Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Em sessão histórica, o Conselho Universitário da UFSM fortalece a democracia e define posição sobre o “Future-se”



Em nota do Conselho Universitário, UFSM rejeita Future-se
Público lotou Centro de Convenções para reunião aberta do Conselho Universitário

Diante de um Centro de Convenções lotado, o Conselho Universitário (Consu) da UFSM manifestou-se de forma contrária ao Future-se, na manhã desta quarta-feira, 2. O posicionamento foi feito por meio de nota oficial, aprovada em reunião aberta do Conselho, que contou com a presença de 49 conselheiros, além do reitor, e mais de mil estudantes, docentes e técnico-administrativos em educação.Também foi possível acompanhar a transmissão ao vivo pela página da UFSM na internet e pelas rádios UniFM e Universidade AM.

A reunião extraordinária foi convocada durante a última sessão ordinária do Conselho, no dia 27 de setembro, especialmente para debater a redação da nota. Normalmente, apenas os conselheiros podem participar das reuniões do Consu, que ocorrem mensalmente. No entanto, por solicitação do reitor Paulo Burmann, esta reunião foi aberta à participação de toda a comunidade universitária, que explanou seu posicionamento sobre o assunto. No dia 23 de agosto, o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) já havia se manifestado a respeito do Future-se em nota, também demonstrando sua contrariedade ao projeto. 

A sessão do Consu foi aberta com a fala do reitor, Paulo Burmann, que destacou a importância de um espaço de debate sobre o tema, prerrogativa da democracia. “Saliento a necessidade de atentarmos para a situação da educação, que é fundamental para a garantia da soberania nacional”, destacou Burmann.

Entidades representativas e público presente puderam se manifestar sobre o Future-se
Entidades representativas e público presente puderam se manifestar sobre o Future-se

Na sequência, foram ouvidas as manifestações de representantes do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Associação dos Servidores da Universidade Federal de Santa Maria (Assufsm), Seção Sindical dos Docentes da UFSM (Sedufsm) e Seção Sindical dos Técnicos de Nível Superior da UFSM (Atens). Após a fala dos representantes das quatro entidades, foi aberto espaço para a participação de 15 membros da comunidade acadêmica. A maioria das manifestações se mostrou contrária ao programa do governo e destacou a necessidade da manutenção da autonomia didático-científica, administrativa e de gestão das universidades a fim de construir espaços cada vez mais plurais e qualificados.

Logo após, foi lida a minuta da nota proposta pelo reitor Paulo Burmann, que preside o Conselho e conduziu o andamento da reunião conforme previsto em regimento. Os Conselheiros puderam dar contribuições, rejeições ou alterações ao texto base e apresentar suas apreciações sobre o Future-se. Após o debate entre os conselheiros, o Consu votou a redação definitiva da nota oficial.

O Conselho Universitário é o órgão máximo de função normativa, deliberativa e de planejamento da Universidade nos planos acadêmico, administrativo, financeiro, patrimonial e disciplinar. É constituído pelo reitor e vice-reitor da universidade, pelos pró-reitores, diretores das unidades, representantes dos docentes, discentes e técnico-administrativos em educação. A participação de servidores e estudantes em reuniões do Conselho Universitário está prevista no artigo 21 do regimento interno do Consu, podendo ocorrer em caso de convocação por parte do reitor “a fim de prestarem esclarecimentos sobre assuntos que lhes forem pertinentes”

MANIFESTAÇÕES – Rodrigo Poletto, da coordenação geral do DCE, destacou, em sua fala, a trajetória de lutas do movimento estudantil e criticou o programa Future-se e os sucessivos cortes que vêm sofrendo a educação brasileira. Conforme o estudante, essas ações estão “sucateando o ensino público e prejudicando a construção de uma universidade pública, gratuita e de qualidade”.

Estudante Rodrigo Poletto falou em nome do DCE
Estudante Rodrigo Poletto falou em nome do DCE

O mesmo posicionamento foi manifestado por Graziela Jacoby, representante da Assufsm. Em nome da Associação, ela posicionou-se contrária ao Future-se e destacou que o projeto foi construído de forma “unilateral (…), sem diálogo com as gestões das instituições, invisibilizando o trabalho dos técnico-administrativos em educação, e não oferecendo as condições ideais para desenvolvimento do ensino, pesquisa e extensão nas universidades”. 

Gihad Mohamad, representante da Sedufsm, lembrou que, atualmente, dois terços dos estudantes da instituição são oriundos de famílias que recebem até dois salários mínimos. “O programa Future-se dificulta o acesso e permanência ao ensino superior, prejudicando não só o ensino público, gratuito, plural e de excelência, mas a sociedade brasileira como um todo”, afirma o professor. 

Na mesma direção, Clóvis Senger, presidente da Atens, destacou que a construção do Projeto Future-se não leva em conta a realidade brasileira nem o trabalho que já é desenvolvido pelas universidades. “Essa é uma luta muito maior que a própria UFSM, mas é em defesa da educação brasileira e pelo amplo acesso às universidades”, ressalta Senger.

Confira aqui a nota aprovada pelo Conselho Universitário sobre o Future-se.

Texto: Mariana Nogueira, com edição de Aline Dalmolin Foto: Maria Tereza Tassinari / Assessoria de Comunicação do Gabinete do Reitor


Publicações Recentes