Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Com apoio da UFSM e da Unipampa, Brasil solicita à Unesco o reconhecimento de dois Geoparques

Envio dos dossiês é a penúltima etapa do processo de reconhecimento internacional dos territórios. Após o pedido do governo brasileiro, Quarta Colônia e Caçapava aguardam a visita oficial da Unesco no próximo ano



Reunião de apresentação da proposta dos Geoparques, em 2018, na UFSM (Foto: Aline Dalmolin)

Na última quinta (25), o governo brasileiro, por meio do Ministério das Relações Exteriores/Palácio do Itamaraty, com apoio da UFSM e da Unipampa, enviou à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Paris (França), o pedido oficial para a certificação dos territórios de Caçapava do Sul e da Quarta Colônia como Geoparques Mundiais. Os dossiês, elaborados pelas comunidades regionais com apoio da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), constituem o penúltimo passo para que os territórios sejam reconhecidos mundialmente como espaços únicos.

Os dossiês são documentos enviados pelos aspirantes ao título de Geoparque Mundial como uma segunda sinalização dos trabalhos que estão sendo realizados junto às comunidades locais. Além de reafirmar o compromisso da promoção do desenvolvimento local sustentável, os documentos também são compostos de autoavaliações de elementos, como a geologia, a educação, a informação e o desenvolvimento local sustentável. É por meio das informações indicadas nos relatórios que a Unesco, em uma visita presencial, avalia aspectos e características que justificam o título de Geoparque.

De acordo com o pró-reitor de Extensão da UFSM, Flavi Ferreira Lisboa Filho, o envio dos dossiês, pelo Itamaraty, à Unesco, representa um marco fundamental na caminhada rumo à certificação dos territórios da Quarta Colônia e de Caçapava. “Esse trabalho é ‘extensionista raiz’porque foi feito em conjunto com as instituições e as pessoas de ambos os territórios. Estamos muito felizes com esse momento. Ainda há muito trabalho pela frente, os desafios só aumentam nesta caminhada, mas estamos com ânimo e disposição para seguir adiante, cumprindo, especialmente, com o desafio seis do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFSM, que é o de desenvolvimento local, regional e nacional”, comenta Flavi.

Para o professor e diretor da Universidade Federal do Pampa – campus Caçapava do Sul (Unipampa), José Rojas, o envio do dossiê representa a materialização do objetivo do campus da Unipampa, com cursos, em sua estrutura, que levam em consideração as características geológicas e ambientais da região. “O campus Caçapava do Sul da Universidade Federal do Pampa, a partir das ações do Geoparque Aspirante Unesco, aproximou-se ainda mais da comunidade. Percebe-se que a cidade está em transformação e a sociedade entendeu as riquezas naturais que o município tem, despertando na população e na comunidade acadêmica o desenvolvimento responsável tanto social quanto ambiental”, comenta o professor.

Visita dos participantes do então projeto Geoparques UFSM ao Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica (Cappa) Quarta Colônia

“Os nove municípios da Quarta Colônia, representados pelo Consórcio de Desenvolvimento Sustentável da Quarta Colônia (Condesus), trabalham permanentemente em busca do desenvolvimento da região. A parceria formada com a Universidade Federal de Santa Maria foi fundamental para que isso avançasse definitivamente, unindo as forças técnicas e científicas da Universidade com os municípios que compõem o território”, destaca Clóvis Montagner, prefeito de Faxinal do Soturno e presidente do Condesus. Para o prefeito, o esforço conjunto empreendido na organização dos documentos encaminhados à Unesco é fundamental para enfatizar as potencialidades da região.

Após o envio dos documentos, a Unesco designa uma equipe de técnicos para uma avaliação no território. A visita in loco, além de conferir os dados informados nos dossiês, também é uma forma de a instituição conhecer mais a fundo as singularidades dos territórios e os esforços empreendidos pelas comunidades locais. A visita nos territórios da Quarta Colônia e de Caçapava está prevista para acontecer no primeiro semestre de 2022. Juntamente com o dossiê, mais de 50 cartas de apoio dos territórios, de conselhos locais, de universidades e instituições de ensino, além de manifestações dos governos estaduais e federais, foram encaminhadas.

Jaciele Carine Vidor Sell, coordenadora de desenvolvimento regional e cidadania da Pró-Reitoria de Extensão e responsável institucional pelos Geoparques UFSM, ressalta que os dossiês são um passo extremamente importante para os territórios da Quarta Colônia e de Caçapava. “É a síntese de um esforço coletivo, tanto para a elaboração e redação do documento quanto de ações nas comunidades que criaram as condições para que chegássemos nessa fase. Esse envio traz muitos atores, muitas pessoas de dentro e de fora da UFSM, que se dedicam há muito tempo para o desenvolvimento regional e local”. A coordenadora ainda ressalta que o envio traz mais responsabilidades aos envolvidos na iniciativa, reforçando o compromisso da universidade junto aos territórios.

Visita da equipe Geoparques UFSM ao munícipio de Caçapava do Sul, em 2019

“Nós, enquanto Secretaria de Cultura e Turismo de Caçapava do Sul, estamos muito felizes e motivados com este momento que se encontra o Geoparque Caçapava Aspirante Unesco. Todos os nossos esforços estão voltados para o atendimento dos requisitos exigidos pela Unesco”, lembra Stener Camargo, secretário municipal de Cultura e Turismo de Caçapava do Sul. Para Stener, a expectativa é levar para o mundo, por meio do Geoparque, as belezas e as riquezas naturais e culturais do município, sempre pautado nas pessoas que constroem o lugar e a cultura que caracterizam um Geoparque.

No último mês, a UFSM passou a integrar a Cátedra Unesco Geoparques, Desenvolvimento Local Sustentável e Estilos de Vida Saudáveis, unindo esforços com outras instituições para a preservação, em nível mundial, dos territórios reconhecidos pelas Nações Unidas.

Reportagem: Wellington Felipe Hack | PRE UFSM
Revisão: Andressa Marchesan | PRE UFSM
Fotos: Arquivo PRE

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-1-57399

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes