Ir para o conteúdo PROGRAD Ir para o menu PROGRAD Ir para a busca no site PROGRAD Ir para o rodapé PROGRAD
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Plano de Ensino

Plano de Ensino

O plano de ensino é o documento que expressa o planejamento didático da disciplina, durante o seu semestre de oferta, em consonância com o projeto pedagógico do curso (PPC) e as especificidades definidas pelo(s) docente(s). Até o fim do primeiro mês do semestre letivo, o plano de ensino já homologado pelos Cursos deve ser disponibilizado pelo(s) docente(s) aos estudantes matriculados na disciplina.

A Resolução UFSM N. 075, de 26 de janeiro de 2022 dispõe sobre a implantação de planos de ensino digitais nos cursos de graduação, no âmbito da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Tutoriais

Perguntas Frequentes

Gerais

Porque possibilita organização e planejamento tanto por parte do(a) docente responsável, quanto dos(as) estudantes matriculados(as), que terão clareza da forma como os conteúdos serão trabalhados e avaliados.

Todos os(as) docentes vinculados(as) à disciplina são responsáveis pela execução do plano de ensino, mas somente um(a) poderá assumir a responsabilidade pelo cadastro do plano no sistema e pelos seus eventuais ajustes (se houver).

O ideal é que o planejamento a ser efetuado considere o objetivo de formação e o perfil do egresso de cada curso, além da especificidade de cada turma, ainda que o sistema possibilite a recuperação dos conteúdos disponíveis de um plano a outro.

Porque as disciplinas vinculam-se a um projeto pedagógico de curso (PPC), e é papel da coordenação de curso acompanhar como o PPC está sendo desenvolvido, no que diz respeito aos objetivos de aprendizagem e ao perfil do egresso.

Ter conhecimento de como o curso está sendo planificado e desenvolvido, de acordo com os objetivos de formação e o perfil do egresso. Além disso, garantir a realização de aulas e atividades avaliativas nos dias da oferta da disciplina e naquilo que dispõe o Guia Acadêmico sobre o que compete a avaliações ou outros procedimentos previstos no desenvolvimento da disciplina.

Sim, nos itens que dizem respeito ao Guia Acadêmico e ao Calendário Acadêmico e na aderência ao projeto pedagógico do curso.

A coordenação de curso deve contatar o(a) docente responsável e, se necessário, a chefia de departamento, solicitando o encaminhamento imediato do plano.

Não. As alterações poderão ser feitas diretamente pelo(a) docente no Portal do Professor. Quando forem tramitadas para que fiquem visíveis aos(às) estudantes, passarão pela coordenação de curso para que sejam liberadas no Portal do Aluno.

Em geral, no primeiro dia de aula o(a) docente apresenta a programação da disciplina aos(às) estudantes, o que está diretamente vinculado ao plano de ensino. Se o documento ainda não foi elaborado, o(a) docente poderá fazer o registro do planejamento de acordo com o que foi acordado com a turma.

Sim, para que eles(as) possam se reorganizar, principalmente se as alterações versarem sobre cronogramas específicos ou avaliações.

Estratégias de ensino e aprendizagem

É recomendável escolher um espaço/ambiente virtual que seja o ponto de referência e de encontro entre estudantes e docentes. AVEA são softwares que, disponibilizados na internet, agregam ferramentas para a criação, a tutoria e a gestão de atividades que normalmente se apresentam na forma de cursos. Proporcionam não só a disponibilização de conteúdos, mas também interatividade e interação entre pessoas e grupos. A UFSM recomenda o uso do Moodle (plataforma online e gratuita que se configura como uma sala de aula virtual que possibilita ao(à) estudante acompanhar as disciplinas pela internet), e/ou o Classroom (plataforma online que também simula uma sala de aula presencial, podendo ser utilizada por docentes e estudantes para se comunicar, dar avisos, tirar dúvidas e resolver atividades em conjunto). Independente do espaço usado, é o(a) docente que organiza o ambiente para transformá-lo em um ambiente virtual de aprendizagem, criando espaços de apresentação de conteúdo, atividades de aprendizagem, atividades avaliativas e, fundamentalmente, de interação e interatividade entre os(as) participantes.

Sim, pois os(as) estudantes precisam saber o local de encontro e de interação que será usado em cada disciplina e onde poderão encontrar os materiais relacionados.

Sim, sempre que o planejamento explicitar que será usado esse tipo de recurso de interação. As salas de webconferência também são um ponto de encontro entre estudantes, professores(as) e tutores(as) e seu lugar precisa estar sinalizado aos(às) estudantes no início do semestre. 

Significa que a disciplina precisa ter uma dinâmica que incorpore efetivamente o uso de TIC, prevendo, por exemplo, material didático específico para as horas a distância; estratégias de ensino e de aprendizagem condizentes com a modalidade a distância; um processo avaliativo que explore as tecnologias digitais em conjunto com a avaliação da aprendizagem; a mediação de docentes, tutores(as) e estudantes por meio  de tecnologias em um Ambiente Virtual de Ensino e de Aprendizagem (AVEA).

O papel da tutoria na modalidade a distância é fundamental para o bom desenvolvimento das estratégias de ensino, do(a) professor(a), de aprendizagem, do(a) estudante. O(A) tutor é quem medeia a interação no AVEA, aproximando o(a) professor(a) do(a) estudante, bem como o(a) estudante do conteúdo. Por isso, o(a) tutor(a) precisa ser fluente com o uso de tecnologias, mas também precisa entender do conteúdo do qual será mediador(a). Entre as atribuições da tutoria, prevê-se: o suporte ao(à) professor na mediação no AVEA e ao(à) estudante no que se refere a suporte técnico e de aprendizagem; o auxílio ao(à) professor(a) no acompanhamento do processo ensino e de aprendizagem dos(as) estudantes, promovendo interação entre os pares envolvidos no AVEA; a mediação da comunicação de conteúdos entre docentes/discentes; o acompanhamento das atividades discentes, conforme o cronograma da disciplina; o a apoio ao(à) docente no desenvolvimento das atividades didáticas; a regularidade de acesso ao AVEA, preferencialmente no horário fixo da disciplina; o contato permanente com os(as) estudantes e a mediação das atividades discentes; o auxílio ao(à) docente nos processos que envolvem avaliação.

Sim, considerando que a utilização de TIC integra as estratégias de ensino e de aprendizagem adotadas para o desenvolvimento da disciplina. Além disso, é importante que o(a) docente selecione recursos gratuitos ou abertos para que os(as) estudantes possam acessá-los sem a necessidade de investimento, incluindo-os preferencialmente em um AVEA.

Significa disponibilizar meios para que o(a) estudante possa integralizar a disciplina sem prejuízo, ou seja, nas estratégias de ensino adotadas para o desenvolvimento da disciplina, valer-se de procedimentos e recursos didáticos que auxiliarão esse(a) estudante. Os procedimentos didáticos podem ser individualizados ou socializados. Os individualizados podem ser questionários, exercícios, leituras, observações, laboratório, redação, pesquisa, enquanto os procedimentos socializados, característicos dos trabalhos em grupo, são debates, seminários, mesas redondas. Por sua vez, os recursos estão em consonância com os procedimentos. Alguns recursos se adequam mais a uma atividade ou tema, enquanto outros são de uso corrente, pois se ajustam às necessidades de aprendizagem. Por exemplo, no caso da baixa visão, os materiais apresentados, impressos ou digitais, podem precisar de letras aumentadas ou de softwares específicos.  No caso da cegueira, o(a) estudante faz uso de um software leitor de tela, por isso é importante que os(as) docentes forneçam os materiais em formato acessível. Já no caso de estudantes com surdez, fluentes em Libras, estes(as) fazem uso dos serviços de tradução e interpretação.O importante, no quesito acessibilidade, é a identificação da necessidade específica a ser atendida e a busca de orientação. O setor que pode auxiliar tanto docentes quanto discentes é a Subdivisão de Acessibilidade da Coordenadoria de Ações Educacionais (CAED)/PROGRAD.

Considerando as características de aprender de cada pessoa, é recomendável que os(as) estudantes sejam orientados(as) a buscar o Atendimento Educacional Especializado, com vistas à identificação e seleção de recursos mais adequados à modalidade a distância. Algumas questões poderão suscitar dúvidas, como por exemplo, o uso de máscaras para pessoas que fazem leitura labial. Nesse caso, existem máscaras transparentes no mercado, mas isso não significa que sejam indicadas para todas as pessoas. pois existem variações na percepção auditiva, entre outros.O setor que pode auxiliar tanto docentes quanto discentes é a Subdivisão de Acessibilidade da Coordenadoria de Ações Educacionais (CAED)/PROGRAD.

Geralmente, as necessidades de acessibilidade são acompanhadas pela Coordenadoria de Assuntos Educacionais (CAED/PROGRAD), onde se pode buscar apoio e orientação quanto à necessidade de adaptações pedagógicas. No caso de calouros, quando há o registro de ingresso de estudantes através do sistema de cotas, a CAED envia memorando às coordenações de curso comunicando o ingresso do(a) estudante e informando a respeito das adaptações pedagógicas necessárias. É importante lembrar, ainda, que o plano de ensino pode ser ajustado a qualquer tempo dentro do período de oferta da disciplina, mesmo já tendo sido publicado no Portal do Aluno, e é de suma importância que seja construído em consideração à especificidade da disciplina e às características da classe. As estratégias de ensino e de aprendizagem podem ser pensadas adotando práticas flexíveis e com acessibilidade, haja vista que, quando são contempladas, independente das características individuais de cada estudante, os ganhos são coletivos.

Sim, a critério de cada docente e em consideração aos objetivos de formação do curso e ao perfil do egresso.

Para que o(a) estudante tenha conhecimento de como as práticas serão desenvolvidas e possa se organizar, especialmente em caso de práticas que acontecem em mais de um espaço ou local. Além disso, quando as atividades da disciplina implicam acessibilidade e as práticas têm horário livre na oferta ou sofrem alguma alteração, a falta de informações precisas pode inviabilizar a participação do(a) estudante com deficiência pela falta de recurso no horário estipulado pelo(a) docente. Por exemplo: um(a) estudante surdo(a) acompanhado(a) de intérprete de libras. Se o horário da aula for fixado no início do semestre, o(a) estudante terá disponibilidade do serviço de tradução e interpretação; se o horário for alterado abruptamente, o serviço poderá não estar disponível.

Planejamento/Cronograma

Não. O(a) docente só realizará esse detalhamento se achar pertinente. Ainda assim, é de extrema importância comunicar aos(às) estudantes, por exemplo, as datas previstas para avaliações, eventuais saídas a campo, realização de aulas em espaços distintos daqueles previstos na oferta e até mesmo aulas síncronas, se disciplinas ofertadas a distância (conforme o PPC).

Não. O dia reservado ao exame pressupõe uma carga horária extra e só deverá acontecer em momento posterior à publicação das notas parciais, respeitando-se o prazo mínimo de 48 horas após esta divulgação.

Não. As avaliações (parciais e final) precisam ser realizadas nos dias reservados à oferta da disciplina.

A JAI é considerada atividade acadêmica e deve ser registrada no diário de classe, mas não conta na carga horária total da disciplina, para integralização dos conteúdos.

Não. A Resolução n. 08/2005/UFSM prevê que na semana reservada à JAI não devem ser realizadas aulas formais, tampouco avaliações.

Avaliações

As avaliações podem ser projetadas a critério do(a) docente, respeitado o mínimo de duas avaliações periódicas. No plano de ensino, o(a) docente deverá esclareceros critérios estipulados para a avaliação da disciplina e as datas das atividades.

A avaliação pode ser planejada de forma padrão para toda turma e, se necessário, adequada às necessidades do(a) estudante, para a garantia da acessibilidade, conforme orientações da Subdivisão de Acessibilidade da CAED/PROGRAD. Se a avaliação for processual, no sentido de ser realizada ao longo da disciplina, o(a) estudante já estará sendo avaliado(a), dispensando assim a aplicação de um instrumento único. É importante lembrar, também, que as pessoas com deficiência têm garantido, por lei, o direito à dilatação do tempo para realizar avaliações e à adoção de critérios específicos de avaliação, que considerem as suas necessidades de forma singular. O(A) docente poderá conversar também com o(a) próprio(a) estudante e dialogar sobre quais estratégias avaliativas contemplam seu processo de aprendizagem.

Informações complementares

O critério é utilizar bibliografias que estejam em conformidade com os objetivos da disciplina e que tenham acesso livre ou estejam disponíveis nas bibliotecas da UFSM, para garantia de acesso dos(as) estudantes.

As informações podem versar sobre a utilização destes recursos, quando houver, em consideração aos objetivos de aprendizagem da disciplina. O ideal é que os recursos educacionais sejam abertos, para garantia do acesso dos(as) estudantes.

Recursos Educacionais Abertos (REA) são materiais de ensino, aprendizado e pesquisa, em qualquer suporte ou mídia, que estão sob domínio público, ou licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por terceiros. Podem incluir cursos completos, partes de cursos, módulos, livros didáticos, artigos de pesquisa, vídeos, testes, software, ou qualquer outra ferramenta, material ou técnica que apoie o acesso ao conhecimento. (UNESCO/COL, 2011).

Regime Especial de Avaliação

Sim, para que o(a) estudante matriculado(a) tenha clareza do cronograma de atividades e/ou das avaliações que estão sendo propostas.