Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Rozane Cardoso: a mestra dos palhaços

Professora da UFSM atuou na formação de diversas gerações de artistas e hoje inspira evento de profissionais da arte da palhaçaria



Professora Rozane Cardoso como a Palhaça Coxilha, no Calçadão de Santa Maria.

Ouvir, dar afeto e dar voz eram alguns dos objetivos do grupo de estudos O Tau do Claun que, entre 1997 e 1999, comprometeu-se a levar a arte da palhaçaria para o Lar das Vovozinhas, localizado em Santa Maria, no Rio Grande do Sul – e segundo consta no site da instituição, é o maior lar de idosas do Brasil. Coordenados pela professora da UFSM Rozane Cardoso, os integrantes do projeto realizavam estudos teóricos e práticos para que pudessem valorizar a vida das idosas que residiam no Lar. As intervenções artísticas realizadas pelo grupo deram conta de acolher e humanizar o público, que se encontrava fragilizado e frequentemente em situação de abandono. 

Além de articular e orientar o grupo O Tau do Claun, Rozane Cardoso foi pioneira na pesquisa em técnicas de comicidade, na experimentação criativa e na arte da palhaçaria em Santa Maria e no estado. Rozane formou-se em Artes Cênicas em 1992 e concluiu o mestrado em Ciência do Movimento Humano em 2001, ambos pela UFSM. 

Foto da Oficina de Clown ministrada por Ana Elvira Wuo em 1997, promovida pelo grupo O Tau do Claun, e patrocinada pela Direção do Centro de Educação e pelas Coordenações dos cursos de Educação Especial e Pedagogia.

No âmbito da docência na universidade, Rozane ministrou diversas disciplinas nos cursos de Artes Cênicas e Educação Especial – dentre elas Laboratório, Encenação Teatral, Técnicas Circenses e História do Teatro Brasileiro. Seu perfil profissional é descrito como muito ético, metódico e austero. “A Rozane era uma ótima professora para preparar diretores. Ela era muito exigente em tudo o que fazia e a gente tinha que estar lá até a hora que ela achava que tinha ficado bom”, conta Michelle Silveira (Palhaça Barrica), ex-aluna de Rozane e atual palhaça, formadora em palhaçaria e produtora cultural. “Ela trabalhava conosco muito jogo, improviso, tudo buscando descobrir e desenvolver a personalidade de cada palhaça e palhaço. Se tem uma coisa que eu aprendi com a Rozane e que jamais vou esquecer é o respeito pelo nariz. O respeito pela máscara e pelo ritual de usá-la”, complementa Michelle.

Dedicatória de Daniela Lobato para a professora Rozane Cardoso, em um álbum com fotos do trabalho dos clowns no Calçadão de Santa Maria.

Mesmo após falecer, em 2007, o nome de Rozane ainda ecoa pelo mundo artístico que ajudou a construir e a consolidar. O Teatro Caixa Preta – Espaço Rozane Cardoso, do Centro de Artes e Letras da UFSM, leva o nome da professora que lutou para que o espaço fosse revitalizado. “Ela sempre dava um jeito de articular um projeto dela para conseguir verba para resolver os problemas de infraestrutura, porque o que tinha disponível não era o suficiente. Ela fazia o espaço ser vivo. Tinha uma programação intensa de atividades que envolviam não só eventos artísticos culturais, como atividades de outros cursos. Então ela fazia o espaço ser utilizado da melhor maneira possível”, relata Laédio Martins, que foi orientado por Rozane no TCC e hoje é mestre em teatro e diretor teatral.

Além do nome do Teatro, o legado de Rozane Cardoso reverbera no Encontro de Palhaços da Coxilha, que está na sua 7ª edição celebrando a arte, pesquisa e memória da palhaçaria. O evento teve a sua primeira edição em 2012 e foi idealizado por Pablo Canalles, Raquel Guerra e Luise Scherer, que foram alunos de Rozane e se envolveram em seus trabalhos. Coxilha era a identidade da palhaça de Rozane e, em homenagem à sua mestre, o Encontro também leva o seu nome. O evento é produzido pelo Ateliê do Comediante e pela atriz, palhaça e produtora Luise Scherer, em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria e acontecerá entre os dias 17 e 20 de junho.

Material gráfico cedido pelo 7° Encontro de Palhaços da Coxilha para divulgação. Identidade visual: Vilmar Rossi Junior Fotografia: Breno Fixman e Roberto Chagas

Pela primeira vez em formato digital, o evento será transmitido no canal do Youtube do Encontro Palhaços da Coxilha. Dentre as urgências observadas na mudança da configuração do evento estão a preocupação com a qualidade do material desenvolvido e apresentado e o planejamento de estratégias para se aproximar do público, mesmo através de telas. Além de trazer espetáculos e números cômicos de companhias santa-marienses, a 7ª edição do evento também conta com a apresentação do projeto editorial “Sublime Jogo”. A obra inédita aborda a pesquisa em palhaçaria realizada por Rozane Cardoso através do grupo de estudos O Tau do Claun e das atividades realizadas no Lar das Vovozinhas.

Laédio Martins conta que Rozane chegou a imprimir uma versão do livro e a revisá-lo, e que o formato que ela idealizou para a obra será respeitado. Apesar de não ter integrado o grupo O Tau do Claun, Laédio tinha proximidade com o trabalho realizado pelo grupo e observa a importância das atividades desenvolvidas no Lar das Vovozinhas. “A arte dá conta de traduzir aquilo que é inefável, que a gente não consegue colocar em palavras. Às vezes uma manifestação artística que a gente vê te toca de uma maneira que você não consegue explicar necessariamente com palavras, mas que te afeta e te transforma em um sentido positivo e te coloca em outra direção. Te abre o horizonte ou apazigua a alma, o coração”, contempla.

A partir do Edital Criação e Formação Diversidade das Culturas e com recursos da Lei Aldir Blanc (Lei 14.017/2020), o livro de Rozane foi digitalizado e revisado. Futuramente será possível publicar a obra, que está em processo de preparação e pesquisa editorial. A professora e palhaça Raquel Guerra, que integrou o grupo de estudos O Tau do Claun e atua na curadoria do Encontro Palhaços da Coxilha, explica que o material será enviado para ser revisado pelas pessoas que estavam envolvidas no projeto durante a época e que foram co-autoras deste material. A impressão física do livro está prevista para 2022. 

No dia 17, primeiro dia do Encontro, o conteúdo do livro Sublime Jogo será apresentado através de comentários da equipe responsável pela revisão da obra. Confira, a seguir, a programação do 7º Encontro Palhaços da Coxilha:

17 de junho, quinta-feira

Fotografia do Espetáculo O Circo do Mundinho Feliz - Teatro Por Que Não?
  • 15h – Webconferência Sublime Jogo  – Apresentação Luciano Gabbi, com os convidados Laédio Martins, Michelle Silveira, Manuela Castelo Branco e Raquel Guerra
  • 19h – TV O Tau do Claun – Dacaratapa – Diário de um Palhaço em Isolamento Social – Palhaça Brum – Penso logo Desisto e Clowncando – Levitamento de Palhaço
  • 20h  – Espetáculo O Circo do Mundinho Feliz – Teatro Por Que Não?

18 de junho, sexta-feira

Fotografia da Palhaça Fiorella, que estará presente na TV O Tau do Claun.
  • 19h – TV O Tau do Claun – Palhaça Barrica – Barrica em Oferenda – As Theodoras – Theodoras Onlainê em Espelho – Ilógica Cia – Peido Pesado em: Palhaço do rock?em quarentena
  • 20h – Espetáculo Romeu e Julieta – Cia Retalhos de Teatro

20 de junho, domingo

Fotografia das Theodoras Onlainê em Espelho, que estarão presentes na TV O Tau do Claun.
  • 19h – TV O Tau do Claun – Palhaça Barrica – Barrica em Oferenda – As Theodoras – Theodoras Onlainê em Espelho – Ilógica Cia – Peido Pesado em: Palhaço do rock?em quarentena
  • 20h – Espetáculo Romeu e Julieta – Cia Retalhos de Teatro

20 de junho, domingo

Fotografia do Ateliê do Comediante, que estará presente na TV O Tau do Claun.
  • 19h – TV O Tau do Claun – Cia Teatro de Bolso – O Matricômico em O Jantar – Ateliê do Comediante – As Irmãs Pulgas
  • 20h – Espetáculo Macaco Malaquias – Saca-Rolhas Teatro & Cia

Expediente

Repórter: Nathália Brum, acadêmica de Jornalismo e estagiária

Ilustradora: Renata Costa, acadêmica de Produção Editorial e bolsista

Mídia Social: Samara Wobeto, acadêmica de Jornalismo e bolsista; Eloíze Moraes e Martina Pozzebon, estagiárias de Jornalismo

Edição de Produção: Esther Klein, acadêmica de Jornalismo e bolsista

Edição Geral: Luciane Treulieb e Maurício Dias, jornalistas

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-601-8491

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes