Ir para o conteúdo PPGEA Ir para o menu PPGEA Ir para a busca no site PPGEA Ir para o rodapé PPGEA
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

O Programa

A história do Programa de Pós Graduação em Engenharia Agrícola (PPGEA/UFSM) pode ser resumida a partir da sua fundação em 1972, em nível de Mestrado sendo em seguida reestruturado e credenciado pelo Conselho Federal de Educação (CFE) em 1982, com as Áreas de Concentração de: Fotointerpretação, Irrigação e Drenagem e Mecanização Agrícola. Em 1997 foi proposta a criação do nível de Doutorado, aprovada em 2001, com as Áreas de Concentração de: Engenharia de Água e Solo, Mecanização Agrícola e Sensoriamento Remoto. A migração da Área de Concentração de Sensoriamento Remoto, do PPG Engenharia Agrícola, ocorrida em 2003, alterou esta configuração dando origem ao PPG em Geomática. Ao longo de sua história o PPG em Engenharia Agrícola formou 309 Mestres e 59 Doutores. No último triênio formou 39 Mestres e 27 Doutores, portanto a metade de todos ou doutores de sua história.

Nos últimos dois anos do triênio (2010–2012) o PPGEA criou a Área Concentração em Engenharia Agroambiental e está desenvolvendo reformas visando a sua consolidação com foco na Inovação e Sustentabilidade, baseando-se no LIVRO AZUL – 4ª Conferência Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável que está construído sob a ótica de que inovação e sustentabilidade são imperativos para o desenvolvimento do Brasil e no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da Universidade Federal de Santa Maria também focado na inovação e na sustentabilidade. Esta consolidação passa também pela reforma das Linhas de Pesquisa e de Projetos, em andamento; pelo credenciamento de professores adequados ao escopo da Área de Concentração e mais qualificados e produtivos, além do descredenciamento dos menos produtivos. 

Atualmente a Universidade Federal de Santa Maria vive o maior e mais robusto período de crescimento, desde a sua fundação em 1960. Esse crescimento se reflete em grande ampliação de sua infraestrutura (prédios e equipamentos, rede lógica em todo o Campus, wifi nos prédios e na Casa do Estudante) e na contratação de mais de 700 Docentes e Técnicos administrativos, oriundos de recursos do REUNI, CTInfra e várias outras fontes. Nesse cenário, foi criado um ambiente de motivação, colaboração e competição, elevando todos os índices de produtividade, avaliados nos níveis de Graduação e Pós-graduação. O Programa de Pós Graduação em Engenharia Agrícola começa a colher os resultados desse crescimento, com a sua qualificação, e busca a consolidação de seu time de Docentes e Estudantes, sem perder o foco em inovação e sustentabilidade.

Os principais objetivos do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola são:

1) Desenvolver treinamento qualificado em ensino e pesquisa nas Áreas de Concentração de Engenharia de água e solo, Mecanização Agrícola e mais recentemente na Área de Engenharia Agroambiental (criada e aprovada entre 2011 e 2012). Seu objetivo central é capacitar o estudante a identificar, investigar e desenvolver soluções criativas e inovadoras para as limitações à produtividade agrícola e à sustentabilidade do ambiente produtivo regional e do Brasil. Atualmente o PPGEA/UFSM contribui também para a formação de recursos da América Latina, contando com 5% de estrangeiros.

2) Atuar na formação de recursos humanos de alto nível para o desenvolvimento científico e tecnológico do setor agrícola e da agroindústria, de forma a dar suporte ao desenvolvimento inovador e sustentável. Esta formação está baseada no trabalho de 19 Docentes Permanentes, dos quais 15 são Pesquisadores do CNPq e quatro são PQ 1. Isso se refletiu na atração e na formação de seis Doutores que são docentes da UFSM e se destacam, além disso, nesse triênio, as posições alcançadas pelos egressos do PPG Engenharia Agrícola, a saber: 10 (onze) egressos passaram para a docência em Universidades Federais (maioria), 8 (quatorze) egressos passaram para a docência em Institutos Federais, 5 (cinco) foram aprovados na EMATER, 10 (dez) foram contratados pela iniciativa privada, entre outras posições não informadas pelos egressos.

3) Capacitar e formar docentes é outro dos objetivos primordiais do PPG Engenharia Agrícola/UFSM, plenamente atingido no triênio, com a formação de seis docentes da UFSM e a aprovação de outros dez em outras universidades como a Universidade Federal de Pelotas, UNIPAMPA e a Universidade Federal da Fronteira Sul, entre outras. Os projetos de crescimento destas instituições vão permitir o surgimento de novas posições que serão ocupadas por outros egressos do nosso Programa. Esta importante contribuição à formação de recursos humanos para o ensino e a pesquisa Regional e Nacional já está permitindo importantes e poderosas interações e colaborações, que serão logo ampliadas, a medida que estas instituições forem consolidando suas ações.

4) Aprimorar a formação de estudantes vai ser facilitada pela retomada do crescimento do PPG Engenharia Agrícola, que iniciou com a criação da Área de Concentração em Engenharia Agroambiental. Esta Área de Concentração já conta com quatro Docentes Permanentes, dentre eles os mais produtivos do Programa: Alexandre Swarowsky, Altemir José Mossi, Jerson Vanderlei Carus Guedes  e Marcio Antonio Mazutti, o que determinou a elevação do Índice de Produtividade Docente (IPD), não permitindo o credenciamento professores pouco produtivos e facilitando os futuros descredenciamentos. Dentre os aspectos mais relevantes das reformas do PPGEA, além da criação da nova AC, está a reforma das Linhas de Pesquisa e dos Projetos de pesquisa nelas contidos, dando equilíbrio e robustez ao PPGEA. Esta nova configuração reduziu drasticamente o número e a diversidade de projetos, estimulando os Docentes Permanentes (DPs) e os estudantes, desde o seu ingresso no PPGEA, a adequarem seus planos de trabalho e pesquisas ao escopo mais moderno e arejado do Programa.

5) Formar uma base de conhecimento técnicos e dar uma formação cidadã, envolvida com os aspectos sociais e políticos das mudanças que ele poderá implementar, com os conhecimentos adquiridos e desenvolvidos durante a sua formação. Através de ações de integração com acadêmicos de níveis diferentes, para ser capaz de proceder de maneira ética para com as pessoas e outros seres vivos do círculo de influência relacionados à aplicação da tecnologia. 

Ao final da formação no Programa, o pós-graduado deve apresentar as seguintes características: a) Visão crítica sobre a sociedade e principalmente sobre o sistema de produção agrícola e suas inter-relações com a sociedade; b) Conhecimento de técnicas de utilização de recursos da natureza e equipamentos que sejam utilizados para a produção de alimentos e outros vegetais, assim como o seu processamento e acondicionamento para utilização pelo homem, e c) Perfil ético que considere os efeitos da aplicação da técnica e dos recursos tecnológicos (equipamentos e insumos) visando o bem estar do ser humano e a rentabilidade econômica e energética dos sistemas por ele influenciados.

LABORATÓRIOS DIDÁTICOS LIGADOS AO PROGRAMA

São diversos os laboratórios que dão suporte às disciplinas e atividades de pesquisa do PPG Engenharia Agrícola, entre eles se podem destacar:

 

LABORATÓRIO DE MOTORES AGRÍCOLAS – DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL

Finalidades:

– Desenvolver aulas e atividades práticas com motores agrícolas de combustão interna, na disciplina de Tratores agrícolas, promovendo a adequação dos conhecimentos teóricos do assunto, assim como incentivar a atividade de melhoria de eficiência do uso destes dispositivos e a introdução de novas técnicas.

– Desenvolver pesquisas e estudos de viabilidade de novas alternativas energéticas como biocombustíveis e gás natural em pequenos motores de uso agrícola.

O laboratório ocupa um espaço físico de 145,28 m2 e possui os seguintes equipamentos e instalações:

Dinamômetro MWD de correntes de Foucault para teste de motores Diesel até 700 cv com sistema de aquisição de dados eletrônica.

Dinamômetro para teste de pequenos motores com aquisição eletrônica de dados e torre de refrigeração, Motores didáticos, completos e em corte, Analisador de bateria e motor de partida, de geradores, reguladores e alternadores, Tacômetros analógicos e digitais, Lâmpada estroboscópica para avaliação do ponto de motores, Lâmpada de ponto para motores ciclo Otto e de ponto de injeção Diesel, Voltímetro, Manômetro registrador (pressão de motores Diesel), Analisador de combustão para motores Diesel, Viscosímetro, Analisador de condensadores e bobinas, Osciloscópio, Manômetro universal de compressão, Analisador de rotação e ângulo de permanência, Analisador de eficiência de combustão, Analisador de vácuo e pressão, Analisador de retificação de diodos, Analisador de vazamento de cilindros, Conjunto para limpeza de bicos injetores, Auto-teste para eletricidade, Teste para induzidos, Grupos geradores, Analisador de consumo de combustível Diesel, Manômetro-termômetro (registrador).

 

LABORATÓRIO DE TRATORES AGRÍCOLAS – DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL

 Finalidades:

– Oferecer condições de desenvolvimento do conteúdo programático da disciplina de Tratores Agrícolas.

– Desenvolver pesquisas e estudos relacionados à utilização racional de tratores agrícolas e melhoria das condições de eficiência de dimensionamento com os implementos agrícolas.

O espaço físico ocupado pelo laboratório é de 271 m2 e os principais equipamentos e instalações são: Trator agrícola de rodas de 72 e 105 cv de potência, Sistemas de transmissão didáticos com sistema hidráulico acionado por motor elétrico, Diferenciais didático em corte, Medidor de patinagem de tratores (magnético), Dinamômetro para tomada de potência, Analisador de sistema hidráulico, Conjunto para determinação de esforços de tração, incluindo fonte, sub-bastidor, tacômetro, cronômetro, condicionadores e células de carga (500 kg, 1T, 2T, 5T e 10T).

 

LABORATÓRIO DE ENSAIOS DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS – DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL 

Finalidades:

– Servir como local para o levantamento de características ponderais e dimensionais de máquinas agrícolas, instalação de equipamentos de medição, adaptação de componentes às máquinas e sua adequação para trabalhos de campo.

– Realizar testes e ensaios de máquinas e implementos agrícolas em fase de protótipos ou já existentes no mercado, com o fim de gerar informações de interesse dos usuários ou dos fabricantes. Neste caso, como apoio para o desenvolvimento e aprimoramento do produto.

O espaço físico do laboratório é de 282,68 m2 e os principais equipamentos e instalações são: Dinamômetros para barra de tração de 0-500kg, Semeadoras-adubadoras, Oficina com ferramental em geral, Bancada de análise de qualidade de distribuição para Distribuidores centrífugos, com bandejas portáteis, Pista de avaliação da qualidade da distribuição longitudinal de sementes com semeadoras em linha. Torciômetro, para determinação de potência disponível na tomada de potência; Balança eletrônica Urano, capacidade máxima de500 g, sensibilidade de 0,1g, Penetrômetro digital com aquisição de dados, Sonda de Medição eletrônica instantânea de umidade do Solo, Braço Power Inspect para controle de qualidade e projeto de máquinas.

 

LABORATÓRIO DE MOTORES TÉRMICOS – DEPARTAMENTO DE TERMOTÉCNICA

Finalidades:

– Atender demanda de ensino e pesquisa nas disciplinas relacionada a motores e combustíveis no âmbito da engenharia e da agricultura.

– Reunir equipamentos e pessoal envolvido em pesquisa e desenvolvimento de motores de uso agrícola e outros.

O espaço físico deste laboratório é de 288 m² e os principais equipamentos são:Dinamômetro de absorção hidráulica para motores, Medidores de fluxo de combustíveis e de ar, Registrador para aquisição de dados conectado ao computador, Motores diversos e Ferramental especializado.

 

LABORATÓRIO DE CONSERVAÇÃO DE SOLOS – DEPARTAMENTO DE SOLOS

Finalidades:

– Desenvolvimento de aulas práticas e experimentos para alunos dos Programas de Pós-Graduação em Agronomia e Engenharia Agrícola.

– Desenvolvimento de atividades de pesquisa de acadêmicos dos dois Programas.

O espaço físico é de 84 m2 e os principais equipamentos e instalações são: Estufa para secagem de solos (1050C), Balanças, Simulador de chuvas, para práticas e pesquisa em erosão e manejo de solo e água, Equipamento e caixas para determinação de erosão do solo, Geotermômetros, Materiais de laboratório, tais como, provetas, buretas, agitadores, funis, etc, Material de campo: pás, martelos pedológicos, trados, facas, etc, Bomba elétrica e à gasolina, Gerador de eletricidade portátil, Microcomputadores, Espectrofotômetro de absorção atômica, Peagâmetro, Colorímetro.

 

LABORATÓRIO DE FÍSICA DE SOLOS – DEPARTAMENTO DE SOLOS

Finalidades:

– Desenvolvimento de aulas práticas aos alunos dos Cursos de Pós-Graduação em Agronomia e Engenharia Agrícola

– Desenvolvimento de trabalhos de pesquisas de professores e alunos da Pós-Graduação.

O laboratório possui uma área construída de 84 m2 e os principais equipamentos e instalações são: Microcomputadores com Impressora, Balança equipada com raios infravermelhos para determinação do conteúdo de água no solo, Banho-maria para até 110ºC, Banho-maria para textura, Lupa, Chapa aquecedora elétrica, Agitadores elétricos para determinação da distribuição do tamanho de partículas, Conjunto completo com manômetros e reguladores de “Tem-Cells”, Penetrômetro de bolso, Geotermômetros com 5 e 15 cm de haste e termômetros até 100ºC, Balanças de torção, Balanças analógicas e eletrônicas, Mesas de tensão, Estufas para secagem de amostras de água, solo ou plantas, Altímetro, Aparelhos de Casagrande, Aparelho de placas porosas de Richard completo, Panelas de pressão de 1 bar; Extrator de Richard para 15 bar; Compressor; Tubulação com válvulas, registros e manômetros, Placas porosas de 1,5 e 15 bar, Clinômetro, Divisor de amostra de solo, Equipamento elétrico para determinação da estabilidade de agregados com água e para determinação da densidade do solo, Funil de areia, Cilindro de Uhland, Anel de Kopecky, Extrator de solo para amostra indeformada, Linígrafos, Material de campo: pás, martelo pedológico, trados,etc, Material de laboratório incluindo provetas, pipetas, peneiras, dessecadores, termômetrose densímetros para determinação da distribuição do tamanho de partículas do solo, Peneirador oscilatório para solo, Peneirador rotativo para determinação da estabilidade de agregados a seco, Tensiômetros, com bomba de vácuo, TDR, aparelho para determinar umidade, Infiltrômetro de tensão.

 

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA AGRÍCOLA:

Finalidades:

– Servir de apoio as disciplinas de barragens de terra e dinâmica do solo em cultivo e tração, oferecidas as áreas de concentração em Engenharia de Água e Solo e Mecanização Agrícola, fornecendo de parâmetros de resistência ao cisalhamento do solo e estudo da compactação de obras de terra.

Os principais equipamentos e instalações deste laboratório são: Aparelho de Casagrande, Aparelho triaxial para determinar a resistência do solo ao cisalhamento, Compactador mecânico, Penetrógrafo, Shear Graph.

 

CAMPO EXPERIMENTAL – LABORATÓRIO DE CAMPO

Finalidade:

– Atender a todos os alunos de graduação e pós graduação envolvidos com estudos relacionados à área de solos.

O campo experimental tem uma área de 30 há e possui as seguintes instalações e  equipamentos: Barragens de terra, Galpões de alvenaria para armazenamento de insumos, produtos e equipamentos, 01 Colhedora Automotriz com plataformas para colheita de milho e soja, Pulverizador, Rolo faca, Semeadoras para plantio convencional e direto, Pulverizador e semeadora de tração animal, Trator agrícola, Arado, Grade niveladora, Roçadeira, Sistema de irrigação com 6 aspersores tipo canhão, Motores elétricos e bombas de água.

 

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA AGRÍCOLA -DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL

Finalidades:

– Aulas práticas demonstrativas em equipamentos de aplicação na área de Hidráulica Agrícola – Irrigação e Drenagem – para alunos de Graduação e de Pós-Graduação.- Trabalhos práticos e de experimentação/pesquisa para estudo e solução de problemas nas relações solo-água-planta.

O espaço físico do laboratório é de 78 m2 e os principais equipamentos são: Amperímetro/voltímetro, Balanças, Canal Modular com Acessórios (didático), Cilindros infiltrômetros, Compactador automático tipo Proctor, Conjunto de Teste de Bomba Centrífuga (didático), Determinador de umidade Soilcontrol, Determinadores do conteúdo de água no solo: método “Speedy” (químico) e  método “Colman” (resistência elétrica), Equipamentos diversos: bombas centrífugas, mostruários de material hidráulico, aríetes hidráulicos, caixas d’água, mangueiras, tubos de engate rápido para irrigação por aspersão, aspersores, Estufa elétrica para secagem de amostras de solo, Extrator de amostras tipo Proctor, Fototacômetro digital, Hidrômetros, Linígrafos, Aparelho para registro de níveis de água em rios e poços de observação, Mesa de tensão para determinação da porosidade drenável, Micromolinetes Hidráulicos, Modelo Hidrológico de Bacias Hidrográficas, Molinete fluviométrico, Moto-bombas, Permeâmetro de carga constante, Piezômetro didático, Reboque Tanque, Saltmeter Soilcontrol, Sistemas de irrigação convencional, Sonda de nêutrons, Tanque Classe A, Tanques metálicos graduados, Tensiômetros, Termohidrógrafo, Watímetro, Conjunto de 24 lisímetros de drenagem, de 2x2x12 m, dotado de cobertura móvel, com acionamento elétrico, Conjunto de 12 lisímetros de drenagem, dotado de cobertura móvel, com movimentação manual.

 

LABORATÓRIO DE PESQUISA EM FITOPATOLOGIA

A área física deste laboratório é de área física de 119,02 m². Os principais equipamentos são: Microscópios, Lupas, Incubadoras, Germinador, Câmara de fluxo, Estufas, Freezer, Refrigeradores, Microondas, Destilador, Banho-maria, Balanças analíticas, Deionizador, Autoclave vertical, Fornos de Pasteur, Agitador de frascos, Cuba de Eletroforese, Termociclador, Centrífuga.

 

LABORATÓRIO DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO

Finalidade:

– Propiciar o desenvolvimento e a difusão de uma rede de informação com o objetivo de atender a demanda tecnologia em áreas irrigadas, através do manejo dos sistemas de irrigação usando estações meteorológicas automáticas, computadores e comunicação via satélite.

O espaço físico é de 30 m2 e os principais equipamentos são: Computadores, Estação Meteorológica, Termômetros de Mínima e de máxima, psicrômetro, reflectômetro, Data loggers, etc.

 

LABORATÓRIO DE SEGURANÇA E ERGONOMIA – LASERG 

Finalidades:

-Realizar estudos e ensaios que forneçam embasamento e complementem as disciplinas lecionadas na UFSM;

-Prestar apoio instrumental e técnico às disciplinas de Projeto, Ergonomia e Segurança em máquinas agrícolas;

-Prestar apoio instrumental e experimental a outras disciplinas e projetos de investigação que dele necessitem para as suas atividades, em consonância com as necessidades da indústria e/ou dos usuários de máquinas agrícolas;

A área física do Laboratório é de 200 m².

 

NÚCLEO DE MICROIRRIGAÇÃO – NUMIR

Finalidades:

– Integrar capacidades existentes e potencializar ações no sentido da qualificação da produção frutícola irrigada regional, contribuindo para a redução da importação de frutas pelo Rio Grande do Sul (hoje em torno dos 30% do consumo);

– Contribuir de forma marcante para o aumento da eficiência no uso da água, da energia e dos nutrientes em sistemas de produção vegetal de alta qualidade e produtividade, preservando o solo e a água, atendendo assim aos novos paradigmas da atividade produtiva primária, em consonância com as diretrizes da política nacional de uso e conservação desses fundamentais recursos naturais;

– Oferecer apoio técnico e científico aos programas governamentais de incentivo à fruticultura e outros cultivos microirrigados;

– Promover ações técnicas integradas entre a UFSM, empresas do setor e Instituições de pesquisa e de extensão, visando multiplicar e difundir os benefícios decorrentes do trabalho do NUMIR entre os usuários da tecnologia da microirrigação.

 

LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE IRRIGAÇÃO 

Finalidades:

– Desenvolvimento de sofwares específicos para área de recursos hídricos, irrigação e drenagem;

– Desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica e trabalhos de pesquisa;

– Oferecer cursos de curta e média duração nas áreas de recursos hídricos e irrigação;

– Atendimento ao setor produtivo através de laudos, pareceres, perícias e avaliações de sistemas e equipamentos que na área de recursos hídricos, irrigação e drenagem e geotecnologias aplicadas à sistemas irrigados.

O laboratório é composto por três salas com áreas de 29, 22 e 25 m2- e possui microcomputadores, mesa digitalizadora, impressoras, scanner e micromputador dedicado com sistema de captura, edição e gravação de DVDs a partir de VHS.

O laboratório conta com um campo experimental onde são desenvolvidos trabalhos em parceira com produtores rurais e empresas conveniadas. Neste ano foi desenvolvido no Local Fazenda Liberdade, localizada no município de Santiago, RS em uma área experimental de aproximadamente um hectare para culturas de milho, feijão e soja.

O Laboratório de Engenharia de Irrigação é parte integrante do Departamento de Engenharia Rural da Universidade Federal de Santa Maria. É formado por professores, alunos de graduação e alunos de pós-graduação que tem por objetivo a geração e transferência de tecnologias relativas a engenharia de irrigação, que visam a otimização do uso da água e da energia no meio rural. O laboratório também oferece consultoria especializada em perícias, elaboração de laudos, processos de licenciamento e avaliações na área de irrigação, drenagem, recursos hídricos e obras hidráulicas. Dentro das atividades de extensão do laboratório, destaca-se a transferência de tecnologias desenvolvidas pelos projetos do Programa de Pós-Graduação para o setor produtivo via meio digital. Neste procedimento os acadêmicos de Graduação e Pós-Graduação geram continuamente materiais de fácil compreensão para a comunidade em geral com base nos trabalhos de pesquisa do laboratório. O material gerado é organizado em folderes e e-books que são disponibilizados na página eletrônica www.ufsm.br/lei.

 

LABORATÓRIO DE PROJETO DE SISTEMAS TÉCNICOS (LPST) 

Responsável: Prof. Leonardo Nabaes Romano

O LPST é um laboratório multiusuário do Departamento de Engenharia Mecânica que suporta a execução de projetos de pesquisa que abrangem o desenvolvimento de máquinas, equipamentos e motores e o estudo de metodologias de projeto. Tipicamente os projetos de máquinas desenvolvidos abrangem as seguintes atividades: determinação das especificações de projeto da máquina; geração da concepção da máquina; estabelecimento do leiaute final; dimensionamento e seleção de materiais; modelagem geométrica tridimensional; otimização de componentes; confecção de desenhos para a fabricação de componentes e desenhos de conjunto; elaboração da lista de materiais (estrutura de produto); planejamento da fabricação e da montagem do protótipo, testes e ensaios. Para a realização destas atividades o LPST disponibiliza uma sala climatizada com área física de 45m2, localizada junto ao Núcleo de Automação e Processos de Fabricação (NAFA/CT). Em sua estrutura estão disponíveis duas bancadas com doze computadores ligados em rede, um projetor multimídia (datashow), um servidor de licenças com softwares CAD/CAE. Atualmente conta com os seguintes softwares de projeto e análise: SolidWorks Workbench; Ansys: módulos completos para versão acadêmica; ComSol Multiphysics: Software de simulação de sistemas físicos e análise simplificada. Ricardo Wave: software de simulação de motores.

 

LABORATÓRIO DE AGROTECNOLOGIA 

Finalidades:

– Desenvolver estudos na área de tecnologia agrícola, como eletrônica embarcada em máquinas agrícolas, agricultura de precisão, aviação agrícola, projeto de máquinas assitido por computador, etc

A área do laboratório é de 145 m2 e os principais equipamentos são: Braço de Inspeção e controle de qualidade SIMCORE, Sonda medidora de umidade, Penetrômetro digital, Receptores de GPS, etc

 

LABORATÓRIO DE MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS E DE TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO – DEPARTAMENTO DE DEFESA FITOSSANITÁRIA

Finalidades:

-Realizar pesquisas que sirvam de base e/ou complementem as disciplinas lecionadas na UFSM;

-Prestar apoio instrumental e técnico às disciplinas de pesquisa em eficiência no uso de fungicidas e de tecnologia de aplicação de defensivos agrícolas.

-Prestar apoio instrumental e experimental a outras disciplinas e projetos de pesquisa cujas atividades ocorram em consonância com as necessidades da indústria e/ou dos usuários de fitossanidade;

A área física do Laboratório é de 160 m².

 

LABORATÓRIO DE MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS – DEPARTAMENTO DE DEFESA FITOSSANITÁRIA

Finalidades:

-Realizar pesquisas que sirvam de base e/ou complementem as disciplinas lecionadas na UFSM;

-Prestar apoio instrumental e técnico às disciplinas de pesquisa em eficiência no uso de pesticidas, impacto sobre organismos não alvo.

-Prestar apoio instrumental e experimental a outras disciplinas e projetos de pesquisa cujas atividades ocorram em consonância com as necessidades da indústria e/ou dos usuários de fitossanidade;

A área física do Laboratório é de 185 m².

 

LABORATÓRIO DE BIOPROCESSOS APLICADOS À AGRICULTURA – DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Finalidades:

-Realizar pesquisas que sirvam de base e/ou complementem as disciplinas lecionadas na UFSM;

-Prestar apoio instrumental e técnico às disciplinas de pesquisa no desenvolvimento de bioprocessos e bioprodutos aplicados à agricultura.

-Prestar apoio instrumental e experimental a outras disciplinas e projetos de pesquisa cujas atividades ocorram em consonância com as necessidades da indústria e/ou dos usuários da área de bioprocessos e bioprodutos;

A área física do Laboratório é de 190 m².

 

LABORATÓRIO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS – DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL

Finalidades:

-Realizar pesquisas que sirvam de base e/ou complementem as disciplinas lecionadas na UFSM;

-Prestar apoio instrumental e técnico às disciplinas de pesquisa em restauração e recuperação de áreas agrícolas e florestais degradadas.

-Prestar apoio instrumental e experimental a outras disciplinas e projetos de pesquisa cujas atividades ocorram em consonância com as necessidades de em restauração e recuperação de áreas agrícolas e florestais degradadas;

A área física do Laboratório é de 220 m².

 

LABORATÓRIO DE ENGENHARIA AMBIENTAL – DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E NANOTECNOLOGIA – UNIVERSIDADE FRANCISCANA

Finalidades:

-Realizar pesquisas que sirvam de base e/ou complementem as disciplinas lecionadas na Universidade Franciscana e na UFSM;

-Prestar apoio instrumental e técnico às disciplinas de pesquisa em engenharia ambiental e nanotecnologia.

-Prestar apoio instrumental e experimental a outras disciplinas e projetos de pesquisa cujas atividades ocorram em consonância com as necessidades de em engenharia ambiental e nanotecnologia;

A área física do Laboratório é de 90 m².

 

LABORATÓRIO DE GESTÃO AMBIENTAL – DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL – UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL –

Finalidades:

-Realizar pesquisas que sirvam de base e/ou complementem as disciplinas lecionadas na Universidade Federal da Fronteira Sul e na UFSM;

-Prestar apoio instrumental e técnico às disciplinas de pesquisa em gestão e legislação ambiental.

-Prestar apoio instrumental e experimental a outras disciplinas e projetos de pesquisa cujas atividades ocorram em consonância com as necessidades de em gestão e legislação ambiental;

 A área física do Laboratório é de 110 m².