Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Larp divulga resultado da análise de abelhas encontradas mortas no município de Mata



Abelhas mortas foram encontradas por agricultores em outubro de 2018

Em outubro de 2018, produtores de mel da cidade de Mata, na região central do Rio Grande do Sul, encontraram milhares de abelhas mortas, em cerca de 300 caixas. Algumas amostras dessas abelhas, coletadas pela Delegacia de Polícia de Mata, na época chefiada pelo delegado Jun Sukekava, foram analisadas pelo Laboratório de Análise de Resíduos de Pesticidas (Larp), vinculado ao Departamento de Química da UFSM.

Na manhã da última segunda-feira (25), os resultados dessas análises foram apresentados ao delegado pelos professores Gustavo da Silva, coordenador do projeto Polifeira do Agricultor (que intermediou o diálogo entre os apicultores que encontraram os insetos com a Delegacia e a UFSM), Renato Zanella, coordenador do Larp, Osmar Prestes e Martha Adaime, que também atuam no laboratório. Nas amostras analisadas, foi constatado um alto nível de agrotóxicos, que são comumente usados em lavouras. Estes resultados serão apresentados no Simpósio Internacional sobre Mortandade de Abelhas e Agrotóxicos, que ocorre nesta quinta-feira (28) na cidade de Mata.

De acordo com o professor Gustavo, o uso indiscriminado de agrotóxicos pode ser associado à falta de conhecimento, de que aquilo realmente é perigoso tanto para a saúde humana quanto para a animal. Dentre os impactos para a sociedade, pode-se destacar o prejuízo devido à contaminação da água, solo e ar, bem como de outros animais. Além disso, são diversos os casos de intoxicações e outros agravos à saúde humana.

No caso específico de Mata, em que a mortandade das abelhas foi muito alta, atingindo cerca de 300 caixas de abelhas, a diminuição desta população pode afetar outras culturas. “As abelhas polinizam uma série de culturas. Então, no momento em que a gente diminui essa população, estaremos diminuindo também a polinização, o que vai afetar parte da produção de alimentos”, explica o professor Osmar Prestes.

Ao analisar amostras enviadas à UFSM, Larp encontrou nível elevado de agrotóxicos

Papel do Larp – A UFSM, por meio da pesquisa e extensão, atua muito próxima à comunidade e, assim, auxilia na resolução de problemas como o ocorrido em Mata, que são de cunho ambiental e de atendimento à sociedade. “O Larp é composto por professores e alunos da instituição, atuando diretamente com o Programa de Pós-Graduação em Química. Assim, a resolução deste caso veio ao encontro ao que alguns alunos trabalham, como a determinação de resíduos e contaminantes em mel ou em abelhas”, salienta Prestes. As análises foram realizadas entre os meses de outubro de 2018 e o início de 2019.

Para a professora Martha Adaime, o papel da UFSM, por meio do Larp, é importante tanto em nível regional quanto nacional. “É um trabalho extremamente necessário para questões de consumo interno de alimentos, saúde pública e também de alimentos para exportação. Por exemplo, nosso laboratório faz parte de uma rede do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a qual tem como preocupação o monitoramento de alimentos. Somado a isto, o Larp possui sistema de gestão ISO 17025 implantado, o que garante a qualidade dos resultados”.

Além disso, o Larp auxilia na formação de pessoal. “Hoje formamos alunos de graduação e pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado), nessa área que está em crescimento. O aluno durante sua formação tem a vivência e aplicação direta do trabalho que está sendo desenvolvido e isso é muito importante”, finaliza Omar Prestes.

Assim, o Larp contribui diretamente com causas que envolvem análise de resíduos e contaminantes em amostras de alimentos e de interesse ambiental. O Laboratório de Análises de Resíduos de Pesticidas fica no segundo andar do prédio 17, na sala 1306, no campus sede da UFSM. O telefone de contato é (55) 3220-8011 e o site é www.ufsm.br/larp.

Com informações do Núcleo de Divulgação Institucional da Pró-Reitoria de Extensão


Publicações Recentes