Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Palestra sobre Autismo no Ensino Superior é realizada no campus de Palmeira das Missões



O Núcleo de Educação e Desenvolvimento da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas da UFSM promoveu, nessa terça-feira (20), no Campus de Palmeira das Missões, uma palestra sobre Autismo no Ensino Superior. A atividade faz parte do Ciclo de Palestras para Formação Docente, que tem como objetivo desenvolver competências dos servidores docentes por meio da sua capacitação, visando à melhoria do ensino e da qualidade dos serviços prestados pela Instituição. A palestrante foi a professora Jéssica Jaíne Oliveira, Mestra em Educação na Linha de pesquisa em Educação Especial e Transtornos do Espectro do Autismo.

O objetivo da palestra foi explanar sobre as práticas exercidas com as pessoas com Transtorno do Espectro Autista no âmbito do Ensino Superior, perpassando sobre aspectos característicos, históricos e diagnósticos, proporcionando um espaço de reflexões e discussão sobre a temática a fim de contribuir para um melhor direcionamento da prática docente para com esse público.

Um dos aspectos abordados pela palestrante foram as peculiaridades que as pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) possuem, como, por exemplo, o fato de não conseguirem, muitas vezes, se colocar no lugar do outro e os impactos que isso pode gerar nas relações interacionais. “O fato de não entender uma piada ou uma expressão facial, se dá pela dificuldade em manejar essas situações que exigem o “colocar-se no lugar do outro”, como chamamos por empatia. No entanto, o treino de habilidades sociais pode ser ensinado para as pessoas com TEA, para que assim possamos favorecer essa parte do desenvolvimento”, explicou a professora.

Segundo a palestrante essa dificuldade em colocar-se no lugar do outro, pode dificultar uma interpretação de um diálogo social. “As figuras de linguagem, por exemplo, são muitos utilizadas em nosso cotidiano, porém, para pessoas com autismo o sentido literal é levado em conta, ou seja, ele executam o pensamento mais concreto, não considerando o abstrato. Se eu disser: ‘Você precisa andar na linha, hein!’, talvez eles possam procurar a tal linha que eu estou falando para caminhar nela, por exemplo”.

Durante a palestra também foi abordada a questão de algumas dificuldades das pessoas com autismo no processamento de informações. “A pessoa com TEA, por deter-se ao detalhe ao invés do contexto global, poderá ter dificuldades em uma interpretação de texto, por exemplo. Mas, por outro lado, muitas vezes possuem uma memória extremamente desenvolvida e, pelo fato de focarem no detalhe, em determinadas funções que exigem foco e determinação, podem ter sucesso em realizar tal atividade”. Outra questão trazida para debate, para a melhor compreensão das pessoas com autismo, foi a necessidade que elas possuem em manter uma rotina e uma organização. Uma mudança inesperada poderá desorganizá-los de forma que comportamentos agressivos ou inesperados podem aparecer.

A professora orientou os docentes e técnicos em relação a algumas estratégias que podem ser utilizadas no relacionamento com pessoas com autismo. “As estratégias são variadas, não esquecendo que cada pessoa com TEA é única e apresentará dificuldades diferentes. No entanto, é preciso falar de forma mais objetiva, explicando o que você espera dela. Isso facilita esse processo de comunicação e interação. Faça uma pergunta de cada vez e de forma objetiva”, completou.

 

Texto e fotos: Assessoria de Comunicação UFSM-PM



Publicações Recentes