Pular para o conteúdo
Imagem do brasão composta por quatro elementos: escudo, flor de lis, archotes e lema.
Português English Español Français Italiano
Início do conteúdo

NDE do Curso de Engenharia Química divulga carta aberta à sua comunidade

CARTA ABERTA À COMUNIDADE DA ENGENHARIA QUÍMICA DA UFSM

Nosso Curso de Engenharia Química é formado por docentes, discentes e técnicos administrativos que buscam continuamente uma atuação efetiva visando a formação de profissionais comprometidos com a transformação da nossa realidade.

Por vezes é necessário que essa atuação seja mais incisiva visando atender demandas internas e externas como forma de nos reposicionarmos perante estas transformações. Esta capacidade de transformação advém da resiliência, compromisso e capacidade técnica de nossa comunidade e daqueles impactados pela nossa atuação.

Sabemos que o engenheiro químico tem papel central na produção de conhecimento, tecnologias e inovações, pelo que é necessária uma formação de qualidade em concordância com a realidade social e econômica em que nosso curso está inserido. Ao longo de seus 41 anos de história, quase 700 engenheiros químicos graduaram-se em nosso curso, impactando positivamente a região e o país.

A necessidade de um projeto político pedagógico adequado ao ambiente atual, que exige ênfase em projetos socialmente e ambientalmente relevantes, colaboração entre universidade e empresas, programas multidisciplinares de aprendizado mais autônomo, aplicado e contextualizado, dentre outros fatores, tem por consequência estimular o debate por uma nova forma de educação em engenharia química na UFSM.

No momento estão sendo discutidas em nível nacional as novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) dos Cursos de Engenharia, por iniciativa da Associação Brasileira de Educação em Engenharia (ABENGE) e pela Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI/CNI), com as premissas de elevar a qualidade do ensino de engenharia no país, reduzir a taxa de evasão desses cursos e permitir aos cursos maior inovação em seus modelos de formação.

Além disso, o Plano Nacional de Educação 2014-2023, na estratégia 7 da meta 12, busca assegurar, no mínimo, 10% (dez por cento) do total de créditos curriculares exigidos para a graduação em programas e projetos de extensão universitária, para áreas de grande pertinência social.

Portanto, é imperativo que nós, comunidade da Engenharia Química da UFSM, atuemos de forma orientada a atender essas mudanças propostas, e que pelo nosso empenho, nos permitirão ambicionar a colocação de nosso curso entre os primeiros do país.

Para isso, o Núcleo Docente Estruturante do Curso de Engenharia Química propõe a todos uma ampla discussão sobre uma REFORMA CURRICULAR, que permitirá debatermos um projeto curricular orientado às mudanças de concepção de educação em engenharia em consonância com as aspirações de nossa comunidade.

Dessa forma, um debate aberto proporcionará a construção de um inovador Projeto Político Pedagógico a atender um perfil de engenheiro competente e com atitude a ser um agente transformador.

Esta é uma tarefa desafiadora que exigirá a participação de toda a comunidade da Engenharia Química da UFSM, pois a mudança que se propõe só é possível através da participação ativa de todos nós. Encorajamos a todos para que assumam seu direito e compromisso em participar da construção de um novo Projeto Político Pedagógico para o Curso de Engenharia Química da UFSM.

Atenciosamente,

Núcleo Docente Estruturante do Curso de Engenharia Química
Coordenação do Curso de Engenharia Química