Ir para o conteúdo Laboratório de Física e Hidrologia do Solo Ir para o menu Laboratório de Física e Hidrologia do Solo Ir para a busca no site Laboratório de Física e Hidrologia do Solo Ir para o rodapé Laboratório de Física e Hidrologia do Solo
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Temas de Pesquisa

Hidrossedimentologia

Apresentação

Este grupo de pesquisas tem particular interesse nos processos hidrológicos na escala de bacia hidrográfica que envolvem a infiltração de água no solo, escoamento superficial e subsuperficial, erosão, produção de sedimentos e transporte de solutos. Os estudos são baseados no monitoramento de bacias hidrográficas no estado do Rio Grande do Sul sob diferentes condições fisiográficas e de uso e manejo do solo. A partir disso, modelos matemáticos são calibrados e validados com o objetivo de avaliar os impactos do uso e manejo dos solos nas bacias para o planejamento dos recursos naturais (solo, água e biodiversidade).

O grupo é composto de aproximadamente 20 pesquisadores (professores, técnicos, alunos de pós-graduação e graduação) do Depto de Solos da UFSM, com a colaboração de pesquisadores do Departamento de Hidráulica e Saneamento (UFSM), do IPH (UFRGS), Depto Solos (UFRGS), Universidade de Exeter (UK), Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) e UFPel. As abordagens envolvem a Ciência do Solo e a Hidrologia, integrando profissionais da Agronomia, Engenharia Florestal, Civil, Sanitária, Geografia, Física e Química.

Bacias hidrográficas monitoradas

A rede de monitoramento engloba diferentes condições fisiográficas do estado (Planalto, Rebordo do Planalto e Depressão Central), envolve bacias bacias de diferentes tamanhos e de uso e manejo dos solos> Isso permite uma visão geral dos processos hidrológicos mais importantes da região e oportuniza o desenvolvimento de tecnologias para a conservação e manejo dos recursos naturais.

Nome da bacia

Área

Uso

predominante

Variáveis ambientais

Início do monitoramento

Arvorezinha

(principal)

120 ha

Fumo

Ppt, Q, Css, T, Qual

2002-atual

Arvorezinha

(sub-bacia 1)

17 ha

Fumo

Ppt, Q, Css, T, Qual

2007-atual

Arvorezinha

(sub-bacia 2)

5 ha

Fumo

Ppt, Q, Css, T,

2007-atual

Ijuí

800 km2

Soja

Ppt, Q, Css, T, Qual

2010-atual

Guaporé

2000 km2

Inúmeros

Ppt, Q, Css, T, Qual

2010-atual

Eldorado do Sul

98 ha

Eucalipto

Ppt, Q, Css, T

2010-atual

Eldorado do Sul

(sub-bacia 1)

46 ha

Eucalipto

Ppt, Q, Css, T

2010-atual

São Gabriel 1

80 ha

Eucalipto

Ppt, Q, Css, T

2011-atual

São Gabriel 2

90 ha

Campo nativo

Ppt, Q, Css, T

2011-atual

Júlio de Castilhos

80 ha

Soja e campo nativo

Ppt, Q, Css, T, Qual

2009-atual

Agudo

400 ha

Fumo

Ppt, Q, Css, T, Qual

2003-2007

 

Ppt: precipitação, Q: vazão, Css: concntração de sedimentos em suspensão, T: turbidez, Qual: qualidade da água

O monitoramento das bacias está baseado na medição de variáveis ambientais que reflitam os impactos do uso e manejo do solo. Para isso, são quantificadas a precipitação, descargas líquidas (vazão), descargas sólidas (concentração de sedimentos em suspensão) e qualidade de água. A infra-estrutura de monitoramento utilizada contempla equipamentos, amostradores, estruturas hidráulicas adequadas para as características de cada bacia, principalmente observando suas particularidades espaciais e temporais. A rede de monitoramento que define a abrangência do projeto é o resultado de demandas científicas e técnicas, com apoio financeiro principalmente de agências governamentais (CNPq, Finep, Capes, Fapergs) e de entidades privadas (Sinditabaco, CPMC).