Ir para o conteúdo PET Agronomia Ir para o menu PET Agronomia Ir para a busca no site PET Agronomia Ir para o rodapé PET Agronomia
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Conheça a relação entre a agricultura e a indústria de cosméticos



De acordo com a Pesquisa Industrial Anual (PIA) de 2015, verificou-se um número extremamente significativo do quanto a agricultura e a indústria estão fortemente interligadas de forma mais intensa e diversificada do que se imaginava.

Neste ramo, a área mais promissora na criação de novos produtos está ligada à “Química Verde”, que se compõe de diversos segmentos. Entre eles, destacam-se os químicos extraídos de sementes, frutos e folhas, os quais são conhecidos como matéria prima para essências para aromas e perfumes, que são utilizadas por diversas empresas de cosméticos.

O Brasil é o terceiro maior consumidor do mundo em produtos de beleza, de acordo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, ou seja, há uma expressiva demanda para produção de matéria prima a fim de abastecer os brasileiros e ainda servir à exportação.

Os óleos essenciais, também conhecidos como óleos etéreos ou voláteis, são compostos presentes em diversos órgãos das plantas e podem ser obtidos através da destilação por arraste, com vapor d’água, ou da compressão de pericarpos de frutos cítricos, por exemplo. No primeiro caso, o vapor resultante é conduzido para um condensador no qual é convertido na forma líquida, contendo água e pequena quantidade de óleo essencial.

Este processo químico torna-se um importante método de obtenção de matéria-prima para as indústrias farmacêuticas, perfumarias e de alimentos.

Há cerca de 300 óleos essenciais catalogados de importância comercial no mundo com inúmeros benefícios para o bem-estar e saúde, inclusive, com efeitos curativos. Podendo ser extraídos de folhas, flores, frutos, grãos, cascas, raízes, ou até mesmo, de madeira. Além disso, vão sendo armazenados em estruturas altamente especializadas.

A diversidade de espécies é significativa, em especial, arbustivas e arbóreas, que podem ser produzidas em sistemas agroflorestais, com boas perspectivas de extração de óleos essenciais para uso pessoal e para comercialização. Em decorrência disto tem-se percebido um aumento do interesse por óleos essenciais de árvores nativas, muitos deles ainda pouco conhecidos.

 

Fonte imagem: jolivi.com.br

Conhecer algumas espécies produtoras de óleos essenciais que podem ser extraídos localmente, seja para uso doméstico, produtos de limpeza e higiene pessoal pode se tornar, eventualmente, uma fonte complementar de renda, e quem sabe futuramente evoluir para a implantação de um quintal agroflorestal com esse propósito.

Extrair os óleos essenciais para uso pessoal/ familiar pode ser um primeiro passo para consolidar o conhecimento de manejo e produção, abrindo caminho para a implantação de pequenas unidades coletoras entre os grupos interessados, para processamento de óleos visando à comercialização.

Autor:

André Müllich, acadêmico do 4º semestre de Agronomia e bolsista do grupo PET Agronomia — Universidade Federal de Santa Maria.

E-mail: andre.mullich@hotmail.com

Telefone: (55) 9 96650633

#agronomia #ufsm #petagronomia #valorizapet #opetnaopara #agricultura #souUFSM

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-779-795

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes