Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano
Início do conteúdo

Volver: Reencontro na UFSM 40 anos após a formatura

 

 

Reencontro ocorreu no sábado (28)

O último final de semana foi marcado por lembranças e reencontros. Isso porque, exatos 40 anos após a formatura, os alunos de Medicina da turma de 1975 (ATM 75) retornaram à UFSM. 

Durante a visita, que ocorreu no sábado (28), o grupo foi homenageado em cerimônia ocorrida no Salão Imembuí da Reitoria.

Desde a formatura, os encontros entre os colegas são frequentes. O primeiro foi em 1980 e, desde então, nunca pararam. “Estamos pensando em tornar os encontros anuais, porque morremos de saudade uns dos outros”, comentou a representante da ATM 75 Rosa Maria Wolff. 

O grupo sempre se reúne em sua maioria, mesmo que os integrantes estejam espalhado por diversos lugares do país. No sábado, dos 100, aproximadamente 70 estavam presentes.

Roberto G. Viana, aluno da turma, é especialista em ortopedia e traumatologia. Mora em Venâncio Aires e participou de todos os encontros realizados até hoje. Segundo ele, é muito bom relembrar os momentos vividos no tempo da faculdade, reencontrar os colegas e ver como cada um envelhece de uma maneira muito particular. “O contato é importante e fundamental”, salienta Viana.

Reitor participou  do encontro

Esta é a primeira vez que a UFSM recebe a visita de uma turma já formada. Para o reitor, Paulo Afonso Burmann, que participou do encontro, conhecer os rumos que os egressos tomam assim que formados é um dos grandes desafios que a universidade enfrenta.

Retornos como esse, dos alunos da ATM 75, possibilitam um rearranjo do método e da estratégia de ensino usados, caso necessário. Segundo Burmann, a universidade incentivará ainda mais, a partir de agora, o vínculo consistente com seus egressos. “Esse sentimento de pertencimento à instituição e de que a instituição lhes pertence é fundamental”, destaca.

Durante a cerimônia de homenagem, o orador da turma, Jorge Alberto Salton, releu trechos do discurso feito para o dia 28 de novembro de 1975. Nele, destacou o papel e os desafios do médico na sociedade, e lembrou: “a partir de agora, de protegidos, passamos a protetores”. Ao finalizar, agradeceu a Santa Maria, falou da importância das amizades e desejou nunca perder o vínculo com a turma que acabava de se formar. 

Já Rosa espera reencontrar os colegas por muitos anos. “Ainda somos todos jovens”, comenta ela.

Cada um recebeu da universidade um certificado, como forma de reconhecimento pelo trabalho realizado tanto dentro quanto fora da instituição.

Texto: Andressa Motter, acadêmica de Jornalismo, bolsista da Agência de Notícias

Fotos: Graziela Braga