Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Escritora de “A casa das sete mulheres” participou do segundo dia da Festa Literária de Santa Maria



Foto colorida horizontal mostra duas pessoas sentadas, em primeiro plano, uma de lado, a escritora de frente, falando ao microfone e gesticulando, sob uma luz fraca
Painel com Leticia Wierzchowski foi mediado pelo professor Gérson Werlang

Um dos nomes mais influentes da literatura gaúcha, Leticia Wierzchowski foi a convidada especial do segundo dia de atividades da Festa Literária de Santa Maria (Flism). O painel, que teve mediação do professor da UFSM Gérson Werlang, aconteceu na noite desta quinta-feira (12), no auditório da Cooperativa dos Estudantes de Santa Maria (Cesma), no centro da cidade.

Reconhecida como a “voz do romance” do Rio Grande do Sul, a autora tem como principal obra “A casa das sete mulheres”, que foi adaptada pela Rede Globo em uma minissérie exibida em 2003. Também roteirista, Leticia
Wierzchowski possui 28 livros escritos e compartilhou com os presentes sua trajetória de vida no painel intitulado “A alegria da escrita.”

Ao revelar um pouco sobre sua carreira, a escritora contou ao público que antes de se dedicar às letras cursou arquitetura, mas não chegou a completar. Foi também proprietária de uma confecção de roupas e trabalhou no escritório de construção civil de seu pai. Neste último emprego, começou a escrever ficção, tendo como referências as histórias de Érico Veríssimo.

Em 1998, aos 26 anos, Leticia publicou seu primeiro livro, “O anjo e o resto de nós”. Mas foi com seu quinto trabalho, “A casa das sete mulheres”, que Wierzchowski alcançou o sucesso. De acordo com a autora, a história é inspirada em um trecho do livro “Varões assinalados”, do escritor Tabajara Ruas. Em 2017 a escritora encerrou a trilogia de “A casa das sete mulheres” com o romance “Travessia: a história de amor de Anita e Giuseppe Garibaldi”.

Durante o espaço aberto para perguntas da plateia, Leticia falou sobre o seu processo de escrita e o que a literatura representa na sua vida. “A literatura tem o poder de subverter as realidades. Eu quero contar histórias para todo mundo e nunca me faltarão histórias”, enfatizou. Ao final, aconteceu a sessão de autógrafos de lançamento do seu último livro, “O menino que comeu uma biblioteca.”

Além do bate-papo especial com Leticia Wierzchowski, a programação do dia da Flism também contou com um painel sobre vida e obra do poeta português Fernando Pessoa, um debate sobre narrativas transmídia, um painel sobre os 50 anos da morte do escritor americano Jack Kerouac e, também, a discussão sobre a produção da crônica em Santa Maria.

A programação segue até esta sexta (13), com debates abertos, painéis especiais, lançamentos de livros e sessões de autógrafos no auditório da Cesma, localizado na Rua Professor Braga, 55.

Mais informações na página do evento no Facebook.

Texto: Pablo Iglesias, acadêmico de Jornalismo, bolsista da Agência de Notícias

Foto: Thiago Rampelotti/Divulgação

Edição: Ricardo Bonfanti

 


Publicações Recentes