Ir para o conteúdo PET Sistemas de Informação Ir para o menu PET Sistemas de Informação Ir para a busca no site PET Sistemas de Informação Ir para o rodapé PET Sistemas de Informação
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Métodos ágeis aliados a organização pessoal



Opa, e aí pessoas, tudo bem? Nessa edição do PET Redação falaremos sobre os usos das abordagens ágeis como ferramenta para a organização pessoal, um método excepcional para se disciplinar e transpor por completo a barreira das rotinas desregradas e da famosa procrastinação.


Como alguns do curso já viram ou irão ver na disciplina de Engenharia de Software, a história da criação das metodologias ágeis começou com a falta de um método próprio de criação para o desenvolvimento de software, que passava a utilizar o método cascata, modelado e planejado em função do ciclo da engenharia convencional e que não funcionava tão bem para a nossa indústria. No entanto, alguns grupos utilizavam metodologias diferentes e que eram eficientes, criadas por eles mesmos, e que iam na contramão dos chamados métodos pesados. Foi aí que surgiu a ideia de realizar uma reunião, que contou com a presença de 17 desenvolvedores praticantes desses métodos chamados de leves, onde houve um consenso acerca das práticas mais comuns e que melhor funcionavam no desenvolvimento de software, e que culminou na criação do Manifesto Ágil e na dissipação de seus valores e princípios, em fevereiro de 2001.


Com o lançamento do Manifesto Ágil, houve grande popularização e criação de novas ferramentas que utilizavam esses métodos, fazendo com que o sucesso das metodologias ágeis partisse para além do campo do desenvolvimento de software. Esse é o caso do SCRUM e também do Kanban, que inicialmente foi criado pelo Sistema Toyota de Produção e adotado para os outros tipos de indústria, e que hoje serão nossos alvos nessa redação.

SCRUM
Basicamente o SCRUM é uma ferramenta de feedbacks contínuos, onde os projetos são divididos em sprints (ciclos de trabalho com curta duração). As atividades são definidas e priorizadas no início de cada sprint através de uma reunião de planejamento com a equipe, tendo reuniões diárias para informar o que foi feito no dia anterior e identificar o que impediu de algo ser feito e, ao final da sprint, apresentar o que foi concluído durante uma retrospectiva das tarefas.

Fonte: https://www.scrum.org/resources/what-is-scrum

KANBAN
Já no Kanban, a gestão funciona mais visualmente, os quadros de Kanban auxiliam no controle de fluxos, no equilíbrio dos processos e ajudam a limitar a quantidade de trabalho, deixando para que as pessoas coloquem as suas necessidades e o time como um todo vai realizando as tarefas conforme os espaços disponíveis. Através do quadro, o gestor do projeto e a equipe vão realizando e priorizando o que deve ser feito.

USOS E VANTAGENS
Como essas abordagens são destinadas à equipes de trabalho, a adaptação irá ser fundamental para o uso pessoal. Com isso iremos separar os recursos apresentados na explicação acima para desenvolver a nossa organização e gerar benefícios tais como: aumento da produtividade, tomada de decisões no tempo certo, economizar tempo e ajudar no foco no controle de qualidade na execução das tarefas.

SCRUM
Feedback continuo – Pode ser feito durante as atividades, inspecionando melhor cada uma delas e a maneira de estarem sendo feitas, bem como avaliar se tudo está indo de acordo com os conformes.

  • Sprints – A criação das sprints pode ser dada aos domingos e através da organização das atividades a serem desempenhadas durante a semana.
  • Reunião diária – A reunião diária pode ser feita ao final de cada dia realizando a checagem das tarefas concluídas e do que deu errado durante o processo, visando melhor a execução ou priorizar as tarefas.
  • Retrospectiva – A retrospectiva pode ser realizada no fim de cada semana, a fim de verificar tudo o que foi feito e corrigir possíveis empecilhos decorridos ao longo do sprint, a fim de corrigir e evoluir a organização das tarefas recorrentes.


KANBAN

  • Criar o quadro – O quadro deve ser organizado por colunas e cartões, variando o número e o nome das colunas – de acordo com a sua própria necessidade – e os cartões podem ser diferenciados por prioridade ou tipo de trabalho. Tudo depende do seu jeito de realizar as tarefas.
  • Preencher com as atividades – O preenchimento das atividades deve ser feito baseando-se no trabalho selecionado antecipadamente durante a realização do seu sprint semanal ou mensal. Vale ressaltar que, para um bom controle de fluxos, deve haver um limite de atividades em execução, geralmente limitadas a 2 itens na fila.
  • Organizar as prioridades – As colunas “a fazer” e “fazendo” são flexíveis, podendo ser alteradas a qualquer momento de acordo com as suas prioridades no processo, portanto, é necessário haver prioridade na execução das tarefas para que a produtividade aumente, mesmo que você não opte por usar cartões com cores diferentes.


TRELLO
Existem diversas ferramentas que auxiliam na organização das atividades através da criação de quadros de Kanban. No entanto, iremos utilizar a plataforma Trello para organização pessoal por ser intuitiva, gratuita e possuir diversos modelos de quadros feitos para as mais diferentes áreas do conhecimento.

Bom, após acessar o site da Trello, ter criado sua conta, dado um nome a sua nova área de trabalho e escolhido o tipo de área de trabalho, partiremos para a criação do primeiro quadro seguindo esses passos.
Clicar na segunda opção apresentada durante a introdução conforme mostra na foto.



Agora você pode decidir entre escolher um modelo da galeria ou criar o seu próprio, nesse caso optamos por criar o nosso.

Após clicar em “Criar novo quadro” irá surgir uma pequena janela onde você irá preencher de acordo com a sua preferência.



As colunas e cartões são facilmente adicionados e alterados com apenas alguns cliques.



Podendo os cartões de atividades serem distinguidos através de cores de etiquetas e adicionar detalhes, anexos, comentários, datas de entrega e checklist de subtarefas.

Por fim, cabe a sua imaginação absorver os conhecimentos dessas metodologias à sua vida pessoal e, assim, gerar bons frutos. Bons estudos e boas organizações!!!

Referencias e links uteis:

Matheus Garcia Escobar

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes