Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

O uso da máscara ainda é eficiente para combater o coronavírus?



Postagens que questionam proteções artesanais e profissionais são falaciosas e prejudicam medidas de controle à pandemia

Já ultrapassada a marca de oito meses desde que a pandemia do novo coronavírus foi declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), algumas publicações em redes sociais colocam em xeque a necessidade do uso de máscaras no combate à pandemia. 

Em 3 de novembro, a deputada federal Bia Kicis (Partido Social Liberal – PSL) postou em seu perfil do Facebook um estudo em que, segundo ela, estavam comprovados uma série de problemas relacionados ao uso da máscara, além de a classificar como uma suposta proteção não  comprovada. A publicação teve mais 22 mil interações entre curtidas e reações, 13 mil compartilhamentos e 1,7 mil comentários. Um mês depois, os números da pandemia voltam a crescer no Brasil, atingindo a marca de 6.436.650 casos confirmados em todo país, 331.279 no Rio Grande do Sul e 8.148 em Santa Maria.

Como atestado pela checagem do Projeto Comprova, a publicação da deputada mistura estudos distintos para chegar a uma conclusão sem evidências – que contraria resultados da própria pesquisa citada. O primeiro estudo, relacionado ao uso prolongado da máscara N95 por profissionais da saúde na linha de frente do combate à covid-19, aponta possíveis efeitos como acne, coceira nasal, suor ao redor da boca e dificuldade para respirar em situação de esforço físico. Mesmo assim, a conclusão dos pesquisadores do Instituto de Pesquisas Kattan Kolathur, na Índia, é que a máscara tem vital importância para proteger a saúde dos trabalhadores na pandemia.

Outra informação imprecisa é a citação feita pela deputada de que as pessoas respiram gás carbônico ao usarem máscara, atribuída ao médico Alessandro Loiola, que não participou do estudo citado e já teve vídeos bloqueados no YouTube por contrariar, sem provas, dados da OMS. A suposição tem origem em um vídeo publicado nas redes sociais pelo médico João Vaz, em que alerta ainda sobre suposta acidez no sangue. Especialistas como o pneumologista Gustavo Prado contestam essas afirmações e insistem que as máscaras recomendadas por autoridades de saúde permitem entrada e saída de gases no ambiente, ajudam na prevenção de contágio da covid-19 e não tornam o sangue ácido.

Combate à propagação do vírus

Desde o início da pandemia, as máscaras foram apresentadas como uma das melhores ferramentas para combater o vírus, uma vez que, devido à sua característica de transmissão por gotículas pelo ar, elas diminuem as chances de uma pessoa infectada transmitir o novo coronavírus. Conforme novas pesquisas foram realizadas, descobriu-se que a máscara também pode prevenir casos mais graves de SARS-CoV 2, uma vez que a proteção diminui a carga viral da transmissão. É o caso do estudo realizado nos Estados Unidos, na Universidade Johns Hopkins e na Universidade da Califórnia.

Enquanto a vacina não chega à população, o uso das máscaras de pano funciona como uma barreira ao diminuir a quantidade de vírus que uma pessoa infectada expele. Bem como reduzir a carga viral que pessoas não contaminadas entram em contato. Outra evidência dos benefícios do uso das máscaras pôde ser vista em países e regiões que já tinham o costume de usá-las para o controle de infecções – como a Coréia do Sul, Cingapura, Taiwan e Japão. Durante a pandemia, eles tiveram um número menor de mortes e de casos graves. 

Teoria do queijo suíço

Para Liane Righi, professora do Departamento de Saúde Coletiva da UFSM e enfermeira sanitarista, aqueles possíveis 15 dias sem sintomas e com transmissibilidade tornam a doença mais complexa. Por isso, as pessoas precisam se comportar como se estivessem com o vírus, usando máscara, já que podem estar contaminadas.

A professora reitera que o uso da máscara não está associado a outros métodos de proteção, o que chama de teoria do queijo suiço para explicar: “tem furo aqui, tem furo, tem furo, então precisa ter várias camadas de proteção”. A máscara é uma camada de proteção, lavar as mãos é outra camada de proteção, evitar aglomeração é outra, não fazer visitas é outra. “Então você, com isso, consegue evitar que o furo vá do início ao fim e cause a doença, alguma barreira dessas consegue segurar”, afirma.

A máscara a ser usada deve estar seca e limpa. Ela tem que ser confortável: nem muito grande nem pequena, para que não seja necessário arrumar com o tempo. Antes de retirar a máscara é importante lavar as mãos. Quando for tirá-la, pegue pelo elástico e coloque em uma embalagem plástica caso não esteja  em casa. Para mais informações sobre como usar e higienizar sua máscara, clique aqui.

Veredito final: comprovado!

Desde que feita de forma adequada, como mostrado na ilustração, usada de forma correta e combinada com outras barreiras, como álcool gel e o distanciamento, a máscara contribui para o combate à pandemia.

Expediente

Repórter: Lucas Felipe Silva, acadêmico de Jornalismo e estagiário

Ilustradora: Renata Costa, acadêmica de Produção Editorial

Mídia Social: Nathalia Pitol, acadêmica de Relações Públicas

Editora de Produção: Esther Klein, acadêmica de Jornalismo

Editor Chefe e supervisor do estágio: Maurício Dias, jornalista


Publicações Recentes