Ir para o conteúdo EDUCOM Ir para o menu EDUCOM Ir para a busca no site EDUCOM Ir para o rodapé EDUCOM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

O milagre do amor



Camila Marchesan – camila.marchesan@yahoo.com.br
Fernanda Arispe – fernandaarispe.jornalufsm@yahoo.com.br
Julia do Carmo – juliadocarmojornalismoufsm@gmail.com

Se existisse um filme que pudesse, através da semelhança das histórias, contar um pouco da vida do pequeno Arthur e de sua família, com certeza emocionaria quem o assistisse. Se algum diretor conseguisse transmitir através de imagens e palavras todos os temores e anseios de uma família com um filho autista, entenderíamos melhor as dificuldades daqueles que as enfrentam todos os dias. Se existissem pessoas que fossem capazes de expressar em cada olhar, em cada gesto e em cada sorriso toda a emoção de uma história como essa, talvez fosse mais fácil colocar-se no lugar dessa família.

Pois bem, o filme existe. O diretor e os atores, logicamente, também. “Son-rise – A miracle of love” é baseado numa história real e foi lançado no Brasil como “Meu filho, meu mundo”. O filme, de 1979 (EUA), é dirigido por Glenn Jordan e no elenco estão atores como Casey Adms, James Farentino e Kathryn Harrold. O filme conta a história de Raun Kaufman (interpretado por Casey Adms), que assim como Arthur, foi diagnosticado como autista aos dois anos de idade. Os pais de Raun, também como os de Arthur, pesquisaram muito sobre o assunto e consultaram vários médicos. Destes, por sua vez, não receberam muitas perspectivas otimistas.

Barry e Suzy Kaufman (interpretados por James Farentino e Kathryn Harrold) – ao invés de perderem as esperanças, decidiram confiar na capacidade de seu filho e puseram-se à procura de um tratamento que ajudasse em seu desenvolvimento. Procuravam, na verdade, uma maneira de aproximarem-se de Raun. De entrarem no mundo dele. Após muita experimentação, estimulação e, principalmente, muito amor, Raun começou a apresentar progressos. Barry e Suzy Kaufman foram, assim, os criadores de um
tratamento alternativo para o autismo, conhecido até hoje como Son-rise.

Em Santa Maria, quase trinta anos depois, os pais de Arthur – Daniel e Ana Paula Silva Costa – passaram pela mesma situação e tiveram a mesma reação. Não desistiriam facilmente da possibilidade de desenvolver o pequeno Arthur. Não hesitariam diante da talvez ilusão, mas única esperança que lhes era oferecida. A família santa-mariense, separada por três décadas e alguns milhares de quilômetros de distância da família estadunidense, resolveu que também desenvolveria, em sua própria casa, o programa que tantos progressos trouxe para Raun.

As histórias de Raun e Arthur se confundem. Nós, que primeiro conhecemos o Arthur, quando assistimos o filme pensávamos seriamente se, na verdade, não era a história dele registrada ali.

Conseguíamos imaginar o que os pais de Arthur sentiram ao verem o filme pela primeira vez. Reconhecíamos em Raun o pequeno Arthur e isso assustava. Chegávamos a estremecer diante de tantas semelhanças. No entanto, as palavras nunca foram a melhor maneira de expressar sentimentos. Já os filmes, ao menos, têm o privilégio de contar com as imagens. Ficam elas, então, para que conheças também um pouco do Raun e, através dele, também do Arthur.

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-802-213

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes