Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Doutoranda Jéssica Croda avalia Sistemas Agroflorestais (SAF) nos Assentamentos da Reforma Agrária no bioma Pampa



O Dia Internacional da Mulher é um dia de luta pelos direitos das mulheres e pela visibilização do seu papel na sociedade. A UFSM, atualmente, conta com 1055 alunas no doutorado, o equivalente a 61%. Nesta semana, trazemos três doutorandas da UFSM que contam um pouco da sua trajetória na ciência e da pesquisa que desenvolvem na Universidade.

Foto de mulher em pé segurando a fruta de uma árvore em uma mão e prancheta na outra Hoje, entrevistamos a pesquisadora Jéssica Croda, engenheira florestal e agrofloresteira, formada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), campus de Frederico Westphalen, mestra em Engenharia Agrícola pelo Programa de Pós-graduação em Engenharia Agrícola (PPGEA) e doutoranda em Engenharia Florestal pelo Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal (PPGEF), ambos na UFSM.

O que lhe despertou a vontade de ser pesquisadora?

Com certeza, a vontade de transformar a realidade social e ambiental que vivemos, a ânsia de realizar pesquisas que proporcionem de fato uma melhoria na vida das pessoas e no meio ambiente. Pesquisas que possam ser aplicadas e replicadas e, para além disso, pesquisas que possam ser realizadas junto com a comunidade, voltadas para a sociedade e a sua realidade local. Pesquisas que te proporcionem a troca de saberes, onde o pesquisador e a pesquisadora não são apenas um coletor e coletora de dados e informações, mas acima de tudo, são agentes de transformação, que ensinam, mas que aprendem muito também, que respeitam e trabalham em conjunto com a comunidade, que a sua maior recompensa é chegar de um dia de trabalho a campo, cansada, mas feliz porque ao sair da propriedade de cada agricultor e agricultora, um sorriso no rosto foi deixado e o sentimento de dever cumprido prevalece. 

Sou apaixonada pela floresta e seus povos, por isso dediquei e dedico a minha trajetória de estudos em trabalhos voltados para a Agroecologia e a Extensão Rural, com destaque para os Sistemas Agroflorestais – caracterizados como um sistema de produção que respeita a biodiversidade local e valoriza a agricultura familiar e seus saberes tradicionais – temática que trabalhei desde a graduação até a atual pesquisa de doutoramento. 

Sempre busquei expandir meus conhecimentos e conhecer novas realidades e experiências. Durante a graduação, fiz Mobilidade Acadêmica Nacional para a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e o estágio obrigatório de conclusão de curso na Embrapa Agrobiologia em Seropédica-RJ, onde tive a oportunidade de trabalhar no projeto de Sistematização participativa de experiências e intercâmbio de conhecimentos em sistemas agroflorestais voltados à agricultura familiar em regiões da Mata Atlântica no sul e sudeste do Brasil (SEISAF). Fui bolsista do Programa de Educação Tutorial – PET Engenharia Florestal na UFSM – envolvendo atividades de ensino, pesquisa e extensão. Boa parte da minha formação profissional e pessoal, eu dedico à minha inserção no movimento estudantil, principalmente como representante estudantil no Diretório Acadêmico (DA) da Engenharia Florestal e como membra da Associação Brasileira de Estudantes de Engenharia Florestal (ABEEF), que me proporcionou o entendimento do nosso papel perante a sociedade e o envolvimento em pesquisas voltadas para melhoria da realidade local.

Fiz Residência Agroflorestal na Universidade Federal de Rondônia (UNIR), campus Rolim de Moura-RO, trabalhando com a agricultura familiar e os sistemas agroflorestais da Amazônia brasileira, onde concomitante realizei a minha pesquisa de mestrado na Instituição denominada de Projeto Reflorestamento Econômico Consorciado e Adensado (RECA). Atualmente, trabalho com os quintais agroflorestais nos Assentamentos da Reforma Agrária no bioma Pampa. 

Foto de duas mulheres conversando na floresta, uma segura um caderno, a outra mede o diâmetro do caule de uma árvore

Faz parte de algum grupo de pesquisa ou recebe bolsa? Se sim, qual(quais)?

Sim, faço parte do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Recuperação de Áreas Degradadas (Neprade/UFSM), criado em 2011, vinculado ao Departamento de Ciências Florestais da Universidade Federal de Santa Maria e integra o Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq. O grupo tem por objetivo promover a pesquisa em restauração ecológica e recuperação de áreas degradadas em suas diversas dimensões, com foco nos diferentes ecossistemas do Rio Grande do Sul. Congrega profissionais e acadêmicos de diversas áreas ligadas à pesquisa em restauração/recuperação ambiental, tais como restauração ecológica de ecossistemas naturais, bioindicadores de qualidade ambiental, efeitos da fragmentação florestal, invasão biológica, usos múltiplos de espécies nativas e sistemas agroflorestais, sob a coordenação da Profa. Dra. Ana Paula Moreira Rovedder

Sou bolsista Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), em nível de doutorado. 

Poderia contar sobre sua pesquisa? Por que é relevante realizar este estudo? 

Minha pesquisa de doutorado está sendo realizada nos Sistemas Agroflorestais (SAF) nos Assentamentos da Reforma Agrária no bioma Pampa.

A qual pergunta busca responder? Com qual objetivo?

A pesquisa tem como hipóteses: 

  1. a) Os SAFs melhoram a qualidade dos serviços ambientais (qualidade do solo, recarga hídrica, conservação da biodiversidade, serviços de provisão);  
  2. b) Os SAFs diversificam a produção na pequena propriedade familiar, gerando excedente para comercialização e fortalecimento da segurança alimentar.

O objetivo é avaliar o desempenho dos Sistemas Agroflorestais em promover e fortalecer os serviços ambientais no contexto socioeconômico e ambiental, na pequena produção familiar no Rio Grande do Sul. Como objetivos específicos, a pesquisa busca: Analisar a estrutura e composição de espécies dos diferentes arranjos agroflorestais; Avaliar a eficiência de indicadores ambientais e socioeconômicos em sistemas agroflorestais; Fornecer embasamento técnico científico para o fortalecimento de políticas públicas voltadas à pequena produção familiar.

Com a pesquisa busca-se obter um conjunto de indicadores socioeconômicos e ambientais essenciais para monitorar, a curto e médio prazos, o desempenho de SAFs na melhoria da qualidade dos serviços ambientais.  Além disso, elaborar um protocolo de recomendações de arranjos agroflorestais e indicadores de avaliação, que servirão como suporte técnico científico para políticas públicas de fortalecimento da agricultura familiar. 

A pesquisa faz parte do Programa Conexus – Sistemas Biodiversos para Inclusão Social e Qualidade Ambiental no bioma Pampa: Conexões entre a Abordagem Nexus e o Programa Quintais Sustentáveis, desenvolvido pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Recuperação de Áreas Degradadas (Neprade) e pelo Núcleo de Estudos em Agricultura Familiar (Nesaf), com apoio financeiro do CNPq. 

Grupo de pessoas posando pra foto no campos, algumas seguram cartazes

 

 

Já apresenta resultados?
A pesquisa está na fase de coleta e análise de dados.

Há mais mulheres na sua área de atuação? A presença de mulheres na sua área de pesquisa é expressiva? 

A presença de mulheres na área florestal vem aumentando nos últimos anos. A predominância histórica masculina, principalmente nas Ciências Agrárias, vem sendo superada, apesar de ainda existir muito machismo que precisa ser enfrentado diariamente. As mulheres estão conquistando cada vez mais o seu espaço na pesquisa e na extensão. No Grupo de Pesquisa que faço parte, por exemplo, as mulheres já são a maioria e no trabalho com a agricultura familiar, muitas agricultoras são as gestoras e tomadoras de decisão da propriedade. Frente a isso, também é nosso papel fortalecer e incentivar essas mulheres cada vez mais!  

Você teve professoras ou outras pesquisadoras/extensionistas que te apoiaram e te inspiraram nessa trajetória?

Sim, com certeza, muitas mulheres são meus exemplos e minha motivação diária. Minha orientadora, Profa. Dra. Ana Paula Moreira Rovedder, é uma grande inspiração profissional, trabalhando com a restauração ecológica e os aspectos sociais e o mais importante, sempre apoiou e incentivou a realização da pesquisa de uma forma horizontal, dialógica e construída coletivamente. A Dra. Fabiana Peneireiro, uma grande referência na área da minha pesquisa, possui uma ampla experiência com sistemas agroflorestais, uma das fundadoras da ONG Mutirão Agroflorestal, junto com a Patrícia Vaz e a Denise Amador, que mostraram e continuam mostrando o papel da mulher na Agrofloresta, desde o plantio até o manejo agroflorestal. Essas mulheres comprovaram que a mulher pode e consegue manejar uma roçadeira, um facão, um trator, uma motosserra, um trado, enfim, todas as práticas historicamente masculinizadas, e que nós mulheres possuímos as mesmas habilidades, o que faltava eram referências mulheres e incentivo. Além disso, a Fabiana Peneireiro publicou, em 1999, uma das pesquisas com sistemas agroflorestais mais importantes da época e continua sendo referência até hoje. Com certeza, elas possuíram um papel essencial para que mais mulheres se tornassem pesquisadoras e aplicassem seus conhecimentos na e para a comunidade, encorajando muitas jovens, assim como eu, a seguir com a trajetória de estudos. 

Além dessas professoras e pesquisadoras, uma grande fonte de inspiração e motivação, é, com certeza, cada agricultora que tive a oportunidade de conhecer e trabalhar em conjunto. 

Quais são os maiores desafios enfrentados por mulheres na busca pela igualdade de gênero na ciência?

Acredito que um dos maiores desafios é ser respeitada e ouvida como pesquisadora! Muitas vezes nossas ideias não são ouvidas ou mesmo são levadas a dúvida, simplesmente pelo fato de sermos mulheres. Quantas vezes nossa opinião foi ignorada, mas ouvida quando falada por um homem? Várias vezes, com certeza. Ser mulher na ciência significa ter que se auto afirmar sempre, é ter inúmeras vezes a sua capacidade, seja intelectual ou física, criticada. 

Além disso, um aspecto muito importante que precisa ser destacado, é a sobrecarga de trabalho da mulher, que não se resume apenas ao ambiente de pesquisa, mas à rotina cotidiana. Nenhuma mulher é somente pesquisadora, cientista. Ela também é: filha, mãe, esposa, dona de casa, agricultora, agrofloresteira, extensionista, estudante, professora e ainda PESQUISADORA! O ambiente de trabalho de uma mulher não se resume ao tempo que ela permanece nele, seja na universidade, no laboratório ou mesmo nas atividades a campo. Essa sobrecarga de trabalho, na grande maioria das vezes, ainda recai como responsabilidade da mulher, principalmente as questões relacionadas aos filhos/as e aos cuidados de casa. Mudar esse paradigma é, sem sombra de dúvidas, um grande desafio para que exista, de fato, igualdade de gênero na ciência. 

De que forma você acredita que mais meninas poderiam ser incentivadas a se interessar pela ciência e ambicionar se tornar cientistas?

Com mais mulheres ocupando os espaços de liderança, com mais mulheres conquistando a sua vez e fazendo-se ouvir a sua voz! Com mais mulheres sendo protagonistas de pesquisas e empoderando mais mulheres a fazer o mesmo! Com mais mulheres sendo fortalecidas e valorizadas, ouvidas e respeitadas, sem ter suas falas interrompidas e opiniões ignoradas. Mas, para isso, é necessário e urgente que tenhamos igualdade de gênero em todos os espaços, seja nas coordenações, nas direções, na contratação de professores e professoras, nas diferentes áreas da pesquisa. Diante disso, para além de ter mais referências mulheres, é imprescindível dar visibilidade para as referências que estão escondidas, esquecidas e isoladas. Precisamos trabalhar juntas, mostrando o trabalho que realizamos e ressaltando sempre a importância das mulheres na Ciência. 

As outras doutorandas entrevistadas são Rosane Heck do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Alimentos e Franciele Oliveira do Programa de Pós-Graduação em História.

Confira também o programa Elas na Ciência no canal do YouTube da TV Campus que entrevista professoras da UFSM.

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes