Ir para o conteúdo PPGAGR Ir para o menu PPGAGR Ir para a busca no site PPGAGR Ir para o rodapé PPGAGR
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Professora do Programa de Pós-Graduação em Agronegócios da UFSM/PM publica artigo em periódico A1



A professora do Programa de Pós-Graduação em Agronegócios da UFSM campus Palmeira das Missões, Profª Paloma de Mattos Fagundes, publicou no mês de maio um artigo internacional no periódico Journal of Cleaner Production , editado pela Elsevier, que possui qualificação A1 do Qualis da Capes em Administração, Ciências Contábeis e Turismo.

Fruto da sua tese de doutorado em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), o artigo “Interdependent International Relations and The Expansion of Ethanol Production and Consumption: The Brazilian Perspective” analisou as relações internacionais de interdependência entre Brasil e outros países produtores e consumidores – reais ou potenciais – do biocombustível etanol e as suas implicações sobre a cadeia produtiva de etanol no Brasil. O artigo destacou que os principais atores das relações de interdependência com o Brasil no setor de etanol são Estados Unidos com um grau de interdependência alto, a Europa com um grau de interdependência médio e a China com um grau de interdependência muito baixo. As dimensões com maior desempenho nas relações de interdependência, tanto do ponto de vista dos atos internacionais como das partes interessadas, foram a dimensão política, a dimensão econômica, seguida pela dimensão técnica e socioambiental. Assim, considera-se que o comportamento estratégico observado nas relações de interdependência demonstrou que nas relações entre Brasil e Estados Unidos, o Brasil tende a ganhar pouco enquanto que os Estados Unidos tende a ganhar muito. Nas relações entre Brasil e Europa, o Brasil tende a perder muito enquanto que a Europa tende a ganhar muito, e nas relações entre Brasil e China, o Brasil tende a ganhar pouco enquanto que a China não perde nem ganha. Portanto, indiferente da interdependência existente nas relações entre os atores, sejam produtores e consumidores reais ou potenciais, todos devem buscar forças para o fortalecimento do setor, uma vez que todo o sistema global estará se beneficiando, tanto no âmbito político, econômico, socioambiental ou técnico. Esforços tecnológicos para ganhos de eficiência voltados para o crescimento sustentável da produção, criação de políticas setoriais, que ofereçam segurança e infraestrutura para a sua produção, redução de tarifas que incidem sobre o produto em todo o mundo, transformação do etanol em uma commodity global com grande número de países comprando e vendendo esse produto são algumas das ações que poderão fazer com que o etanol assuma uma posição cada vez mais estratégica na diversificação da matriz energética mundial.

O artigo, que contou ainda com a colaboração da Profª Drª Ana Claudia Machado Padilha, da Universidade de Passo Fundo, e do Profº Antonio Domingos Padula, pode ser visualizado clicando aqui.


Publicações Recentes