Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Laboratório de Microbiologia Veterinária é credenciado para diagnóstico de brucelose animal



Com a função de fornecer apoio a
produtores rurais das duas maiores cadeias do Rio Grande do Sul, leiteira e de
corte, o Laboratório de Microbiologia Veterinária (MicroVet) da UFSM conquistou um certificado que comprova a sua excelência: o credenciamento na Portaria nº 147, do Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento (MAPA), que permite a realização de análises a fim de
diagnosticar a brucelose animal.

Coordenado pelo professor Geder Paulo
Herrmann, o projeto conta com estudantes de Medicina Veterinária e Engenharia
de Produção e uma técnica em química da UFSM. O trabalho realizado no
laboratório é feito anteriormente à comercialização da carne e do leite. A
cadeia produtiva que envolve esses alimentos precisa de uma certificação que
comprove a qualidade do cuidado aos animais. Para que o MAPA consiga manter esse padrão, foram criados
programas de credenciamento de laboratórios, capazes de produzir resultados
satisfatórios para a comunidade brasileira e internacional.

No Brasil, existem 13 laboratórios
credenciados, sendo dois deles situados no Rio Grande do Sul. Para o professor Geder,
a importância dessa certificação é o reconhecimento da Universidade como
detentora de um laboratório com qualidade internacional. Além disso, existe a
oportunidade do acesso ao laboratório não só dos alunos, durante a graduação, bem
como dos profissionais formados em medicina veterinária. De acordo com o
professor, o laboratório auxiliará os veterinários que necessitem de apoio
laboratorial no mercado de trabalho.

O MicroVet está situado no Departamento de Microbiologia e Parasitologia do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da UFSM.

Análise
e diagnóstico

As amostras analisadas no laboratório são
feitas através do soro dos animais e só podem ser enviadas pelos médicos
veterinários habilitados. Depois das amostras serem recebidas e analisadas, é emitido
um laudo que apontará se o animal está ou não infectado. Caso o soro dos animais
esteja infectado e tenha passado por um laboratório credenciado, o(a)
produtor(a) rural receberá do Tesouro Nacional o financiamento de novos
animais. Já aqueles(as) que possuem um laudo com a certificação da
qualidade do leite e da carne, receberão um acréscimo sobre o valor do produto.

A brucelose animal é uma doença contagiosa
causada por uma bactéria e atinge bovinos de todas as idades. Como a patologia
nos animais não tem cura, ela pode levar um(a) proprietário(a) rural a perder
todo o seu rebanho. Em 2001, o Ministério de Agricultura, Pecuária e
Abastecimento  instituiu o Programa Nacional de Controle e Erradicação da
Brucelose, a fim de eliminar a bactéria, já que a doença pode ser transmitida
para humanos.

Todo o trabalho de suporte à cadeia
leiteira e de corte realizada pelo laboratório é feito, acima de tudo, com o
propósito de preservar a qualidade de vida da sociedade.“O maior
rendimento não é o produtor, é a saúde pública. Nós estamos trabalhando aqui
para proteger a sociedade”, comenta o professor.

Texto e fotos: Gabrielle
Ineu Coradini, acadêmica de Jornalismo e bolsista da Agência de Notícias

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes