Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Projeto Retalhos da Memória de Santa Maria – artigo 175 Divisão de Obras e João de Barro em 1966



Audiodescrição da imagem: Fotografia horizontal, em preto e branco. Dois homens em um ambiente interno. Ao lado esquerdo da foto, um homem em pé, enquadrado da cintura para cima, de terno escuro, gravata escura e camisa clara. Pele clara, cabelo liso, escuro, sobrancelha larga e escura, bigode escuro. Está com o olhar voltado para baixo. A frente dele uma mesa escura de madeira, sobre ela uma base de madeira, que contém um galho de árvore com uma casa redonda de João-de-Barro. Na qual o homem apoia os dedos da mão direita. Ao lado direito, outro homem enquadrado dos joelhos para cima, com pele clara, cabelo escuro, com expressão facial sorridente. Usa terno e gravata escuros, camisa clara e calça escura. Tem um lenço claro no bolço do terno. Ao fundo uma mesa clara com alguns objetos em cima. Após, uma parede alta, lisa, clara. No lado direito há duas janelas, grandes, na horizontal, uma na parte inferior e outra na parte superior da parede.

A Divisão de Obras da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) ficava sob a direção do engenheiro José Basílio da Rocha Neto, apoiado pelo ex-secretário de obras do município de Santa Maria, Floriano Dias. Durante três anos a divisão permaneceu num rústico galpão de madeira, de chão batido. Em 1964, para receber visitantes, abrir as enormes plantas de obras e acolher, quase que diariamente, o reitor, foi construída uma casinha de madeira, que abrigou a Reitoria e o Escritório de Obras. Um ninho de João de Barro foi colocado sobre o balcão que resguardava o acesso ao recinto e este passou a ser considerado símbolo definitivo da Divisão de Obras. O João Barreiro, como era chamado, serviu de muitas inspirações ao longo do trabalho, que resultou na construção de cerca de duzentos mil metros quadrados de obras no campus. Na fotografia, o Reitor Mariano da Rocha Filho mostra ao General Antônio José Coelho dos Reis, em visita a universidade em 1966, o símbolo.

Texto: Cristina Strohschoen dos Santos, Arquivista do Departamento de Arquivo Geral da UFSM.

Audiodescrição da imagem: Fotografia horizontal, em preto e branco. Dois homens em um ambiente interno. Ao lado esquerdo da foto, um homem em pé, enquadrado da cintura para cima, de terno escuro, gravata escura e camisa clara. Pele clara, cabelo liso, escuro, sobrancelha larga e escura, bigode escuro. Está com o olhar voltado para baixo. A frente dele uma mesa escura de madeira, sobre ela uma base de madeira, que contém um galho de árvore com uma casa redonda de João-de-Barro. Na qual o homem apoia os dedos da mão direita. Ao lado direito, outro homem enquadrado dos joelhos para cima, com pele clara, cabelo escuro, com expressão facial sorridente. Usa terno e gravata escuros, camisa clara e calça escura. Tem um lenço claro no bolço do terno. Ao fundo uma mesa clara com alguns objetos em cima. Após, uma parede alta, lisa, clara. No lado direito há duas janelas, grandes, na horizontal, uma na parte inferior e outra na parte superior da parede.

 

Audiodescritora Roteirista: Vitória Rodrigues;

Audiodescritora Consultora: Rubia Steffens.

Artigo em Libras


Publicações Recentes