Ir para o conteúdo POSCOM Ir para o menu POSCOM Ir para a busca no site POSCOM Ir para o rodapé POSCOM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Repercussões dos processos de aceleração do Tempo Social no campo jornalístico

por Bruna Eduarda Meinen Feil



O Jornalismo estabelece com a noção de tempo uma relação particular. O fator temporal é constitutivo do campo jornalístico desde a sua emergência enquanto atividade rudimentar nos séculos XVII e XVIII, especialmente no contexto europeu e norte-americano. No livro “A fabricação do presente: como o jornalismo reformulou a experiência do tempo nas sociedades ocidentais”, Carlos Eduardo Franciscato demonstra de que maneira a produção de narrativas curtas e efêmeras sobre a realidade assinala o início da operação da temporalidade pelo Jornalismo, o que contribui para o início da sedimentação de uma “cultura do tempo presente”. 

A variável tempo também é constitutiva dos modos de produção do Jornalismo e contribuiu para a consolidação de rotinas, práticas e valores que caracterizam a profissão e são reconhecidos socialmente. Além disso, a temporalidade é um elemento central na formatação da notícia – o produto clássico do Jornalismo. Considerando a importância da noção de tempo, é possível afirmar que ela está na base da própria identidade do Jornalismo, preservando sua relação com o presente e garantindo sua atualidade.

 Reconhecendo a relação indissociável que o Jornalismo estabelece com a noção de tempo e com o intuito de avançarmos nessa discussão, eu e a profª Laura Storch produzimos um artigo que será apresentado no  20º Encontro Nacional de Pesquisadores  em Jornalismo, promovido pela SBPJor. O trabalho intitulado “Impactos da aceleração do Tempo Social sobre o Jornalismo: uma reflexão a partir do conceito de affordances temporais” busca no campo da Sociologia a concepção de Tempo Social que favorece uma compreensão aprofundada sobre as reconfigurações temporais das sociedades contemporâneas, considerando as mudanças no ritmo da vida social.  De modo particular, nos debruçamos sobre o projeto teórico do sociólogo alemão Hartmut Rosa que busca compreender o comportamento de aceleração do Tempo Social que ele vincula à sociedade moderna.

O autor caracteriza as sociedades modernas através do processo de “estabilização dinâmica”, fenômeno decorrente de uma demanda sistemática por crescimento, inovação e aceleração de todas as dimensões da vida social.

“Uma sociedade é moderna quando opera em um modo de estabilização dinâmica, ou seja, quando requer sistematicamente crescimento, inovação e aceleração para sua reprodução estrutural com a finalidade de manter seu status quo socioeconômico e institucional” (ROSA, 2017, p.439).

A lógica da “estabilização dinâmica” está ancorada em um processo que relaciona três aspectos fundamentais para o processo de aceleração: I) aceleração tecnológica; II) aceleração da mudança social e III) aceleração do ritmo da vida. Essas três dimensões estabelecem entre si uma relação de circularidade: o aumento da velocidade da mudança social promove uma aceleração dos ritmos da vida, que por sua vez só pode se realizar em função da aceleração técnica que gera novas modificações sociais, e assim por diante, criando um mecanismo de autopropulsão da modernidade. A leitura que Rosa faz acerca desse fenômeno também nos permite compreender a sensação generalizada de que o tempo está cada vez mais escasso. Para apropriar-se melhor da proposta do sociólogo, vale a leitura do livro “Aceleração:”a transformação das estruturas temporais na Modernidade”. Para um estudo um pouco mais rápido, este artigo aqui pode ser interessante.

Hartmut Rosa considera que a lógica da “estabilização dinâmica” e os processos de aceleração são marcas registradas da sociedade moderna e têm reflexos nas mais diversas instâncias da vida, incluindo a cultura, a economia e a política. Em nosso caso, estamos interessadas em refletir sobre os impactos dos processos aceleratórios no campo do Jornalismo como um todo. No trabalho em questão, utilizamos seis affordances temporais propostas pelos pesquisadores israelenses Keren Tenemboin-Weinblatt e Motti Neiger em um trabalho publicado em 2018. Os autores utilizam as affordances para examinar os impactos das novas tecnologias digitais nas práticas jornalísticas e narrativas noticiosas. Tenemboin-Weinblatt e Neiger identificam seis affordances temporais relacionadas à prática do Jornalismo e seus produtos: imediatismo, liveness, tempo de preparação, transitoriedade, fixação no tempo e recuperabilidade estendida. 

 A partir de nossa análise, podemos perceber que em um contexto de aceleração dinâmica dos processos sociais, as affordances temporais do Jornalismo são também sujeitas a um processo de compressão temporal e mais do que relacionadas entre si, elas estão sobrepostas umas às outras. É possível perceber a compressão temporal mesmo nos processos mais basilares da produção de notícias. Um bom exemplo disso está ancorado na ideia de que não é mais possível considerar a notícia como um produto “final”, resultante de um processo linear de empacotamento  na cadeia de produção digital. Nesse contexto, a noção de “notícia aberta” sugere uma remodelação nas rotinas de produção jornalística, bem como nos seus formatos. A própria apuração se torna parte da experiência narrativa do jornalismo contemporâneo – uma apuração aberta ao público e em tempo real.

Esses são apenas alguns insights do que percebemos ao longo da produção do artigo. Em breve, o trabalho estará publicado nos anais do 20º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo e divulgaremos ele por aqui! Seguiremos procurando compreender as transformações do campo jornalístico através de uma interface com o campo da Sociologia e, em especial, com as discussões sobre Tempo Social e processos de aceleração. Acreditamos que essa aproximação com outras disciplinas nos permite realizar novas leituras acerca de determinados fenômenos contemporâneos que estão em pauta no âmbito da comunicação. 


ROSA, Hartmut. Dynamic stabilization, the Triple A. approach to the good life, and the resonance conception. Questions de communication, n. 31, p. 437- 456, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2022

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-513-2253

Notícia vinculada a

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes