Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Trabalho sobre economia solidária rende prêmio a estudantes da UFSM



Um artigo sobre economia solidária desenvolvido na Universidade Federal de Santa Maria  (UFSM) rendeu a três estudantes do curso de Economia um prêmio no Seminário de Jovens Pesquisadores, evento que integrou a programação da 13ª edição do Seminário de Economia Industrial realizado de 15 a 17 de setembro na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Araraquara/SP.


 
Orientados pela professora Andrea Cristina Dorr, do departamento de Ciências Econômicas da Universidade, os acadêmicos Tatiane Pelegrini e Eduardo Rodrigues Sanguinet, do 5º semestre, e Rodrigo Klein Lorenzoni, do 3º, foram os vencedores da categoria “originalidade do tema e importância para o desenvolvimento”.
 
No total, seis trabalhos foram enviados pela UFSM ao evento que teve como foco analisar as perspectivas da economia brasileira, discutir a contribuição da indústria para um desenvolvimento estável e sustentável e debater o temor de desindustrialização. Além de Tatiane, Eduardo e Rodrigo, os mestrandos Sabrina Cantarelli Almeida e Daniel Claudy da Silveira apresentaram trabalhos no seminário, frutos do grupo de pesquisa em Agronegócio, coordenado pela professora Andrea Dorr. Além da Economia, esse grupo conta com acadêmicos de diversos cursos da Universidade, entre eles Agronomia, Zootecnia, Ciências Contábeis, Engenharia Florestal e Medicina Veterinária.
 
Para Tatiane, Rodrigo e Eduardo, o artigo “Economia Solidária de Santa Maria: Estudo da difusão de seus valores e perfil dos participantes” foi premiado por apresentar, além das características expressas pela denominação da categoria, informações importantes sobre um modo alternativo de produção e comercialização de produtos: o comércio justo.
 
Para os três estudantes, compreender as interações sociais e humanas presentes ao longo dos processos de cultivo e produção e de compra e venda é fundamental para a construção de novas relações entre o produtor e consumidor e entre esses dois e o produto. Estudar a economia solidária significa evidenciar essas relações.
 
Porém, na opinião dos autores do artigo premiado, esse torna-se algo complexo diante da literatura especializada ainda incipiente.
 
— São poucos os autores voltados exclusivamente ao estudo da economia solidária. A maioria dos autores que utilizamos para embasar nosso trabalho teoricamente são clássicos, procuramos direcionar suas teorias para nosso objeto de estudo: a Feira da  Economia Solidária de Santa Maria — ressalta Tatiane.
 
 
Além disso, segundo Rodrigo, ainda são poucas as disciplinas da grade curricular do curso de Economia da Universidade que dão ênfase ao tema.
 
— Nosso currículo é bastante diversificado. Na UFSM temos a chance de olhar a economia de ângulos muito distintos. Ainda que a economia solidária não ocupe espaço de protagonismo em nossa formação, temos, por exemplo, a disciplina de economia marxista com o professor Sérgio Prieb. Isso nos dá a chance de nos tornarmos profissionais mais capacitados e pesquisadores mais abertos — afirma Rodrigo.
 
Para os estudantes, os próprios julgadores do trabalho no seminário não se mostraram completamente abertos às ideias presentes no artigo.
 
— Fomos muito bem recebidos na UNESP. Éramos os únicos gaúchos. Fora do Rio Grande do Sul, as pessoas têm bastante curiosidade e interesse pela nossa cultura. Entretanto, quando apresentamos nosso trabalho, notamos o quanto falar de formas alternativas de economia ainda contraria muitas pessoas — conta Eduardo.
 
 
 
Continuidade
 
Apesar do sucesso obtido com o trabalho, Tatiane, Rodrigo e Eduardo confessam que, ao menos por enquanto, são outros os temas que mais chamam sua atenção no infinito universo de estudos possíveis na economia. Para Tatiane, a microeconomia e a história aplicada à economia são os campos mais atraentes. Rodrigo diz que estudos na área empresarial são os que mais o cativam, enquanto Eduardo conta que os processos estudados no campo da macroeconomia industrial são seu maior interesse.
 
Para eles, o bem sucedido trabalho permanece agora como um incentivo aos interessados no tema.
 
— O pontapé inicial foi dado. Nosso grupo de pesquisa contempla muito essa área e certamente novos e bons estudos serão produzidos — finaliza Tatiana.
 
Reportagem e fotos: Fernanda Arispe — Acadêmica de Jornalismo
Edição: Bianca Ribeiro — Coordenadoria de Comunicação Social, UFSM

Publicações Recentes