanas (CCSH). À unificação do CCSH em um espaço físico comum foi fundamental para o desenvolvimento do programa. Isso permite uma abrangência maior dos problemas relacionados à administração pública, possibilitando uma visão mais holística sobre determinada situação.

A capacidade do Estado depende de suas instituições políticas democráticas que legitimam as leis e os governos, da qualidade de suas políticas públicas implementadas que propõem a melhoria da vida das pessoas, da qualidade da gestão pública, que implementam essas leis e políticas. Em sintonia com estas dimensões estruturantes o PPGOP tem assim, como foco de atuação, auxiliar na formação das políticas públicas e na melhoria da qualidade da gestão pública.

  1. HISTÓRICO

 Nos últimos 10 (dez) anos de atuação do PPGOP contou com a colaboração de 49 docentes, sendo que 28 permaneceram no programa. O PPGOP nasceu oriundo de uma estrutura pertencente ao Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/UFSM) da Universidade Federal de Santa Maria. Neste primeiro momento, todos os docentes pertencentes ao PPGA eram docentes do PPGOP. Isso gerou uma série de dificuldade para a consolidação do programa, já que, em face das especificidades epistemológicas distintas dado campo de públicas e de administração geral, o Mestrado Profissional, demandou docentes com formação e experiência profissional aderente ao campo.

Em 2014, houve a necessidade de separação dos programas e estabelecimento de políticas para a continuidade dos docentes. Na oportunidade, houve o afastamento de diversos docentes que não apresentam curriculum aderente aos propósitos do PPGOP. Ao mesmo tempo, foi lançado um edital de credenciamento de docentes o que possibilitou a entrada de 10 novos docentes, de diversas áreas das ciências sociais, o que gerou uma oxigenação e crescimento das atividades no programa.

Os docentes foram constantemente levados a participar da elaboração do planejamento estratégico do programa, o que resultou na elaboração das linhas de pesquisa sobre 03 vertentes: 1) relacionado a estudar as formas de implementação das políticas públicas (denominada linha: Pessoas e Sociedade); 2) relacionado as formas de se avaliar e controlar as políticas públicas (denominada linha: Ferramentas de Avaliação e Controle da Gestão Pública); 3) relacionado a melhorias e implementação de novos processos gerenciais oriundos da New Public Management (denominada linha: Inovação e Modernização de Sistemas e Processos Administrativos). Tal definição, trabalhado em conjunto com docentes, discentes, servidores e avaliando o quadro atual de demandas de qualificação que as organizações públicas buscavam junto ao programa possibilitou uma maior visibilidade ao programa e delimitação do campo de atuação de cada docente.

A mesmo tempo que se buscou a identificação das competências organizacionais, através das linhas de pesquisa, o planejamento do programa também trabalhou na estruturação dos processos internos de atuação, na consolidação das linhas de pesquisa, com características próprias de atuação, e no desenvolvimento dos trabalhos finais de conclusão do curso. Com relação aos trabalhos finais de conclusão do curso elaborou-se dentro da estrutura curricular disciplinas que permitem ao discente desenvolver as suas habilidades e implementar ou avaliar ferramentas para a melhoria da administração pública de um modo geral. Em outras palavras, houve uma crescente atuação na construção dos produtos tecnológicos oriundos dos trabalhos finais. Hoje, todos os(as) discentes do PPGOP desenvolvem um produto tecnológico dentro do seu trabalho final (que ainda é chamado de dissertação) para ser aplicado na organização onde desenvolve as suas atividades laborais.

Essa foi uma construção coletiva que culminou em uma metodologia de atuação, sendo a estrutura básica de um trabalho final assim distribuído: a) capítulo 1, com a apresentação, problema, objetivos e justificativa; b) capítulo 2, com apresentação teórica dos modelos que poderão ser utilizados para resolver o problema e aplicação do modelo escolhido em outras organizações públicas ou setores de atividade; c) capítulo 3; método do trabalho, descrevendo o caminho a ser seguido para o atingimento dos objetivos do trabalho; d) capítulo 4, apresentação dos resultados do trabalho, seja ele uma pesquisa survey, um estudo de caso, uma análise de dados secundários, etc.; e) capítulo 5, descrição do produto a ser implementado na organização. Esse produto deve ser oriundo da fundamentação teórica exposta no capítulo 2, com os resultados encontrados no capítulo 4; f) capítulo 6, considerações finais. Essa estruturação permitiu deixar mais claro os produtos tecnológicos desenvolvidos no programa e avaliar o impacto da sua aplicação em aderência com as orientações da CAPES.

Também relacionado ao planejamento estratégico e aplicado sucessivamente nestes 10 anos de atuação foi a necessidade de qualificar o maior número possível de profissionais. Dessa forma, o PPGOP além da turma normal, com atuação na sua sede, buscou nesses últimos anos de existência, a criação de turma fora de sede, dentro dos campi avançados da UFSM, com o intuito de melhor desenvolver as regiões do Rio Grande do Sul. Há de se ressaltar que nenhum dos docentes foram ou são remunerados por tais atividades. Apenas o PPGOP recebe recursos de tais atividades que repassa aos discentes e docentes através de pagamentos de eventos, tradução de artigos, bancas e outros custos relacionados a operacionalização do programa.

Nestes 10 anos de atuação o PPGOP ofereceu duas turmas fora de sede, uma no campi da UFSM, nos anos de 2013-2015, nos municípios de Palmeira das Missões e de Frederico Westphalen e a outra turma, também no campi da UFSM, nos anos de 2019-2020, na cidade de Cachoeira do Sul, RS. A primeira turma ofertada foi exclusivo para os servidores da UFSM lotados nos campi. Já na segunda turma foi aberta mais 10 vagas para a comunidade local pode participar do programa. A seleção foi de 5 candidatos por vaga, o que demonstra uma carência de cursos e programas de qualificação em gestão pública nesta região. O PPGOP, nos dois campi foi o primeiro curso de mestrado oferecido pela UFSM nestas localidades. A primeira turma já foi finalizada e a segunda turma, no campi de Cachoeira do Sul, será finalizada no início do ano de 2021, com a defesa dos trabalhos de conclusão dos(as) discentes. Tem-se prevista a abertura de nova turma para o campi de Palmeira das Missões no ano de 2021, com uma estratégia de atuação do programa junto a outras comunidades possibilitando assim uma atuação mais significativa de inserção social, em aderência com as orientações da CAPES.

Nesses últimos 10 anos, conforme o Gráfico 1, o PPGOP já capacitou com o título de Mestre em Gestão de Organizações Públicas, 279 profissionais.

Fonte: Coordenação

 

Conforme demonstrado no Gráfico 1, neste quadriênio (2017-2020), o PPGOP formou/irá formar 157 novos mestres em Gestão de Organizações Públicas. Esse número é bem superior ao número do quadriênio anterior (2013-2016), o qual formou 88 mestres. Isso representa um acréscimo de 178,4% no número de novos alunos em menos de 4 anos. Além disso, pelo gráfico pode-se observar alguns picos no número de discentes. Esses picos referem-se aos ingressantes das turmas especiais nos campi, nos anos de 2013 e 2019. O pico de novos observado no ano de 2017 está relacionado a entrada de novos docentes ao programa.

Dessa forma, pode-se observar que o planejamento estratégico do programa, nos últimos 10 anos foi baseado no processo de consolidação do programa. Esse processo de consolidação do programa foi caracterizado pelos seguintes desafios, já superados:

  1. Selecionar docentes com perfil e competências necessárias para atuação em um mestrado na modalidade profissional e em Gestão Pública;
  2. Desenvolver competências com os docentes para trabalhar com teorias e processos sobre gestão pública. Para isso, vários docentes do programa foram se capacitar através da realização do pós-doutorado;
  3. Criar uma estrutura curricular com características próprias de um mestrado profissional;
  4. Desenvolver linhas claras de atuação e pesquisa de forma a permitir a melhor alocação das pessoas e clarificar as competências de atuação do programa;
  5. Identificar e desenvolver uma estrutura clara de trabalho final de curso que possibilitem a identificação do produto tecnológico gerado e a posterior análise do impacto gerado pelo produto desenvolvido no programa;
  6. Desenvolver metodologias de atuação visando a sua maior inserção social em diversas regiões do Rio Grande do Sul;
  7. Investir fortemente nas publicações de alto impacto e relacionadas a área de gestão pública. Atualmente no programa somente são aceitas publicações do extrato “A” do Qualis referência da Capes;
  8. Possibilitar aos discentes e docentes um novo espaço para realização dos trabalhos. Hoje, os discentes contam com espaços próprios para a realização dos seus estudos. Os docentes além de salas individuais possuem salas para desenvolvimento de suas atividades em projetos de pesquisas financiados;
  9. Contratação de docentes visitantes com o intuito de expandir a inserção internacional do programa através de uma nova metodologia de planejamento.

Como pode-se perceber os desafios enfrentados nos últimos 10 anos foram grandes e foram superados. O PPGOP encontra-se hoje consolidado e com o Núcleo de Docentes Permanentes (NDP) capacitados e com alta produtividade.

O programa conta, em 2020, com 25 docentes permanentes. Desses docentes permanentes (DP), 20 docentes participam do programa nos últimos 4 anos. Neste quadriênio houve o ingresso de 05 novos DP. A produção média qualificada dos docentes, de acordo com os critérios da área 27, e relacionadas a área de Gestão Pública é acima de 200 pontos, sendo 300 pontos o limite. Isso demonstra uma alta produtividade docente. Outro ponto a ser levantando e que está demonstrado na Tabela 1 foi a paridade entre os docentes (DP) em termos de produção acadêmica. Ou seja, todos os docentes têm produção qualificada no extrato “A” do Qualis referência da Capes (A1 até A4).

Tendo em vista a superação da fase de consolidação e buscando atingir novos patamares, o PPGOP a partir de 2019 vem elaborando o seu Planejamento Estratégico com vista aos próximos 10 anos de atuação, ou seja, até 2030. Nesta perspectiva, para concepção de Proposta de Planejamento Estratégico do Programa de Programa de Pós Graduação em Gestão de Organizações Públicas – Mestrado Profissional propomos que seja empregada técnica de construção coletiva, ou seja, com a participação ativa dos sujeitos envolvidos na condução e no fazer dos Programas – Dirigentes – Centro, Programa, Departamento de Ensino, Docentes -Permanentes e temporários, representantes discentes junto aos Colegiados de Curso e técnicos administrativos envolvidos na produção e distribuição de serviços dos cursos.