Ir para o conteúdo CT Ir para o menu CT Ir para a busca no site CT Ir para o rodapé CT
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Modelo de diagnóstico para projetos de micro e minigeração distribuída de energia fotovoltaica



Esta pesquisa de mestrado, realizada no Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, busca propor um modelo de diagnóstico para auxiliar investidores na tomada de decisão sobre a implementação de projetos de micro e minigeração distribuída de energia fotovoltaica. A autoria é de Paula Donaduzzi Rigo, orientada por Julio Cezar Mairesse Siluk. 

A energia fotovoltaica exibe um mercado promissor em todo o mundo, e o Brasil se encontra ainda no início de seu aproveitamento. Uma das opções para elevar a participação dessa energia na matriz energética brasileira é com a micro e minigeração distribuída (MMGD). Para impulsionar o crescimento da MMGD de energia fotovoltaica, uma série de fatores econômicos, políticos, ambientais e sociais devem se fazer presentes, principalmente porque a adoção de uma inovação é um processo complexo. Por consequência, surge a incerteza sobre o sucesso que os investidores podem ter com a implementação de sistemas fotovoltaicos. Portanto, a decisão sobre investir na energia fotovoltaica deve ser tomada com base em fatores objetivos e mensuráveis.

CT: Qual pergunta a pesquisa responde? 

Paula Rigo: Como auxiliar os investidores na tomada de decisão sobre a implementação de um projeto de micro e minigeração distribuída de energia fotovoltaica?

CT: Por que isso é relevante?

PR: Pois com a proposição de um modelo de diagnóstico que auxilia os investidores na tomada de decisão para a implementação de projetos de micro e minigeração distribuída de energia fotovoltaica, o processo decisório torna-se confiável, pois apoia-se em fatores críticos ao sucesso para o investidor. Com a divulgação deste diagnóstico, investidores podem avaliar seus projetos, fazer modificações necessárias, sempre em busca de elevar a taxa de sucesso com o investimento. Como consequência disso, o setor mantém-se aquecido, com possibilidades de crescimento devido a confiabilidade dos projetos para os investidores.

CT: Como você resume a pesquisa?

PR: O objetivo do estudo foi propor um modelo de diagnóstico para a implementação de projetos de micro e minigeração distribuída de energia fotovoltaica. O diagnóstico foi desenvolvido por meio de um Sistema de Mensuração de Desempenho (SMD) baseado no conceito de Key Performance Indicators (KPI), construídos a partir de Fatores Críticos de Sucesso (FCS) e agrupados em seis Pontos de Vista Fundamentais (PVF): Econômico, Ambiental, Mercadológico, Político, Social e Tecnológico. A modelagem foi estruturada de modo a calcular o impacto que cada PVF tem perante o conjunto de PVF por meio do método de ponderação Analytic Hierarchy Process (AHP). A pesquisa foi aplicada com 19 especialistas doutores pesquisadores em energia fotovoltaica e 32 investidores em energia fotovoltaica. Como resultados, a formulação matemática proposta foi capaz de ponderar os indicadores e de mensurar o sucesso dos projetos. Dos projetos diagnosticados, 15 alcançaram Índice Global de Sucesso maior que 76%, julgados como projetos de “Sucesso pleno” e 17 foram julgados como projetos de “Sucesso potencial”. Foi verificado que com a promoção de alguns KPI, os projetos de “Sucesso potencial” poderiam ultrapassar para o nível de “Sucesso pleno”, por meio da reflexão promovida pelo diagnóstico. Ademais, foi construída uma ferramenta computacional, com disponibilidade off-line, para que futuros investidores possam avaliar seus projetos. Conclui-se que o diagnóstico foi capaz de avaliar os projetos de MMGD e julgá-los adequadamente. As principais contribuições deste trabalho dizem respeito a identificação dos fatores de sucesso e da metodologia de mensuração desenvolvida para o modelo de diagnóstico. Podendo servir para gerar novos modelos de diagnóstico em outros temas e para a aplicação deste diagnóstico em futuros projetos de MMGD, propiciando decisões mais precisas no momento de elaboração de projetos fotovoltaicos.

CT: Quais foram as conclusões?

PR: O diagnóstico foi aplicado em 32 projetos de micro e minigeração distribuída de energia fotovoltaica, implementados em Santa Maria, RS. Dos projetos diagnosticados, 15 alcançaram Índice Global de Sucesso (Is)≥76″\%” , julgados como projetos de “Sucesso pleno”; 10 obtiveram níveis de sucesso pertencente ao intervalo de Is<75″\%” eIs>70″\%” , julgados como projetos de “Sucesso potencial”, mas que com a promoção de poucos indicadores, poderiam ter alcançado nível de “Sucesso pleno”; e 7 projetos obtiveram Is≤70″\%” , julgados como projetos de “Sucesso potencial”. Portanto, conclui-se que: se os 17 investidores que estão no nível “Sucesso potencial” tivessem utilizado o diagnóstico, poderiam ter elevado seu sucesso com a reflexão de algumas escolhas, proporcionando promoção dos indicadores. Por isso, o uso do diagnóstico em projetos de micro e minigeração distribuída de energia fotovoltaica é uma forma de auxiliar o investidor na tomada de decisão sobre a implementação do respectivo projeto antes de realizar o referido investimento. Ressalta-se que o diagnóstico foi desenvolvido para possibilitar a aplicação geral em diferentes cidades e estados do Brasil.

CT: Quem deveria conhecer seus resultados?

PR: As empresas integradores de energia fotovoltaica, os potenciais investidores em energia fotovoltaica (proprietários de residências, comércios e industrias), e os pesquisadores da área de energia fotovoltaica.

 

Confira a dissertação no repositório.

 

Texto por Jéssica Medeiros, acadêmica de Jornalismo – Divulgação Institucional do CT/UFSM.


Quer divulgar seu projeto ou evento no nosso site? Fez uma viagem técnica? Teve seu trabalho premiado? Participa de uma iniciativa bacana? Clique aqui e deixa a tua sugestão de notícia!

Entre em contato pelo e-mail: noticiasct@ufsm.br.

Siga o CT nas redes sociaisFacebookInstagram e Twitter.

 


Publicações Recentes