Ir para o conteúdo POSCOM Ir para o menu POSCOM Ir para a busca no site POSCOM Ir para o rodapé POSCOM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Documentário no Sul do Brasil: histórias, identidades e fronteiras estéticas entre o cinema e a televisão

Dr. Cássio dos Santos Tomaim

Documentário no Sul do Brasil: histórias, identidades e fronteiras estéticas entre o cinema e a televisão (em andamento desde 2013)

Descrição: a presente proposta visa dar continuidade aos estudos desenvolvidos pelo projeto O Documentário Gaúcho Contemporâneo (1995 a 2010): memória e identidade, expandindo os objetivos da pesquisa para outros dois Estados da região Sul do Brasil, Paraná e Santa Catarina. O cenário cinematográfico da região Sul, com certas especificidades em cada Estado, desenvolveu-se atrelado à produção de filmes naturais, filmes atualidades ou cinejornais e documentários com forte tendência à propaganda política dos governos regionais ou até mesmo do Estado nacional, como durante a vigência do Estado Novo de Getúlio Vargas. O projeto tem como objetivo geral mapear e caracterizar a atual produção de documentários no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, buscando compreender quais os percursos e o papel deste cinema de não-ficção no contexto das “retomadas” destas cinematografias regionais, sendo que, geralmente, coincidem com o boom do documentário no país que teve início em 2002. Levando em consideração as características específicas do documentarismo produzido nos três Estados, o projeto tem como principal problema: qual a contribuição que o documentário tem dado para a atual vitalidade do cinema na região Sul do Brasil? O cinema em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul só existe, concretamente, como processo e não apenas como uma coleção de episódios isolados, principalmente se o analisarmos sob o prisma do documentário ou do cinema de não-ficção. Por outro lado, pesquisas anteriores, como a que realizamos sobre o documentário gaúcho, tem demonstrado que o maior desafio desta produção não ficcional do país está na distribuição e exibição destes filmes que, em geral, são produzidos com financiamentos públicos, porém são pouco conhecidos do grande público do cinema brasileiro.