Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Por que as folhas de algumas árvores caem e mudam de cor no outono e outras não?

Espécies como plátanos, liquidâmbar, acers e álamos são exemplos de árvores com essa característica



O processo de troca de cor e perda das folhas de algumas árvores no período de outono e inverno acontece como um mecanismo de proteção da planta. “É como se fosse uma resposta que o organismo da planta dá para redução do fotoperíodo, ou seja, o período de incidência luminosa”, explica a professora Ana Paula Rovedder, coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Recuperação de Áreas Degradadas (Neprade) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Descrição da imagem: fotografia horizontal e em tons terrosos de um plátano em ângulo fechado, em contra-ploungée. Em destaque, folhas alaranjadas. O fundo é a copa da árvore com folhas alaranjadas.
Plátano localizado em frente ao Colégio Politécnico da UFSM - Imagem: Luiz Figueiró

Com menos luz solar, a primeira alteração dessas plantas é parar de produzir clorofila – pigmento verde importante no processo de fotossíntese. Com a diminuição da clorofila, as folhas das árvores tornam-se amareladas ou avermelhadas. É como se fosse uma hibernação.“O organismo reduz suas taxas metabólicas para poder suportar o período de menor recurso (de energia). No caso dos animais, menor alimentação; no caso das plantas, menor fotoperíodo”, destaca Ana Paula.

 

Mas por que algumas plantas perdem folhas e outras não? Segundo a pesquisadora, isso é um processo de adaptação genética, que vai passando de geração para geração. As plantas evoluem junto com as condições climáticas e vão se adaptando. 


Assim como algumas espécies desenvolvem mecanismos para resistir ao período mais frio, outras não têm esse mecanismo, por isso algumas folhas caem e outras não. Portanto, espécies que vieram de invernos extremos, de regiões como o hemisfério norte, como os plátanos, os liquidâmbares, os acers e os álamos, fazem esse processo de forma muito acentuada.

Expediente

Reportagem: Eloíze Moraes, acadêmica de Jornalismo e bolsista;

Fotografias: Luiz Figueiró, acadêmico de Desenho Industrial e bolsista;

Mídia social: Eloíze Moraes, acadêmica de Jornalismo e bolsista; Rebeca Kroll, acadêmica de Jornalismo e bolsista; Ana Carolina Cipriani, acadêmica de Produção Editorial e bolsista; Ludmilla Naiva, acadêmica de Relações Públicas e bolsista; Alice dos Santos, acadêmica de Jornalismo e voluntária; e Gustavo Salin Nuh, acadêmico de Jornalismo e voluntário;

Relações Públicas: Carla Isa Costa;

Edição de Produção: Samara Wobeto, acadêmica de Jornalismo e bolsista;

Edição geral: Luciane Treulieb e Maurício Dias, jornalistas.

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-601-9293

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes