Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

O novo coronavírus sobrevive no ar?



Os estudos sobre a covid-19 avançam dia a dia. Em todo o mundo, cientistas buscam como o novo agente do coronavírus passou de animais para humanos, quais são as possíveis curas e os fatores que influenciam a proliferação do SARS-Cov-2. Diante desse cenário de mudanças, pesquisas conduzidas na China apontam que a covid-19 pode ser transmitida pelo ar e, até mesmo, encontrada em ambientes próximos ou com circulação de infectados.

Estudo sugere que SARS-Cov-2 pode se propagar sem contato físico

Uma pesquisa recentemente publicada pela Revista Nature aponta que partículas do novo coronavírus podem ser encontradas no ar em ambientes com a presença ou circulação de infectados pelo vírus. O estudo coletou amostras de ar em 30 locais públicos e em dois hospitais que tratam pacientes com a covid-19 em Wuhan, China.

Na análise realizada, a presença de aerossóis foi observada em espaços com grande circulação de pessoas e em ambientes com pouca ventilação. A presença dessas partículas reforça a tese de alguns pesquisadores de que o SARS-Cov-2 tem a capacidade de se propagar sem contato físico com os portadores da doença, por meio de partículas de aerossóis dispersas no ar.

A pesquisa também ressalta que locais nos quais ocorreram o processo de desinfecção e em enfermarias bem ventiladas a concentração foi indetectável.

Partículas com vírus podem se manter estáveis por até duas horas

De acordo com a bióloga e professora da UFSM Palmeira das Missões, Terimar Moresco, as partículas que carregam o novo coronavírus podem se manter estáveis no ar por até duas horas, tempo que varia de acordo com as características como temperatura e umidade do ambiente. Além disso, caso essas partículas virais estejam em objetos – como a vestimenta médica, móveis, ar condicionado – ou no piso, e sejam ressuspensas, o ar pode ser contaminado. Por isso, o uso de máscaras, os cuidados e a higienização rigorosa de vestuários e ambientes é uma medida fundamental para prevenção da covid-19. A bióloga também destaca que a contaminação por via aérea é menor em ambientes abertos ou com circulação de ar natural e que mesmo com o uso de ventiladores e de ar condicionados, que fazem apenas recirculação do ar, não diminuem nem a concentração de partículas virais no ambiente nem o risco de contaminação. 

Surto na cidade de Guangzhou pode ter se originado pelo ar contaminado

Tanto a origem da covid-19 quanto o início do sua proliferação ainda são incertas. No entanto, um estudo sugere que o surto do novo coronavírus na cidade de Guangzhou, na China, surgiu durante um almoço em um restaurante. 

Como o governo chinês monitora todos os infectados pela covid-19, os pesquisadores conseguiram rastrear os primeiros casos da doença naquela cidade. A partir do mapeamento, eles descobriram que dez pessoas de três famílias diferentes – para exemplificar, utilizaremos A, B e C para cada grupo – almoçaram no mesmo restaurante do paciente A1 – que, no dia anterior, tinha retornado de Wuhan, epicentro da doença.

Mais tarde naquele mesmo dia, o paciente A1 apresentou febre e tosse, e foi ao hospital. Doze dias depois desse almoço, nove pessoas das famílias A, B e C já tinham adoecido pela covid-19. Ao analisar as câmeras de segurança do estabelecimento, os cientistas perceberam que os infectados das famílias B e C não tiveram contato físico com o paciente A1. Os pesquisadores também constataram que os funcionários do restaurante e os demais presentes não contraíram o vírus.

Foi então que observaram que as mesas das três famílias estavam alinhadas em um mesmo fluxo de ar, dispostas um metro de distância uma das outras. Os pesquisadores reconstruíram a cena. Para isso, utilizaram bonecos com a temperatura do corpo humano e liberaram um gás marcador que se propaga no ar como o coronavírus para representar a respiração do único infectado, o paciente A1. 

A conclusão do estudo sugere que o vírus foi transmitido pelo ar pelos aerossóis, mesmo com o paciente A1 sendo assintomático. Essas pequenas gotículas aerossóis e que carregam o vírus podem permanecer no ar e percorrer distâncias superiores a um metro. A partir desta pesquisa, é possível estimar que o surto do novo coronavírus em Guangzhou originou-se através do ar de um restaurante, influenciado pela rota de circulação do ar condicionado. 

O estudo será publicado na edição de julho de 2020 na revista Emerging Infectious Diseases, mas uma pré-edição já pode ser acessada no site do periódico.

Mitômetro Coronavírus é um projeto de checagem de fatos da revista Arco voltado para a temática da pandemia com o objetivo de combater a desinformação.

Compreenda os selos:

Comprovado – fato com evidências científicas e que pode ser explicado a partir de relatórios, documentos e pesquisas confiáveis e com metodologias factíveis. 

É possível – selo para uma checagem com elementos reais. Não há comprovação 100% em função de determinados indícios, detalhes ou situações.

Depende – é o meio termo entre o que é mito e a verdade. Não existe um consenso entre as fontes e os especialistas. Também usado para quando faltam evidências ou para destacar que o fato pode ocorrer em uma determinada situação. 

Improvável – refere-se a uma situação com pouquíssima possibilidade de ser real. 

Mito – não existe possibilidade alguma de ser verdade. Existem evidências que provam o contrário. Enquadram-se aqui as teorias da conspiração, as lendas da internet e as noticias falsas.


Publicações Recentes