Ir para o conteúdo PRE Ir para o menu PRE Ir para a busca no site PRE Ir para o rodapé PRE
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

UFSM passa a integrar a Cátedra UNESCO Geoparques, Desenvolvimento Regional Sustentável e Estilos de Vida Saudáveis

Universidade é a terceira instituição brasileira associada. Ingresso na Cátedra representa um importante avanço no reconhecimento internacional dos territórios beneficiados pelos Geoparques UFSM



A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) passou a integrar, em novembro de 2021, a Cátedra UNESCO Geoparques, Desenvolvimento Regional Sustentável e Estilos de Vida Saudáveis. A associação internacional, coordenada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), reúne instituições de 11 países e conta com mais de 38 profissionais voltados à promoção do desenvolvimento regional comprometido com a preservação ambiental e cultural dos territórios. A UFSM é a terceira representante brasileira no órgão internacional e a primeira fora da região nordeste. A associação consolida um importante passo para o reconhecimento dos Geoparques UFSM pela UNESCO.

Para o Reitor da UFSM, Paulo Afonso Burmann, a associação da UFSM junto à Cátedra UNESCO sinaliza a importância da atuação integrada entre universidade e comunidade como uma estratégia de promoção e de co-participação nos processos de desenvolvimento econômico e social destas regiões. “Além de fortalecer o pilar da Extensão, também se estabelece mais um campo de atuação dos nossos estudantes e técnicos na área do desenvolvimento econômico e social da região”, ressalta Burmann.

Participação da equipe Geoparques UFSM no lançamento do projeto de Eco Trilhas no Geoparque Quarta Colônia

De acordo com Jaciele Carine Vidor Sell, Coordenadora de Desenvolvimento Regional e Cidadania PRE e responsável institucional pelos Geoparques UFSM, a integração da UFSM junto à Cátedra UNESCO simboliza um passo importante para que os territórios da Quarta Colônia e de Caçapava recebam o reconhecimento internacional de seu patrimônio. “A associação representa mais uma possibilidade de internacionalização para a UFSM. Além de dar visibilidade mundial para o que é desenvolvido pela instituição, ainda abre novas possibilidades de intercâmbios, eventos conjuntos e parcerias no desenvolvimento de projetos de Ensino, de Pesquisa e de Extensão”, comenta Jaciele.

Atualmente, a UFSM desenvolve, por meio da Pró-Reitoria de Extensão (PRE), dois projetos voltados ao reconhecimento dos territórios e das suas peculiaridades no Rio Grande do Sul. O Geoparque Quarta Colônia Aspirante UNESCO, desenvolvido na região central do estado, reúne nove municípios que compõem a Quarta Colônia. A iniciativa conta com o apoio do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável da Quarta Colônia (CONDESUS). O segundo território atendido pela Universidade é o da Caçapava do Sul, por meio do Geoparque Caçapava Aspirante UNESCO, promovido com apoio da Universidade Federal do Pampa (Unipampa). 

“O título de Geoparque é uma certificação que um território recebe pela forma como conduz suas estratégias de desenvolvimento regional e local, conservando seus patrimônios naturais e culturais. Ter uma universidade dando suporte é muito importante, e quando esta universidade integra e se associa a uma Cátedra da UNESCO, não restam dúvidas da seriedade e do compromisso da instituição com as comunidades locais”, enfatiza a coordenadora dos Geoparques UFSM, Jaciele Sell.

No Brasil, há apenas um Geoparque certificado pela UNESCO, o Geoparque Araripe, no Ceará. Além disso, outros dois territórios que buscam a certificação foram avaliados pela instituição neste ano: o Geoparque Seridó, no Rio Grande do Norte, e o Geoparque Caminhos dos Cânions do Sul, entre os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Neste ano, por meio do Ministério das Relações Exteriores/Palácio do Itamaraty, o Brasil formalizará o pedido de reconhecimento territorial pela UNESCO dos Geoparque Quarta Colônia e do Geoparque Caçapava.

Flavi Ferreira Lisbôa Filho, Pró-Reitor de Extensão UFSM, destaca que a associação está alinhada com a missão que a universidade tem perante a sociedade brasileira. “A nossa integração com a Cátedra UNESCO permite uma convergência maior de esforços, a partir das diversas áreas de formação da UFSM, em prol do desenvolvimento dos territórios da Quarta Colônia e de Caçapava. Esse desenvolvimento, que é social, territorial e humano, está alicerçado no turismo de base comunitária”, ressalta o Pró-Reitor.

Visita dos integrantes do Projeto Geoparques UFSM à Caçapava do Sul, em 2020

A proposta de criação de dois geoparques no território gaúcho foi abraçada pela UFSM em 2018. Desde então, as atividades promovidas pela comunidade acadêmica vêm ganhando espaço e visibilidade em todo o país e internacionalmente. Além de atividades de Extensão, que integram os saberes populares desses territórios e os conhecimentos acadêmicos, ações de pesquisa, de ensino e de capacitação dos moradores da região são promovidas regularmente. Um desses exemplos é o projeto Progredir Geoparque Quarta Colônia, desenvolvido pela UFSM em parceria com o Ministério da Cidadania, através do qual mais de R$ 1 milhão serão aportados na Quarta Colônia para a profissionalização dos moradores visando a geração de renda e empregos.

Outra iniciativa de valorização do território se dá por meio da Pós-Graduação em Patrimônio Cultural UFSM. O mestrado profissional oferece, anualmente, algumas vagas extraordinárias no curso para moradores e profissionais da Quarta Colônia e de Caçapava do Sul, visando a promoção da educação patrimonial nestes territórios. 

“A participação da UFSM nos projetos de Geoparques, além de significar um respaldo importante da instituição, constitui-se em uma das mais importantes estratégias de estímulo ao desenvolvimento econômico regional sustentável. Quando tratamos dessa forma de desenvolvimento, queremos ressaltar a utilização das estruturas próprias dessas comunidades beneficiadas: sua cultura, seus recursos naturais, suas características geológicas e morfológicas”, enfatiza Burmann. Ainda de acordo com o Reitor, outros territórios podem se beneficiar dessa estratégia de desenvolvimento, sempre contando com o apoio institucional.

“A UFSM é uma universidade socialmente referenciada que, desde a sua criação, se preocupa com o desenvolvimento da região que faz parte. É nesse sentido a nossa associação com a Cátedra UNESCO. Isso demonstra um compromisso internacional que assumimos de trabalhar em prol do desenvolvimento regional sustentável e do fomento a estilos de vida saudáveis”, finaliza Flavi.

Sobre a Cátedra UNESCO Geoparques, Desenvolvimento Regional Sustentável e Estilos de Vida Saudáveis

Encontro da equipe dos Geoparques UFSM com o professor Artur Sá (UTAD)

A Cátedra UNESCO Geoparques, Desenvolvimento Regional Sustentável e Estilos de Vida Saudáveis, foi oficializada em junho de 2016. A iniciativa tem por objetivo criar uma rede inovadora e integrada de pesquisa, ensino, transferência de conhecimento e formação avançada para alunos de pós-graduação em temáticas como geoparques, patrimônio geológico e geoconservação, geoturismo, educação para o desenvolvimento sustentável, desenvolvimento local, dinâmica econômica e estilos de vida saudáveis. 

A Cátedra, sediada na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Portugal, é coordenada pelo professor Artur Agostinho de Abreu e Sá, avaliador sênior da UNESCO para os Geoparques. O professor, que esteve, no dia 12 de novembro, visitando o Rio Grande do Sul, realizou uma reunião com a equipe da Pró-Reitoria de Extensão para tratar de assuntos relacionados aos Geoparques UFSM. “O professor Artur mantém uma relação próxima com a UFSM, participando, no mês de outubro de 2021, do V Congresso de Extensão da AUGM ministrando a conferência de abertura”, comenta Flavi.

Fazem parte da Cátedra UNESCO universidades de Portugal, Espanha, Brasil, Argentina, Equador, Chile, México, Angola e Moçambique. Além da UFSM, outras duas instituições brasileiras integram a Cátedra: a Universidade Federal do Cariri (UFCA) e a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Reportagem: Wellington Felipe Hack | Pró-Reitora de Extensão UFSM

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-346-6177

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes