Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

10 filmes de terror para assistir antes, durante ou depois do Halloween

Neste Dia das Bruxas separamos 10 filmes clássicos do terror para te ajudar na escolha do que assistir durante a noite dos monstros



“Doces ou travessuras?” Você já deve ter ouvido a expressão em algum filme norte-americano. O bordão é famoso nas comemorações de Halloween, que acontece no dia 31 de outubro. Nesta data, principalmente nos Estados Unidos, as crianças utilizam fantasias “assustadoras” e saem para pedir doces. 

No Brasil, a data do Halloween é conhecida como Dia das Bruxas e, apesar da tradição de pedir doces não ter tanta força por aqui, é lembrada como um sinônimo de situações sobrenaturais e se torna um período propício para assistir aos filmes de terror, suspense e trash

Convidamos o ex-professor do departamento de Desenho Industrial da UFSM, Cássio Fernandes Lemos para listar alguns filmes clássicos de terror. Ele é idealizador do site Zumbi Gordo e organizador do Cineclube PACTO – Projeção Audiovisual de Cinema Trash Odioso. Era responsável pelo Laboratório de Fotografia e pela disciplina de Concept Art para Cinema e Jogos e organizador do Festival Audiovisual do Desenho Industrial – Quitute de Ouro. Atualmente Cássio é professor na Universidade Franciscana (UFN).

Confira abaixo a lista com as sugestões de Cássio Lemos do que assistir no dia 31 de outubro. Não há uma ordem especial na lista. 

O Exorcista (1973, The Exorcist), de William Friedkin

Primeiro título de terror indicado ao Oscar, O Exorcista conta a história de Regan, menina 12 anos possuída por um demônio. Sua mãe, uma atriz ateísta, após ser desenganada por médicos, busca ajuda de dois padres exorcistas. O filme traz cenas marcantes, como a em que Regan, possuída, desce as escadas rastejando e de cabeça para baixo.  

Durante as gravações, muitas pessoas alegaram mal estar. Ainda foram espalhadas lendas de que ocorreram maldições nos bastidores, como um incêndio que destruiu o set, menos o quarto onde aconteciam as cenas de exorcismo.

Halloween: A Noite do Terror (1978, Halloween), de John Carpenter

É um dos principais filmes do gênero slasher, que envolve psicopatas mascarados ou fantasiados. A franquia Halloween tem 11 filmes e, em 2018, 40 anos após o original, uma continuação direta foi lançada, sem considerar os anteriores. Além de dirigir e escrever, Carpenter responde pela trilha sonora.

A personagem principal é Michael Myers. A primeira produção mostra o início da trama, quando Myers, ainda um garoto, mata sua irmã e é internado em um hospital psiquiátrico. Após 15 anos, ele foge, persegue Laurie Strode e seus amigos e assassina 13 pessoas.

Sexta-feira 13 (1980, Friday the 13th), de Sean S. Cunningham

A franquia se caracteriza por ser uma das mais icônicas do slasher. O personagem Jason Voorhees é reconhecido pela máscara de hóquei e pelo facão. Entretanto, como lembra o professor e designer Cássio Lemos, essa figura não existia no primeiro filme. 

A história se passa no acampamento Crystal Lake. O local foi fechado após o assassinato de um casal de instrutores e do afogamento de uma criança, Jason Voorhees. Quase 30 anos depois, Crystal Lake reabre nas férias. Com o tempo, os jovens veranistas são mortos sem que o espectador saiba quem é o verdadeiro assassino. Somente ao final a identidade e a motivação são reveladas. 

Sexta-feira 13 traz várias situações que se tornam clichês do gênero, como a perseguição da jovem heroína inocente, a pessoa que se afasta do grupo e é morta e o exagero na quantidade de sangue. 

O Massacre da Serra Elétrica (1974, The Texas Chain Saw Massacre), de Tobe Hooper

Representante do slasher, O Massacre da Serra Elétrica é uma produção feita com atores desconhecidos e baixo orçamento. O assassino em série Ed Gein é a referência para Leatherface, personagem principal que carrega uma motosserra e confecciona artefatos com pele humana.

A história inicial mostra um grupo de amigos que viaja até o interior do Texas e encontra a família de Leatherface, psicopatas canibais. Massacre da Serra Elétrica também teve várias sequências.

Hellraiser – Renascido do Inferno (1987, Hellraiser), de Clive Barker

Filme inspirado no livro The Hellbound Heart, de 1986, escrito por Clive Barker. A trama está centrada nos cenobitas e em suas vítimas. Os cenobitas são seres de outra dimensão que torturam e apreciam causar dor nos outros. Eles são invocados por um cubo mágico, que transporta a pessoa que o abrir para sofrer nessa outra dimensão. No filme, um homem consegue escapar dos cenobitas. Ele recebe ajuda de sua amante para reconstruir seu corpo.

Uma Noite Alucinante – A Morte do Demônio (1981, The Evil Dead), de Sam Raimi

Mais um filme de baixo orçamento, do tipo “faça você mesmo”, e característico do estilo trash. Nas duas sequências, a franquia apostou no tom cômico. Além disso, foram lançados remakes, jogos de videogame, musicais e a série Ash vs Evil Dead.

Na trama, um grupo de jovens passa o final de semana em uma cabana isolada. Lá, havia um gravador, e curiosos, tocam a fita para ouvir. Nela, uma voz fala de pesquisas sobre o Necronomicon, o livro dos mortos, encadernado com pele humana e escrito com sangue. O livro traz invocações que despertam um mal que habita a floresta local. Aos poucos, o grupo é possuído e Ash, o protagonista, é encarregado de destruir as criaturas que até pouco tempo eram seus amigos. 

A Hora do Pesadelo (1984, A Nightmare on Elm Street), de Wes Craven

Figura icônica da cultura trash, Freddy Krueger tem a pele queimada, usa chapéu, blusão vermelho listrado e luva com lâminas afiadas nos dedos. O assassino em série atormenta as vítimas em seus pesadelos. Assim, os jovens morrem enquanto dormem. Lutando contra o sono, Nancy, a protagonista, descobre que Freddy é uma figura sobrenatural, enquanto os mais velhos parecem esconder algum segredo. A franquia teve várias sequência, inclusive Freddy X Jason.

Brinquedo Assassino (1988, Child’s Play), de Tom Holland

O menino Andy Barclay ganha de presente o boneco Good Guy. O que parecia ser um sonho realizado vira um tormento, pois esse brinquedo é possuído. O assassino Charles “Chucky” Lee Ray transferiu sua alma para o boneco, por meio de um ritual. Chucky quer se vingar de seus comparsas e, para não ficar preso ao brinquedo de plástico, precisa possuir o corpo de Andy, seu dono. O filme teve sequências e remakes.

O Iluminado (1980, The Shining), de Stanley Kubrick

Stephen King é um dos autores de terror com mais adaptações de seus livros para o cinema e a televisão. Para os fãs do gênero, O Iluminado é considerado um dos melhores. Curiosamente, o escritor não gosta da versão de Kubrick. 

A história acontece no Hotel Overlook. Um escritor, Jack Torrance, fica responsável como zelador durante o inverno e leva sua família junto. Os corredores claustrofóbicos e seus muitos quartos revelam assombrações, e o hotel muda as personagens. Enquanto Jack fica cada vez mais insano e psicótico, Danny, seu filho, se comunica com esses fantasmas. Inseridos nessa espiral de loucura, o pai tenta matar a família.

Neste ano, em 17 de novembro, Doutor Sono, a continuação direta de O lluminado será lançado nas principais salas de cinema brasileiras. 

O Enigma de Outro Mundo (1982, The Thing), de John Carpenter

O filme começa com um helicóptero norueguês que persegue e tenta matar um cachorro, próximo a uma estação de pesquisa na Antártida. A cena é acompanhada por cientistas norte-americanos que ficam perplexos e resgatam o animal. Eles decidem investigar a estação norueguesa e descobrem uma nave espacial abaixo das camadas de gelo. Um alienígena assassino, com capacidade de imitar a forma de suas vítimas, gera tensão e desconfiança entre a equipe.

Bônus: mais 10 filmes do gênero trash

Anastácia 

Além dos filmes citados acima, selecionados pelo professor Cássio Lemos, a Arco indica Anastácia. O curta foi produzido em 2017 pelos alunos Marcos Amaral de Oliveira, Andressa Ferrão, João Vitor Bitencourt, Laís Carafini e Liandra Rodrigues,  do 3º semestre de Produção Editorial, com orientação do professor Leandro Stevens. A atividade foi feita para a disciplina de Mídias Digitais.

A produção é um audiovisual do gênero horror. A história acontece no prédio 21 da UFSM, onde Mirela, uma estudante de Produção Editorial, decide trocar a mascote da semana de recepção dos calouros e acaba irritando Anastácia.

Repórter: Mirella Joels, acadêmica de Jornalismo

Ilustradora: Beatriz Dalcin, acadêmica de Publicidade e Propaganda

Mídia Social: Nataly Dandara, acadêmica de Relações Públicas

Editora de Produção: Melissa Konzen, acadêmica de Jornalismo

Editor Chefe: Maurício Dias, jornalista

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes