Ir para o conteúdo PET Agronomia Ir para o menu PET Agronomia Ir para a busca no site PET Agronomia Ir para o rodapé PET Agronomia
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Manejo de pastagens de inverno



Nos estados da região sul do Brasil é comum realizar semeadura de culturas de inverno para comercialização ou buscando manter as áreas com plantas de cobertura até o início da próxima safra de verão. Além disso, é comum que a atividade pecuária esteja presente, concomitantemente com as atividades agrícolas. A integração lavoura-pecuária é uma boa alternativa para os produtores, pois possibilita fornecer uma forragem de qualidade e ainda proteger o solo durante a época mais fria do ano.

A escolha da espécie ou conjunto de espécies depende da região, solo, clima, relevo e do sistema de produção utilizado, como é possível ser observado na Figura 1, em que observa-se aveia cultivada para pastejo em lavoura com plantio direto. De modo geral, é indicado a priorização de gramíneas e leguminosas no uso de plantas para pastejo no inverno. Entre as gramíneas, a aveia e o azevém são indicados por se encaixarem bem em sistemas de rotação em períodos curtos, possibilitando a semeadura de culturas de grão na primavera.

Figura 01

Fonte: Venicius Pretto, 2020.

Flaresso et al (2001) mostram que realizando a semeadura dessas gramíneas no final de março e início de abril é possível reduzir o período compreendido entre o plantio e a primeira utilização, além de conseguir um maior número de cortes, proporcionando um maior período de utilização e maior quantidade de matéria seca produzida. Os autores observaram também que a melhor densidade de semeadura para a aveia preta é de 60 a 70 kg/ha e a de azevém é de 15 a 20 kg/ha quando semeadura na linha.

Outro fator muito importante é o momento da entrada dos animais na área de pastejo. Jaworski et al (2005) mostraram que os melhores resultados de ganho médio diário de peso na produção de novilhos, foram obtidos quando os animais foram colocados para pastejar na área com altura média da pastagem de 30 cm. Essa altura proporciona um maior ganho de peso, aumenta o índice de rebrote e melhora a quantidade de palhada remanescente no sistema de integração após a remoção dos animais. Além disso, a adubação da lavoura deve ser feita conforme a necessidade, definida através da análise de solo e a quantidade total de nitrogênio a ser oferecido pode ser dividida em três partes: uma junto à semeadura, com o fósforo e potássio, e as outras duas partes após o primeiro e/ou segundo corte.

O manejo das pastagens é um fator muito importante e decisivo na geração de lucro para o produtor. Além disso, usar as áreas agrícolas no período do inverno em sistema de integração lavoura e pecuária, possibilita o aumento na diversidade do uso da terra. As atividades de inverno auxiliam na geração de uma renda extra ao produtor por proporcionar melhor qualidade no alimento oferecido aos animais, além de promover a estruturação do solo, quando bem manejado.

Referências Bibliográficas:

DOS SANTOS, Jaworski et al. Efeito de diferentes alturas de manejo da pastagem de inverno na produção de novilhos superprecoces em sistema de integração lavoura-pecuária. 2005. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/agronomia/materiais/508789.pdf>

FLARESSO, Jefferson Araújo et al. Época e densidade de semeadura de aveia preta (Avena strigosa Schreb.) e azevém (Lolium multiflorum Lam.) no Alto Vale do Itajaí, Santa Catarina. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 30, n. 6, p. 1969–1974, 2001. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rbz/a/pRdkDbH5dnvgrrjJvRhkVDK/?format=pdf&lang=pt>

Autor:

Venicius Ernesto Pretto, acadêmico do 5o semestre de agronomia e bolsista grupo PET Agronomia — Universidade Federal de Santa Maria

E-mail: veniciuspretto@outlook.com

Telefone: (49) 99188–5772

#agronomia #ufsm #petagronomia #valorizapet #opetnaopara #agricultura #souUFSM

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-779-831

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes